terça-feira, 5 de maio de 2020

Caixa ainda espera análise de pelo menos 6 milhões de cadastros do auxílio emergencial

Banco não divulgou previsão para resposta a esses beneficiários, mas prevê mudanças para
equilibrar o calendário da 2ª parcela a ser paga. (Com informações do JC Online).

Quase um mês após o lançamento do programa para pagamento de auxílio emergencial em virtude da pandemia do novo coronavírus, 6 milhões de beneficiários que se cadastraram no aplicativo Auxílio Emergencial ainda seguem em análise sobre a possibilidade ou não de recebimento do pagamento. 

Até esta segunda-feira (4), de acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, de um universo de 96 milhões de cadastros, pelo menos 90 milhões dos inscritos já receberem algum informação quanto ao cadastro ter sido aprovado, negado ou estar inconclusivo (com possibilidade de recadastramento); enquanto 6 de pedidos ainda segue sem saber se serão aprovados ou não. 

Dos 90 milhões que já tiveram alguma resposta, cerca de 50 milhões já receberam o pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial, enquanto pelo menos 26 milhões de cadastros foram recusados e 12 milhões foram identificados como inconclusivos (com possíveis erros de preenchimento e possibilidade de recadastramento)

"Estamos ainda sem informação de ao redor de 6 milhões de inscrições que não tiveram a análise completa pela Dataprev e o ministério da Cidadania. Então, nós não temos ainda a possibilidade de pagar. Ou seja, ao redor de 6% do total de cadastrados. Desses, 96 milhões, 90 milhões já têm alguma informação", disse o presidente da Caixa. 

Durante transmissão ao vivo no YouTube, o banco não soube precisar quando divulgará o calendário da segunda parcela dos pagamentos, nem quando terá respostas para os 6 milhões de pedidos em análise. 

"Quando a gente começou a pagar, para as pessoas que já tinham conta foi muito mais simples. Teve mais problemas quando começamos a pagar àqueles que não tinham conta em lugar nenhum. O depósito já tinha sido feito há quase uma semana antes, mas a questão é que uma parcela grande foi às agências, pela necessidade um público mais carente ter uma ajuda", esclareceu Guimarães.

Para a segunda parcela, o banco promete mais organização e equilíbrio entre os grupos de recebimento. "Nós já temos uma base muito mais organizada. A parte inicial de validação não teremos mais, de criar um banco de dados. Iremos equilibrar mais as duas parcelas da população que precisam mais de ajuda, que são os informais sem conta e o Bolsa Família", prometeu.

Para beneficiários do Bolsa Família, os pagamentos da segunda parcela já têm como previsão um calendário entre os dias 18 e 29 de maio. Para os demais, ainda não há calendário. 

Ranking: Pernambuco tem um índice de isolamento social de 52,24%

No estado, as cidades que lideram a adesão ao isolamento são: Granito e
Olinda no primeiro lugar, com 61,7% da população isolada. (MPPE).

O isolamento social é a principal solução para a contenção da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Pensando na necessidade de desenvolvimento de uma ferramenta que possa mensurar a adesão popular à necessidade de manter-se fora do convívio social, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) elaborou o Painel de Isolamento Social, que mensura o nível de isolamento em cada uma das cidades pernambucanas. A ferramenta é pública e está disponível para ser acessada no site do MPPE, no endereço: https://bit.ly/Ranking-IsolamentoSocial. O ranking de isolamento social será divulgado com novas informações pelo MPPE toda segunda-feira.

Segundo o painel, Pernambuco tem um índice de isolamento de 52,24%. As cidades que lideram a adesão ao isolamento são Granito e Olinda no primeiro lugar, com 61,7% da população isolada; sendo seguidas por Paulista, com 61,6%; e Camaragibe com 60,9%. Recife, a capital pernambucana, aparece na 23ª posição, com 58,2% de pessoas em processo de isolamento social. O Painel mostra o percentual da população que está respeitando a recomendação de isolamento e existe para auxiliar as autoridades a direcionarem os recursos de segurança pública, comunicação e saúde.

“A pouca adesão dos pernambucanos ao isolamento social, está causando um número assustador de pessoas contaminadas e de mortes. É preciso tratar esse tema com a máxima seriedade. Vamos expedir mais uma recomendação para que os prefeitos intensifiquem o isolamento social, insistimos que, como não temos ainda uma vacina, a intensificação do isolamento social, segundo com toda comunidade científica mundial, é o único meio que pode reduzir o número máximo de pessoas que poderiam ser infectadas pela Covid-19. É preciso que a sociedade tenha essa consciência, mude a sua atitude, caso contrário teremos uma tragédia sem precedentes”, afirmou o procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros.

Os dados para a extração das informações são realizados a partir da geolocalização dos celulares dos cidadãos. “Fazemos a extração de informações para o nosso Painel de Controle a partir do Mapa brasileiro da Covid-19, elaborado pela inLoco, que foi uma das soluções incentivadas durante a realização do Desafio Covid-19. Uma das propostas foi o desenvolvimento de uma ferramenta para monitorar em tempo real o fluxos populacionais para identificar, educar e coibir aglomerações ou comportamentos inadequados”, disse o secretário de Tecnologia e Inovação do Ministério Público de Pernambuco, Antônio Rolemberg. O Desafio Covid-19 é uma iniciativa do MPPE, por meio do Laboratório de Inovações Tecnológicas e de Negócio do MPPE (MPLabs); da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE); e do Porto Digital de Pernambuco, através do Open Innovation Lab (OIL). O projeto incentivou soluções de tecnologia para conter a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“A partir da base de dados que foi criada nós fazemos a extração das informações, cruzamos com os dados de cada uma das cidades e fazemos uma classificação de forma que conseguimos abranger todos os 184 municípios pernambucanos e o distrito de Fernando de Noronha. Com isso, podemos informar a população pernambucana sobre as regiões com baixo índice de isolamento, apoiando autoridades na tomada de decisão”, disse o gerente de estatística do Ministério Público de Pernambuco e autor do Painel de Controle, Carlos Gadelha. 

Garanhuns: Decreto Municipal autoriza funcionamento de óticas a partir desta terça em Garanhuns

Estabelecimentos fazem parte do comércio de produtos farmacêuticos,
perfumarias, cosméticos e artigos médicos. (ASCI-PMG).

O Governo Municipal emitiu, nesta segunda-feira (04), um novo decreto que autoriza o funcionamento, com restrições, das óticas em Garanhuns. A nova medida é válida a partir desta terça-feira (05), e segue as determinações e recomendações da Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE), que inclui o segmento de óticas no comércio de produtos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos e artigos médicos.

Desta forma, fica permitido o funcionamento das óticas no município, desde que o atendimento interno seja realizado através de agendamento com hora marcada, no intuito de evitar aglomerações nos estabelecimentos, como medida preventiva à Covid-19.

O decreto também traz diversas recomendações aos estabelecimentos, entre elas a intensificação das ações de limpeza, disponibilização de álcool em gel 70% ou equivalente profilático, ou pia e sabão, para uso dos clientes; equipamentos de proteção individual para funcionários, e adoção de estratégias que reduzam o tempo de atendimento e métodos eletrônicos de pagamento.

Em caso de descumprimento das recomendações, fica autorizado, aos órgãos competentes, a apuração de eventuais práticas de infrações sanitárias, previstas na Lei Municipal nº 3930 de 12 de setembro de 2013 (Código Sanitário Municipal).