quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Prefeitura de Garanhuns emite nota sobre Ação do Ministério Público em caso dos shows de Ana Carolina e Capital Inicial no FIG de 2015, e diz que propositura do órgão tem como fundamento uma denúncia baseada em ilícitos penais e provas fraudadas

Governo garante que já foram apresentadas as despesas inerentes aos gastos com os shows, mas mesmo assim, se utilizando de provas caseiras produzidas intramuros, o Ministério Público propôs a ação, sendo que todavia, o próprio MPPE reconheceu não existir qualquer prova de enriquecimento ou participação dos demandados, dolosamente.

Na mesa nota, Prefeitura ainda destaca que o Ministério Público de Pernambuco - MPPE esqueceu 
que além de fiscal da lei deve ele mesmo se pautar nos princípios da legalidade e impessoalidade.

NOTA OFICIAL GOVERNO DE GARANHUNS

O Governo Municipal de Garanhuns, através de sua Procuradoria, recebe com surpresa e indignação a notícia da propositura de Ação Civil Pública solicitada pela 2ª Promotoria de Cidadania e Patrimônio Público de Garanhuns. A ação tem como base inicial uma denúncia consubstanciada em ilícitos penais e provas fraudadas, inclusive sendo reconhecida a fabricação das provas apresentadas pelos denunciantes, tendo o nobre Parquet determinado o desentranhamento das mesmas no Inquérito Civil.

Infelizmente, o órgão ministerial sequer determinou a instauração de procedimento criminal contra os denunciantes, embora a ação seja pública incondicionada em relação aos tipos penais ali existentes, e ainda pior, se utilizou das provas em todo o procedimento sendo o arcabouço inaugural desse processo, indo de encontro às decisões que a invalidam, consagradas pelo Supremo Tribunal Federal - STF.

É fácil verificar que o e-mail e as ligações eram falsos, usando inclusive de órgão público próximo a esta cidade de forma criminosa. Inobstante estes fatos, o Ministério Público de Pernambuco - MPPE esqueceu que além de fiscal da lei deve ele mesmo se pautar nos princípios da legalidade e impessoalidade.

Foram apresentados pelas outras partes todas as despesas inerentes dos gastos com os shows, e mesmo assim, se utilizando de provas caseiras produzidas intramuros, propôs a ação em comento, há de se ressaltar que o próprio MPPE reconheceu que não existiu qualquer prova de enriquecimento ou participação dos demandados dolosamente.

Assim, entende que a oportunidade para emitir pronunciamento judicialmente será dada pelo Douto Magistrado aos interessados e permitirá o afastamento das alegações ofertadas pelo Parquet, além de afastar as provas ilegais e contaminadas existentes nos autos. Por fim, os agentes públicos e ex-agentes possuem total confiança na isenção do judiciário para que seja feita a mais lídima justiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário