quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Conselho Tutelar. Confira o segundo trecho de resposta a deputado

Na segunda, publicamos reportagem onde localizamos politicamente os postulantes.
Na terça, parlamentar partiu para o ataque contra o Blog do Gidi Santos.

FALA GIDI SANTOS: Nesta terça-feira (8), apesar de publicar a nota do deputado Estadual Sivaldo Albino no Blog, onde ele parte para o ataque contra  o trabalho empreendido por mim, optei por não responder alguns tópicos elencados no material. Foi de propósito; e a fim de que nesta quarta, eu pudesse explorar as inquirições do parlamentar como mais profundidade, a começar por uma afirmação. Vamos a ela.

De acordo com Sivaldo, eu seria aquilo que ele intitulou de “blogueiro oficial da prefeitura”; posto que esclareço, existe apenas no imaginário fértil, elucubrado e baratinado desse deputado. Aqui cumpre registrar que tal afirmação não se sustenta, afinal, ocupo cargo de agente público; cumpro carga horária, e em verdade, sem confundir, a função que ocupo no Governo Municipal com o exercício do jornalismo. Reafirmo; as duas coisas estão dissociadas, e por isso lamento a forma como o parlamentar se dirigiu a mim, a medida em que aproveito a oportunidade para reafirmar que exerço ambas as funções com compromisso, zelo e responsabilidade; e sempre, claro, acompanhado da verdade, associada a ética e a correção que os dois postos exigem de mim.

Ontem, no material enviado a nossa redação, o deputado estadual Sivaldo Albino ainda fez outras indagações. Numa delas, ele apelou para que eu apresentasse, segundo as suas palavras: “as devidas explicações, sobre como os integrantes do Governo Municipal trabalharam para eleger "Conselheiros Governistas". Para este caso, cumpre registrar: essa resposta não compete a mim, de maneira que acaso ele considere que ouve trabalho, bem como aparelhamento público ou político indevido empreendido por algum servidor municipal; que formalize sua acusação, de preferência com um conjunto probatório às autoridades judiciais, bem como ao Ministério Público de Pernambuco e a Comissão Especial Eleitoral do Comdica, os dois últimos, a quem na prática, coube fiscalizar todo o processo que teve por objetivo a escolha dos novos conselheiros tutelares de Garanhuns.

Dando continuidade, pasmem os senhores, o deputado ainda cobra em sua nota desastrosa remetida ao blog ontem, que eu explique, vejam vocês, de que forma se deu a participação do Chefe do Poder Executivo na escolha dos novos conselheiros. Para esta indagação, colhi a posição do próprio Prefeito, a quem entendo, cabe responder. “Estou na vida pública há muitos anos, e como todos sabem, tenho compromisso com a função que me foi confiada pelos garanhuenses, de maneira que em respeito a nossa população e a democracia, jamais forneci estrutura política, com intuito de interferir, ou mesmo influenciar na escolha dos conselheiros de Garanhuns. Prezo pela liberdade democrática do voto, por um processo de escolha transparente; e por essas razões não comungo, ao mesmo tempo em que repudio qualquer prática em contrário”, ressaltou Izaías.

Apesar de atabalhoada, destaco ainda, que no desfecho da nota distribuída ao Blog, o deputado fez uma única assertiva. Apesar de me cobrar explicações, ele reconheceu, no entanto, que na Alepe as suas prerrogativas são outras, e que elas nada tem haver com o papel de interrogador. “Entendemos que o nosso mandato na Assembleia Legislativa tem como papel, além de legislar e fiscalizar os atos de governo, buscar investimentos e ações que possam desenvolver nossa Garanhuns e região”, confirmou o parlamentar.

Por fim, esgotadas as considerações, reafirmo, como o fiz em outras oportunidades, que o Conselho Tutelar não é lugar para conquista de poder, sobretudo político, mas sim de agentes isentos, imbuídos em propósitos basilares contidos no ECA, os quais, defendem os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana; criança e adolescente, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. Sei da nobre, importante e decisiva missão do Conselho Tutelar; e endosso que ela não se confunde com política partidária.

Garanhuns, em 09 de outubro de 2019
          Gidi Santos (Jornalista – Registro Profissional SRTE/5416)