segunda-feira, 11 de março de 2019

Impunidade: Mais da metade dos homicídios em PE está sem solução

Em números absolutos: são pelo menos 5.308 assassinatos
nos últimos dois anos que estão sem punição. (Blog Ronda JC).

Estatísticas da Secretaria de Defesa Social (SDS), comandada por André de Pádua, traduzem o sentimento de impunidade da população em relação aos crimes contra a vida. Mais da metade dos homicídios registrados em Pernambuco nos últimos dois anos ainda não foram esclarecidos pela polícia. São pelo menos 5.308 assassinatos sem punição.

No total, 4.170 pessoas foram mortas em 2018. Uma delas foi Gilda Maria da Silva, de 40 anos. Segundo a polícia, dois homens chegaram na residência procurando pelo filho dela. Como não o encontraram, Gilda foi assassinada com cinco tiros. O crime aconteceu em 27 de março, no bairro da Muribara, em São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife. Quase um ano depois, a polícia não concluiu a investigação e ninguém foi punido.

O caso de Gilda Maria da Silva se soma a outros 1.899 que ainda não foram elucidados pela Polícia Civil de Pernambuco. Isso significa que do total de homicídios registrados no ano passado, 46% estão sem nenhuma resposta. Enquanto isso, familiares das vítimas, de luto, clamam por punição aos assassinos.

A taxa de resolução dos crimes contra a vida é ainda pior quando se analisam os números de 2017. Naquele ano, considerado o mais violento da história do Pacto pela Vida, 5.427 pessoas foram assassinadas. Desse total, a polícia conseguiu concluir até hoje apenas 2.019 investigações. Resultado: 62,8% dos inquéritos não foram concluídos pela Polícia Civil.

Se analisados juntos os homicídios registrados entre 2017 e 2018, a taxa de resolução dos crimes é de 45%, ou seja, menos da metade dos inquéritos foram concluídos e remetidos à Justiça. Uma vitória da impunidade. Os números foram obtidos pelo Blog Ronda JC por meio da Lei de Acesso à Informação, porque a assessoria de imprensa da Polícia Civil de Pernambuco se nega a fornecer os dados públicos.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário