sábado, 21 de março de 2020

UTILIDADE PÚBLICA: Saiba quais são os sintomas, como acontece a contaminação e como se prevenir contra o coronavírus

Reportagem especial mostra ainda a letalidade do COVID-19; demonstrando também que uma 
pessoa infectada pode transmitir o vírus, em média, para dois ou três indivíduos.

O surto de uma nova doença; a Covid-19, provocada por um tipo inédito de coronavírus surgiu na cidade de Wuhan, megalópole da região central da China, em dezembro de 2019 e já se espalhou pelo mundo por todo o planeta. Os coronavírus são vírus que causam infecções respiratórias como o resfriado comum. Variedades mais agressivas do vírus podem causar pneumonia e síndromes agudas, como a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa) e a MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio).

Sintomas - Embora existam casos assintomáticos, ou seja, não apresentam sintomas; um estudo chinês apontou que os contaminados sofrem com alguns sintomas como febre, tosse, fadiga muscular e síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). A SDRA é um tipo de insuficiência respiratória que causa acúmulo de líquidos nos pulmões e redução dos níveis de oxigênio no sangue. Outros sintomas como diarreia, tosse com sangue, dor de cabeça e dor de garganta ocorrem apenas em um pequeno número de pacientes.

Letalidade - Segundo pesquisa do Centro de Controle de Doenças da China, a doença evolui para casos "graves" em 14% dos casos, e "crítico" em 5%. Mas, em geral, o organismo elimina o patógeno e acaba se recuperando espontaneamente. A taxa de letalidade observada entre os primeiros 40 mil casos confirmados laboratorialmente foi de 2,3% — o mais comum é que as mortes ocorram entre idosos e pessoas com problemas prévios de saúde. A taxa de letalidade para pessoas com mais de 80 anos foi de 14,8% até agora, e nas pessoas de 70 a 79 anos foi de 8%.

Outros sintomas e como acontece a contaminação - Neste sábado, (21), o Presidente Jair Bolsonaro anunciou que o Exército Brasileiro já produz um remédio a base de Cloroquina para tratar pacientes infectados com a Covid-19, contudo, até que aqueles que precisam tenham acesso a medicação, o foco mesmo é tratar os sintomas com repouso, hidratação e ventilação; para os que tiverem complicações respiratórias.

Não se sabe ao certo ainda, se o novo vírus vai sofrer alguma mutação e evoluir para algo mais grave. No entanto, especialistas afirmam que alguns cuidados devem ser adotados pelas pessoas desde já, não só como forma de evitar a propagação do coronavírus mas também de outras doenças virais. Normalmente a contaminação ocorre pelo ar, por meio de gotículas expelidas na respiração e por contato direto ou indireto com secreções.

Recomenda-se evitar contato com pessoas contaminadas, mas a transmissão também pode ocorrer durante o período de incubação do vírus, isto é, quando a pessoa está com o vírus, mas ainda não apresenta sintomas. O cálculo inicial estima que este período varia em torno de 2 a 14 dias, embora um cidadão chinês já tenha apresentado os sintomas após 27 dias. Especialistas acreditam que uma pessoa infectada pode transmitir o vírus, em média, para dois ou três indivíduos.

Quais as principais formas de prevenção? – Lavar as mãos frequentemente, sobretudo antes de consumir algum alimento, é a principal recomendação. É aconselhável também o uso do álcool gel de forma complementar. Utilize lenço descartável para higiene nasal, cubra nariz e boca quando espirrar ou tossir e evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca. Especialistas sugerem ainda cozinhar bem os alimentos, principalmente carnes e ovos, e orientar bem as crianças.

                                    Recomendações gerais:


.

Cuidados adicionais


.

Por que lavar a mão é tão importante?   A maior parte dos microorganismos não cresce nas mãos, mas é transportado por elas até boca, olhos e nariz. Segundo estudos, existem de 39 a 450 mil bactérias em um cm² na ponta do dedo. Embora seja um procedimento básico de higiene, pouca gente lava as mãos de forma eficaz. Uma boa higienização demora, pelo menos, 20 segundos.
.

Máscaras podem ajudar na prevenção, mas o indicado não é usar deliberadamente – O medo da epidemia do coronavírus gerou uma corrida por máscaras no Brasil. No entanto, a recomendação, é que apenas profissionais de saúde, trabalhadores de aeroportos e portos que recebem pessoas de fora do país, e pacientes suspeitos no contato com outras pessoas utilizem máscaras.

Existem dois tipos delas: as cirúrgicas e a N95.

A máscara cirúrgica comum, feita de tecido descartável, tem como objetivo primário evitar que o usuário contamine o ambiente. A N95, feita de microfibra sintética e materiais mais densos, é feita para evitar que o ambiente contamine o usuário.

       As máscaras descartáveis têm período de proteção de duas a quatro horas. Depois desse tempo ficam úmidas e perdem a capacidade de barreira. Isto pode gerar uma falsa ideia de proteção, o que pode levar a menos cuidados com as medidas de prevenção e, claro, aumentar os riscos.

         O Globo
.

PACIENTES ESTÃO SENDO MONITORADOS: Secretaria de Saúde de Garanhuns segue investigando dois casos do Coronavírus na cidade

De acordo com a pasta; os casos poderão ser descartados; após 14 dias de monitoramento; 
e a contar que não haja evolução dos quadros para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

A Secretaria de Saúde, através da equipe técnica da Vigilância Epidemiológica, informa que os dois casos do Novo Coronavírus identificados no município, permanecem em investigação. Trata-se de duas mulheres, na faixa etária de 25-30 anos, que apresentaram sintomas como febre, tosse, dor de garganta, náuseas/vômito e coriza, somado ao cenário de contato com pessoas oriundas de locais onde já havia casos confirmados e transmissão comunitária do vírus.

De acordo com as orientações do Ministério da Saúde e Secretaria Estadual de Saúde, a partir de agora apenas os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) serão testadas para o Covid-19 (SARS-Cov2). Por isso, ambos os casos em investigação, seguem o novo protocolo, com isolamento domiciliar do paciente por um período de 14 dias e monitoramento pela equipe local. Após esse período, não havendo nenhuma evolução para SRAG, os casos poderão ser descartados.

De acordo com a NOTA TÉCNICA N°3/2020 publicada no dia 19 de março pela Secretaria Estadual de Saúde, esses dois casos não se enquadrariam mais na definição como ‘suspeitos’, consequentemente sem a necessidade de notificação. Essa medida segue a orientação do Ministério da Saúde, já que Pernambuco possui casos confirmados por transmissão comunitária, o que resulta na notificação apenas de casos graves da doença (SRAG). Ou seja, serão notificados e identificados apenas casos graves – pessoas que apresentem falta de ar, dificuldade para respirar, dor no peito e febre que se prolongue por mais de 72 horas, mesmo com o uso do antitérmico. Seguindo orientação do Ministério da Saúde, o Estado não vai mais testar casos leves nem assintomáticos.

Importante destacar como serão classificados os casos a partir desta mudança:
.

CORONAVÍRUS EM GARANHUNS: AESGA determina mudança em seu horário de expediente e ainda suspende aulas de Pós-graduação e atividades do Núcleo de Práticas Jurídicas

Suspensão está prevista até o próximo dia 31 de março. Eventos no
Auditório e na Quadra de Esportes também foram cancelados.

A Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns – AESGA adotou novas medidas preventivas ao contágio pelo Novo Coronavírus (Covid-19), além da suspensão das atividades acadêmicas até o dia 31 de março, já implantada na segunda-feira, 16 de março.

Considerando o Decreto Municipal nº 015/2020, publicado no Diário Oficial dos Municípios do Estado de Pernambuco no dia 17 de março de 2020, emitido pela Procuradoria Geral do Município de Garanhuns, estabelecendo medidas temporárias no âmbito do território do Município de Garanhuns de prevenção ao contágio pelo Novo Coronavírus (Covid-19), o Conselho de Administração da AESGA, seguindo a portaria Nº 061/2020 de 17 de março de 2020, resolveu determinar que o expediente da Autarquia até 31 de março, seja das 8 às 16 horas.

Estão suspensas ainda as aulas de todos os cursos de pós-graduação das Faculdades Integradas de Garanhuns até 31 de março, bem como, as atividades do Núcleo de Práticas Jurídicas, Núcleo Integrado de Práticas Administrativas e reuniões institucionais no âmbito da AESGA, salvo para atender assunto de excepcional interesse público.

Foram cancelados, pelo mesmo período, também todos os eventos e atividades programadas para acontecerem no Auditório e na Quadra de Esportes da AESGA, evitando desta forma a aglomeração de pessoas em ambiente fechado.

Além disso, todos os empréstimos dos livros realizados na Biblioteca Ivonita Alves Guerra da AESGA, entre as datas de 9 a 13 de março, foram renovados para 1º de abril.

A AESGA determinou também a dispensa de todos os alunos colaboradores e monitores durante o período de suspensão de aulas, que segue até o dia 31.  

Ainda como medida de prevenção, o Departamento Pessoal da Autarquia, está realizando o levantamento dos servidores do quadro Administrativo e Serviços Assessoriais, incluindo os Auxiliares de Serviços Gerais e Guardas Patrimoniais, que possuam férias vencidas, para readequar o período de gozo, tendo em vista a alteração do calendário acadêmico antecipando o recesso acadêmico do mês de julho/2020.

Assim, a concessão de férias coletivas visa possibilitar aos servidores da IES manter-se em quarentena domiciliar, como medida de prevenção a proliferação do Covid-19 e viabilizar a redução do número de servidores em atividade na Instituição.

Os servidores inclusos no Sistema de home office, tais como gestantes e demais servidores que apresentaram requerimento por recomendação médica, deverão, ao término deste período, apresentar relatório das atividades desenvolvidas no referido sistema de trabalho, sendo o mesmo assinado pelo servidor e chefia imediata.

A AESGA informa que, conforme a evolução no panorama de contágio e de novas recomendações das autoridades públicas, outras medidas poderão ser adotadas no enfrentamento à Covid-19, contudo a determinação é seguir as orientações do Ministério da Saúde e demais órgãos competentes para evitar o alastramento do Coronavírus.


LEGISLATIVO NO COMBATE AO COVID-19: Presidente da Câmara de Garanhuns cobra mais atenção do Governador; e por meio de ofício reclama a abertura de mais leitos hospitalares no município; e o envio de mais médicos para o Dom Moura

No mesmo documento, Daniel da Silva ainda solicita que o Governo do
Estado envie testes para identificação do Covid-19 para o HRDM.

Irmanado aos demais poderes, Municipal, Estadual e Federal, bem como preocupado com a atual situação em que ora vivemos, especialmente o Município de Garanhuns com essa Pandemia do Covid-19, o Vereador e Presidente da Câmara Municipal de Garanhuns, Daniel da Silva, enviou ao Governo do Estado ofício com o seguinte teor:

Exmo. Sr. Paulo Henrique Saraiva Câmara, cumprimentando-o, diante das medidas tomadas para o combate a Pandemia do Covid-19, pelo Governo do Estado, que foram de vital importância, vimos pelo presente solicitar a Vossa Excelência, as seguintes ações para Garanhuns e região, em forma de sugestões:

Testes para identificação do Covid-19 para o Hospital Dom Moura que é o Hospital de referência no atendimento para Garanhuns e Região do Agreste Meridional;

O envio através de contratação ou outra forma de mais médicos para o Hospital Regional Dom Moura;

O envio de Álcool em Gel e/ou Álcool 70% para os órgãos públicos, que estão em funcionamento em Garanhuns, pois os mesmos não são encontrados á venda nas farmácias, supermercados e distribuidores de Garanhuns e Região;

Enviar leitos de retaguarda para os Hospitais Monte Sinai e Nª Sª do Perpetuo Socorro, para que os mesmos possam ajudar nesse momento de grande esforço para o combate da Pandemia do Covid-19;

Envio de mascara de proteção para os órgãos públicos que estão em funcionamento a exemplo do Detran, Conselho Tutelar e etc.

Salientamos que essas solicitações, se atendidas, poderão ajudar de forma concreta o atendimento do Hospital Dom Moura nesse momento de grande procura, e também a não expansão do Covid-19, pelo que nos colocamos á disposição, para o que for necessário para ajudar o Povo Pernambucano, em especial a população de Garanhuns e Região.

Em tempo – A presidência da Casa Raimundo de Moraes, na pessoa de seu presidente, Daniel da Silva (Daniel da Saúde), ratifica que o expediente da Casa está suspenso por tempo indeterminado. Tal medida visa resguardar a saúde do seu corpo de Vereadores, Funcionários, fornecedores e do público que frequenta aquele Poder Legislativo.

Ascom - Câmara de Vereadores de Garanhuns-PE

BOA NOTÍCIA PARA O BRASIL: Ministro da Saúde confirma que país testou e já está fornecendo a cloroquina; medicamento que mostrou resultados promissores para o tratamento contra o Covid-19

Henrique Mandetta: “Temos capacidade de produção, já estamos
produzindo e está na prateleira dos pacientes graves".

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira (20) a jornalistas, que o país "já validou" e está fornecendo a cloroquina, medicamento que mostrou resultados promissores em testes para tratamento contra a covid-19, para pacientes mais graves. A Anvisa passou  exigir receita médica para compra do remédio para evitar o uso indiscriminado. “Temos capacidade de produção, já estamos produzindo e está na prateleira dos pacientes graves", disse o Ministro durante conferência com presidente Jair Bolsonaro e empresários. 

O medicamento é registrado no Brasil para tratamento de artrite, lúpus e malária. Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que, apesar dos resultados dos testes em relação a nova doença, "não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento". 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) quer que a venda de medicamentos que contêm cloroquina e hidroxicloroquina seja autorizada apenas com receita médica. A entidade argumenta que a compra e o uso indiscriminado dos medicamentos não é recomendada, além de apontar desabastecimento desses produtos pela compra desnecessária. 

Na falta de uma vacina e de antivirais específicos para tratar o novo coronavírus, pesquisadores em todo o mundo têm investigado, desde o início do ano, se drogas já existentes podem também atuar contra a covid-19. Uma das candidatas é a cloroquina, usada há 70 anos contra a malária, e a hidroxicloroquina, um derivado menos tóxico da droga.

Na quinta, 19, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump pressionou a FDA - entidade responsável por controlar os alimentos e remédios no país - a liberar medicamentos com potencial de tratamento contra o novo coronavírus. Trump alegou que, assim, poderia se chegar a um avanço no tratamento enquanto a vacina contra a doença ainda está sendo desenvolvida. Trump mencionou dois medicamentos. O Remdesivir, que é um remédio antiviral ainda em experimento pela Gilead Sciences Inc’s, e a hydroxycloroquina. 

O estoque de hydroxycloroquina, porém, está em baixa, de acordo com farmácias independentes e a ASHP (Sociedade Americana de Farmacêuticos do Sistema de Saúde, em tradução livre). 

Marlla Sabino e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo