segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Secretaria criada pelo Governo Izaías já atendeu mais de 8 mil mulheres

Além de atender as mulheres, a Secmul também desenvolve ações de prevenção e enfrentamento à violência
doméstica, com palestras em entidades públicas e privadas e ainda cursos de empoderamento financeiro.

Desde sua criação; ainda em 2014, segundo ano do primeiro Governo Izaías Régis, a Secretaria da Mulher de Garanhuns (Secmul) tem se tornado referência estadual em atendimento e encaminhamento de mulheres vítimas de violência doméstica. De acordo com uma pesquisa desenvolvida pela secretaria, o Centro Especializado de Atendimento à Mulher Joana Beatriz de Lima Silva (Ceam), orgão inserido na pasta, até o mês de setembro deste ano, já atendeu cerca de 8.500 mulheres, sendo mais de 1.800 em 2019. 

De janeiro a dezembro de 2018, mais de 1.700 mulheres receberam acompanhamentos em assistência social, psicológica e jurídica. De acordo com a gestora da pasta, Walkíria Alves, o número crescente traz um saldo positivo para o trabalho desempenhado. “Nós observamos um aumento no número de atendimentos a partir das nossas ações preventivas e educativas nos espaços. Estamos muito felizes pois esse aumento gradativo é um sinal de que a sociedade começa a se incomodar com essa violência, as pessoas estão denunciando, as mulheres estão começando a compreender que violência não é normal e que não faz parte do relacionamento”, afirma.
.

Além do atendimento a mulheres, a Secmul também desenvolve diariamente ações de prevenção e enfrentamento à violência doméstica, com palestras em entidades públicas e privadas, cursos de empoderamento financeiro, atuação em eventos estaduais, municipais e federais que debatem a temática e atividades específicas em eventos culturais da cidade. A secretaria também atua em conjunto com a Câmara Técnica de Enfrentamento à Violência de Gênero, formada pelas secretarias de Educação, Saúde e Assistência Social e Direitos Humanos; comandos da Polícia Militar e Polícia Civil; Ministério Público Estadual, Poder Judiciário, representantes do Centro de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas (Ceapa) e Autarquia Municipal de Segurança, Trânsito e Transportes (AMSTT).

Ainda segundo o levantamento, os números de boletins de ocorrência registrados na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) também receberam um acréscimo. Em 2014, foram registrados 440 boletins, já de janeiro a setembro de 2019, o número chegou a 665. As solicitações de medidas protetivas, mecanismos legais de proteção a indivíduos em risco, da Lei Maria da Penha também aumentaram de 36 (2014) para 390 (janeiro a setembro de 2019).
.

A secretária destaca que o aumento está atrelado ao apoio da Câmara Técnica no acolhimento à mulher. “O número crescente de pedidos de medidas protetivas é extremamente necessário, pois quando a mulher sai do campo de visão do suposto agressor, o conflito que pode desencadear em um assassinato, é evitado. Quando a mulher é acolhida pela rede de apoio, ela está mais protegida e o número de feminicídios é bem menor. Esses serviços apoiadores ajudam a resguardar a vítima”, finalizou.

A Secretaria da Mulher funciona das 8h às 14h, na rua Simoa Gomes, nº 16, em frente à Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. A população pode entrar em contato pelo telefone: (87) 3762-0109.
.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário