quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Bolsonaro anuncia que vai acabar com o Ministério do Trabalho

Ontem, órgão divulgou uma nota, na qual reafirmou a importância da pasta para a coordenação 
na busca do pleno emprego. (Felipe Amorim - Do UOL, em Brasília - Foto: José Cruz/Agência Brasil).

O presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), afirmou nesta quarta-feira (7), que o Ministério do Trabalho será incorporado a outra pasta. Bolsonaro fez a afirmação em rápida entrevista a jornalistas após almoçar com o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro João Otávio de Noronha, na sede do tribunal. 

A informação de que Bolsonaro estudava extinguir o Ministério do Trabalho foi divulgada pelo jornal "Folha de S.Paulo" nesta terça-feira (6).

Segundo a reportagem, há alternativas em avaliação para que a condução dos temas ligados à área do emprego e renda ocorra de forma mais eficiente do que concentrada numa única pasta. Uma delas é associar a área a algum órgão ligado à Presidência da República.

Ainda de acordo com o jornal, entre as alternativas em discussão, está fatiar as diferentes áreas, transferindo, por exemplo, a gestão da concessão de benefícios para órgãos ligados ao campo social e a gestão da política de trabalho e renda para o novo Ministério da Economia ou para um órgão dedicado às questões de produtividade, um dos temas considerados prioritários na equipe do futuro ministro Paulo Guedes.

Também na terça-feira, o Ministério do Trabalho divulgou uma nota na qual reafirmou a importância da pasta para a coordenação das forças produtivas no caminho para a busca do pleno emprego.

Petrobras e BC - Perguntado sobre a definição dos futuros presidentes da Petrobras e do Banco Central e se haveria chance de manter os atuais titulares em seu governo, Bolsonaro disse que a decisão ficará com Paulo Guedes, futuro ministro da Fazenda. "O Paulo Guedes está com tudo rascunhado e está em vias de anunciar", disse.

Não haverá Ministério da Família, diz Bolsonaro - Bolsonaro também não confirmou o nome do senador Magno Malta (PR-ES), aliado que não conseguiu a reeleição, como um dos futuros ministros. Malta está cotado para assumir um ministério ligado à área social. "Tenho falado até o momento que para qualquer ministério vai ser uma pessoa adequada para desempenhar a função, não tem acomodação política nos ministérios", disse Bolsonaro. Perguntado sobre se o Malta iria para o Ministério da Família, Bolsonaro rejeitou o nome para a pasta. "Não deve existir ministério com esse nome", disse.

Defesa - Bolsonaro afirmou ainda, que a definição sobre o próximo ministro da Defesa já está "engatilhada" e pode ser anunciada até a próxima terça-feira. Ele não deu nomes, mas disse que será alguém de "quatro estrelas", em referência à graduação militar.

O general Augusto Heleno, auxiliar próximo do presidente eleito, estava cotado para assumir a Defesa, mas foi confirmado como futuro chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que tem status de ministério. "Não posso prescindir da presença dele [Heleno] no Palácio do Planalto. É uma pessoa que representa o equilíbrio, tem uma vivência muito grande, dentro e fora do Brasil e isso é bom para todos nós, não só para mim não", disse.

Número de ministérios - O presidente eleito afirmou ainda que o número de ministério deve ficar em torno de 17. "Talvez 17, bom número o 17", disse. Mais cedo, porém, Bolsonaro afirmou que estuda manter o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União com o atual status, sem fundi-lo com o Ministério da Justiça.

Se isso ocorrer, a possibilidade é que o governo Bolsonaro seja formado por 18 pastas na Esplanada, e não mais entre 15 e 17, como ele tem cogitado. Atualmente, a Esplanada é composta por 29 ministérios. "Pode aumentar para 18. O que temos de ter são os ministérios, esses órgãos, funcionando, sem interferência política", disse.

Orobó: Gestor do Instituto de Previdência é preso por corrupção

Além dele, outras cinco pessoas foram presas; eles são acusados de
desviar R$ 2,6 milhões em três anos. (JC Online – Foto: Divulgação/Polícia Civil).

Seis pessoas foram presas, incluindo o presidente do Instituto da Previdência de Orobó, no Agreste de Pernambuco, durante o cumprimento das ordens judiciais da ação em combate à corrupção contra o sistema previdenciário. Os mandados de prisão fazem parte da Operação Anticorrupção, deflagrada na manhã desta quarta-feira (7). De acordo com o promotor Rodrigo Altobello, a organização criminosa age há, aproximadamente, três anos. Já foram desviados cerca de R$ 2,6 milhões. 

Segundo as informações da Polícia Civil, os integrantes da organização criminosa são jovens que não possuem idade para serem aposentados e fazem parte do mesmo círculo social. Eles foram incluídos no benefício pelo próprio presidente Gustavo José da Silva, de 25 anos, e recebiam mensalmente o valor de R$ 50 mil, enquanto a maioria dos aposentados recebe apenas um salário mínimo.

"Esse desvio causou um prejuízo para quem quer se aposentar e não consegue", afirmou o promotor. "Toda semana, praticamente, nós somos procurados no Ministério Público por cidadãos que fazem o pedido de aposentadoria e não recebem resposta, justamente em razão desse desvio", contou.  

Além do presidente, os presos foram identificados como Jailson Flor da Silva, 22, Jessica Celestino dos Santos, 25, José Arthur Barbosa dos Santos, 26, Miriam Gisele de Abreu, 24, esposa do presidente e Vanielly Priscila Rodrigues da Silva. 24. O sigilo bancário dos presos já foi quebrado e o dinheiro está sendo rastreado. 

Presidente pediu exoneração do cargo - Ainda segundo Rodrigo Altobello, Gustavo José pediu a exoneração do cargo no Instituto de Previdência após receber um oficio do Ministério Público e os outros integrantes começaram a se desfazer de documentos que comprovam a lavagem de dinheiro.   A polícia ainda não descartou a hipótese de outras pessoas estarem envolvidas no sistema de lavagem e desvio de dinheiro, além de peculato.

Magia do Natal 2018 contará com forte esquema de segurança

Após reunião entre órgãos locais, ficou definido a atuação de 100 policiais militares diariamente,
com a possibilidade desse número chegar a 130, nos finais de semana. (Secom/PMG).

Os últimos detalhes do evento ‘A Magia do Natal 2018’ estão sendo articulados com órgãos participantes da festa. Na manhã desta quarta-feira (07), a Secretaria de Turismo e Cultura promoveu uma reunião entre o comandante Paulo César Albuquerque, do 9° Batalhão de Polícia Militar; Wagner Pontes, diretor de Transportes da AMSTT, e a secretária de Comunicação Social, Jacqueline Menezes. O momento foi realizado no gabinete do comandante, no 9° Batalhão de Polícia Militar.

De acordo com a Polícia Militar, o evento poderá contar com mais de 100 policiais, chegando a 130 durante os finais de semana, circulando a partir do dia 16 de novembro até o dia 31 de dezembro. Serão 3 guarnições fixas voltadas exclusivamente ao evento, distribuídas entre as avenidas Rui Barbosa e Santo Antônio.

A segurança também contará com 33 viaturas, entre motos e carros, com uma Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) extra, um Grupo de Ações Táticas Itinerante (GATI) extra e uma guarnição tática extra, além do policiamento ostensivo geral a pé recobrindo os polos do evento.
.

A PM também realizará a Operação Papai Noel, que consiste na ação de recobrimento do centro comercial e dos polos turísticos com 5 viaturas hipotecadas, além do policiamento ordinário em toda a cidade. A Autarquia Municipal de Segurança, Trânsito e Transporte (AMSTT), divulgará seu esquema de trabalho nos próximos dias.

No Palco Prefeitura, será disponibilizado policiamento cerca de duas horas antes do início das atividades no polo até o fim dos shows. Os polos dos distritos e bairros também receberão policiamento. O tenente-coronel Paulo César Cavalcante destacou que a Polícia Militar estará dedicada ao evento durante os meses de novembro e dezembro. “Fizemos esta reunião de planejamento para que o policiamento durante A Magia do Natal 2018 seja de qualidade. Em 2017, não foram registradas ocorrências de vulto e iremos trabalhar para que este ano ocorra da mesma forma”, destaca.
.

Alcindo cobra que reajuste nos ônibus seja decidido na Câmara

Atualmente, decisão cabe ao Conselho Municipal de Trânsito e Transporte de Garanhuns. 
Órgão, vem discutindo o tema desde o final do mês de outubro. (Fonte: Blog do Roberto Almeida).

O Vereador Alcindo Correia (PC do B), atual líder do Governo Municipal na Câmara, requereu ao prefeito Izaías Régis (PTB) que envie à Câmara um projeto de lei para que o reajuste anual da tarifa de ônibus precise ser autorizado pelo Poder Legislativo. “Essa é uma bandeira que defendo há anos, porque precisamos nos fortalecer contra o monopólio da Empresa São Cristóvão”, salientou o parlamentar.

Até o momento, apenas os vereadores Alcindo, Audálio Filho e Betânia da Ação Social se manifestaram contra o reajuste das passagens de ônibus em janeiro, que poderá chegar a três reais depois do aumento (atualmente a tarifa custa R2, 60).

Betânia chegou a considerar o aumento um verdadeiro assalto e disse que a prefeitura não pode compactuar com um reajuste abusivo.

Devido ao percurso dos ônibus em Garanhuns ser muito curto, os três vereadores, estudantes e usuários de transporte coletivo consideram que o preço da passagem aqui na cidade é uma verdadeira extorsão. “Proporcionalmente é a tarifa mais cara do Brasil”, vem protestando Alcindo Correia, na Câmara e nas redes sociais.

Audálio propõe Bilhete Único no Transporte Coletivo de Garanhuns

Segundo a proposta do parlamentar, usuários poderão trocar de condução dentro de 
um limite máximo de duas horas. (Com informações do Blog do Ronaldo César).

O município de Garanhuns poderá adotar o bilhete único no sistema de transporte coletivo da cidade. A proposta é do vereador Audálio, que reivindicou a implantação da bilhetagem eletrônica unificada ao Poder Executivo para que os usuários possam pegar até dois ônibus pagando apenas uma passagem.

De acordo com o parlamentar, esta modalidade já é adotada em algumas cidades brasileiras e possibilita que o usuário utilize apenas uma passagem durante determinado período. Na proposta, o usuário pode trocar de condução (baldeação) durante o trajeto. 

“Solicitamos a implantação do bilhete único nos ônibus coletivos de Garanhuns por ser um serviço fundamental para a população que paga uma das passagens mais caras do Nordeste, dessa forma a passagem integrada vai beneficiar os usuários que terão uma tolerância de duas horas para circularem na cidade pagando apenas uma única tarifa” destacou o vereador, em comunicação distribuída a imprensa local.

Audálio que foi o primeiro vereador garanhuense a se posicionar contrário ao reajuste das passagens em janeiro próximo, encaminhou a proposta do Bilhete Único (Requerimento Nº 275/17) a Prefeitura Municipal, ao Conselho Municipal de Transporte e ainda, as empresas de coletivos que atuam na cidade, Padre Cícero e São Cristóvão.