segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Jupi: Prefeitura Municipal entrega títulos de posse à agricultores

Prefeito Marcos Patriota: “Eu entendo que a agricultura familiar necessita de
muito mais, e nós vamos trabalhar dia e noite para trazer novos projetos”.

A prefeitura Municipal da cidade de Jupi, no Agreste Meridional, realizou na última quinta-feira, dia 13 de setembro, o 1º Seminário de Agricultura Familiar (SAF). Através do evento, foram realizadas entregas de Títulos Agrários e de Capacitação. Na ocasião, palestras foram ministradas por João Oliveira e Gaúdia Pereira, ambos, com vastos currículos na área do associativismo. Como forma de incentivar os agricultores daquela cidade, a Prefeitura cedeu espaço em frente a Secretaria de Assistência Social, para que uma Feira voltada para Agricultura familiar fosse realizada.

Durante a manhã, 9 famílias receberam das mãos do Presidente do Iterpe, os documentos de suas terras. Isso foi possível, através da parceria da prefeitura com o governo do estado. Acaso a parceria não acontecesse, os agricultores teriam de pagar mais de R$ 2.000 reais. Na ocasião, foi lançado ainda, o Programa de Regularização de Terras, que a partir do próximo dia 18 deste mês, atenderá de forma efetiva a população de Jupi, na regularização de suas propriedades, já que mais de duas mil estão em situação inadequada.

O Prefeito Marcos Patriota registrou presença no evento. De acordo com o chefe do executivo, as associações precisam se empoderar de informações para buscar as mais diversas metas do dia a dia. “Eu entendo que a agricultura familiar necessita de muito mais. Com conhecimento e competência para trazer mais desenvolvimento para o meio rural nós iremos alavancar esse segmento. Vamos trabalhar dia e noite para trazer novos projetos. Capacitando, vamos fazer mais e melhor", destacou o Prefeito.
.
.
.
.
.

Álvaro intensifica campanha em Garanhuns e mais duas cidades

Em Garanhuns, deputado foi ao distrito de Iratama. Na ocasião, ele esteve acompanhado 
do prefeito Izaías Regis (PTB), seu vice, Haroldo Vicente (PRB) e alguns vereadores.

Pé na estrada e corpo-a-corpo diário com o eleitor pernambucano. A campanha do deputado estadual Álvaro Porto (PTB) à reeleição segue em ritmo acelerado, com agendas em diferentes municípios pernambucanos num mesmo dia. No último domingo, 16 de setembro, a caravana amarela, marca registrada de Porto desde o tempo de eleições para a Prefeitura de Canhotinho, passou por Garanhuns, São Caetano e encerrou o giro exatamente na sua terra natal, a já citada Canhotinho.

Em Garanhuns, o deputado foi ao distrito de Iratama. Acompanhado do prefeito Izaías Regis (PTB) e seu vice, Haroldo Vicente (PRB), do candidato a deputado federal Silvio Costa Filho (PRB) e de vereadores e lideranças do município. Porto comandou carreata até a localidade. Lá participou de caminhada e pôde conversar com eleitores, trocando ideias sobre o mandado e propostas à serem executadas na ocasião de sua reeleição.

O sítio Brejo da Lagoa foi o destino da caravana em São Caetano. Ali, dividiu palanque com prefeito Jadiel Braga (PSDB) e o vice-prefeito, Caio Braga (PSDB), em comício que foi acompanhado por milhares de pessoas. Mais uma vez, reafirmou o propósito de continuar trabalhando em defesa dos interesses do Agreste.

O destino final foi o bairro Elisa Holanda, em Canhotinho, onde as ruas foram tomadas pelo arrastão amarelo. Ao lado do prefeito Felipe Porto (PSD), Álvaro participou de comício e fez caminhada junto ao povo que o elegeu e reelegeu prefeito do município.
.

Ciro Gome xinga homem após pergunta sobre tensão em Roraima

Rapaz foi xingado de 'filho da p***' por Ciro. Assessoria do candidato afirma
que presidenciável foi provocado durante coletiva. (JC Online – Foto: Reprodução).

O candidato à Presidência da República Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), xingou e empurrou um homem que acompanhava a coletiva pública de imprensa em ato de campanha em Boa Vista, no estado de Roraima, nesse sábado (15). Ciro respondia perguntas sobre a crise causada pelo fluxo de imigrantes venezuelanos no estado, quando um homem reascendeu a polêmica em que o candidato classificava os atos de violência dos brasileiros contra os imigrantes - como atear fogo nos acampamentos e agredi-los - como "desumanidade, grosseria e canalhice".

"Ciro, o senhor reafirma o que o senhor disse sobre os brasileiros que tiveram aquela manifestação lá na fronteira que chamou os brasileiros de canalha, desumanos e grosseiros?", questionou o rapaz. A pergunta foi encarada pelo candidato como provocação. "Vá pra casa do Romero Jucá, seu filho da p***! Pode tirar esse daqui. Essa ai é do Romero Jucá", disparou o presidenciável diante dos jornalistas e de militantes.

Ao Congresso em Foco, autor da reportagem, a assessoria de imprensa do candidato do PDT se defendeu dizendo que o homem que se identifica como jornalista estava ali a mando do senador do MDB exclusivamente para provocar Ciro.

Veja o vídeo:



Resposta - Numa rede social, o homem que fez a pergunta a Ciro, identificado como Luiz Nicolas Maciel Petri, disse que cobria o ato para o seu programa de TV. "Daí em um ato de covardia, o Senhor Ciro Gomes me deu um soco na barriga e me xingou de filho da put... fique sem reação porquê não sou de violência. Apenas fiz uma pergunta. Lamento que um candidato a presidente tenha esse tipo de atitude", disse.

Pimentel: "Se eleito, Haddad libertará Lula no 1º dia de governo"

PT não se manifestou sobre as declarações do Governador de Minas. Partido tem adotado o discurso 
de que espera o resultado de ações em cortes superiores para a libertação de Lula. (Uol – Belo Horizonte).

O governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT), candidato à reeleição, afirmou no último sábado (15), durante ato de campanha, em Teófilo Otoni, município distante 447 Km de Belo Horizonte, ter "certeza" de que, caso seja eleito presidente da República em outubro, o candidato petista Fernando Haddad, no primeiro dia de governo, vai indultar e tirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão. "Eu tenho certeza que, eleito, o [Fernando] Haddad irá assinar no seu primeiro dia de governo um indulto para o presidente Lula", disse Pimentel. "Ele [Haddad] irá tirá-lo desta prisão injusta e arbitrária."

O Partido dos Trabalhadores não se manifestou sobre o tema, ou mesmo a manifestação de Pimentel. O partido tem adotado o discurso de que espera o resultado de ações em cortes superiores para a libertação de Lula, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento tríplex em Guarujá (SP). O ex-presidente está preso desde abril na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Haddad e Gleisi dizem que Lula não quer indulto - Haddad tem dito que o ex-presidente não quer o indulto. Em entrevista ao programa "Canal Livre", da "Band", em 19 de agosto, antes, portanto, de ser confirmado como substituto de Lula nas eleições de outubro, o ex-prefeito de São Paulo reforçou este discurso. "Quando falaram em indulto, ele próprio (Lula) veio a público, por escrito, dizendo que não troca a dignidade pela liberdade, ou seja, que ele vai lutar até as últimas consequências pela sua absolvição. Ele está convicto de que não fez nada errado", declarou o agora candidato do PT à Presidência.

Já neste domingo (16), em entrevista a jornalistas pouco antes de iniciar uma atividade de campanha na avenida Paulista, em São Paulo, Haddad voltou a dizer que Lula, na ocasião do pedido de registro de sua candidatura, "pediu para que seu processo fosse julgado com imparcialidade". O UOL, responsável pela matéria, tentou entrar em contato com o PT neste domingo, mas as ligações telefônicas não foram atendidas.

Em maio, a presidente da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PT), também declarou que Lula era contrário à possibilidade de indulto. "Hoje ele me disse claramente: 'Tem que parar de falar em indulto para mim. Eu não aceito indulto. Eu sou inocente, quero provar minha inocência'", relatou a parlamentar.

Pesquisa CNT: Bolsonaro tem 28,2%; Haddad 17,6% e Ciro 10,8%

Pesquisa ouviu 2.002 pessoas entre os dias 12 e 15 de setembro, em 137 municípios de 25 
unidades da federação. Nível de confiança do levantamento é de 95%. (Uol/Brasília).

O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) lidera a disputa ao Palácio do Planalto com 28,2% das intenções de voto, segundo pesquisa do instituto MDA encomendada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte) divulgada nesta segunda-feira (17). Em segundo lugar, aparece Fernando Haddad (PT), com 17,6% da preferência dos entrevistados. A margem de erro de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com 10,8%. Os candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) aparecem tecnicamente empatados em quarto lugar, considerada a margem de erro.

Veja a intenção de voto estimulada para presidente: 

Jair Bolsonaro (PSL): 28,2%
Fernando Haddad (PT): 17,6%
Ciro Gomes (PDT): 10,8%
Geraldo Alckmin (PSDB): 6,1%
Marina Silva (Rede): 4,1%
João Amoêdo (Novo): 2,8%
Alvaro Dias (Podemos): 1,9%
Henrique Meirelles (MDB): 1,7%
Cabo Daciolo (Patriota): 0,4%
Guilherme Boulos (PSOL): 0,4%
Vera (PSTU): 0,3%
José Maria Eymael (DC): 0%
João Goulart Filho (PPL): 0%
Branco/Nulo: 13,4%
Indeciso: 12,3%

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas entre 12 e 15, em 137 municípios de 25 unidades da federação. Ela está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-04362/2018 e tem nível de confiança de 95%.

Este é o primeiro levantamento do instituto desde que a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), foi indeferida pelo TSE e Fernando Haddad foi oficialmente indicado em seu lugar.

A última pesquisa MDA/CNT de intenções de voto dos candidatos à Presidência da República foi divulgada em 20 de agosto. No entanto, como todos os cenários contavam com a presença do nome de Lula, não é possível comparar os resultados da ocasião com os divulgados nesta segunda.

A pesquisa do mês passado trazia o ex-presidente Lula em primeiro lugar na disputa presidencial, com 37,3% das intenções, seguido por Bolsonaro, com 18,8%.

Segundo turno - A pesquisa também trouxe cenários de segundo turno. Veja os principais resultados, considerando a intenção de voto estimulada:

Cenário 1
Ciro Gomes: 37,8%
Jair Bolsonaro: 36,1%
Branco/Nulo: 19,6%
Indeciso: 6,5%
Cenário 2
Jair Bolsonaro: 39%
Fernando Haddad: 35,7%
Branco/Nulo: 18,2%
Indeciso: 7,1%
Cenário 3
Jair Bolsonaro: 38,6%
Henrique Meirelles: 25,7%
Branco/Nulo: 27,2%
Indeciso: 8,5%
Cenário 4
Jair Bolsonaro: 38,2%
Geraldo Alckmin: 27,7%
Branco/Nulo: 26,3%
Indeciso: 7,8%
Cenário 5
Jair Bolsonaro: 39,4%
Marina Silva: 28,2%
Branco/Nulo: 25,6%
Indeciso: 6,8%
Cenário 6
Ciro Gomes: 38,1%
Fernando Haddad: 26,1%
Branco/Nulo: 26,6%
Indeciso: 9,2%
Cenário 7
Ciro Gomes: 43,5%
Henrique Meirelles: 14,8%
Branco/Nulo: 31,6%
Indeciso: 10,1%
Cenário 8
Ciro Gomes: 39,6%
Geraldo Alckmin: 20,3%
Branco/Nulo: 30,5%
Indeciso: 9,6%
Cenário 9
Ciro Gomes: 43,8%
Marina Silva: 17,1%
Branco/Nulo: 31%
Indeciso: 8,1%
Cenário 10
Fernando Haddad: 35,7%
Marina Silva: 23,3%
Branco/Nulo: 32,2%
Indeciso: 8,7%

A pesquisa também realizou outros cenários de segundo turno. Todas as simulações podem ser visualizadas aqui.

Índices de rejeição - A pesquisa MDA/CNT também testou junto aos entrevistados o limite de voto que cada candidato à Presidência pode receber. Veja abaixo os índices dos que declararam "não votar de jeito nenhum" no nome apresentado, em ordem alfabética:

Alvaro Dias: 32,2%
Ciro Gomes: 38,1%
Fernando Haddad: 47,1%
Geraldo Alckmin: 53,4%
Henrique Meirelles: 49%
Jair Bolsonaro: 51%
João Amoêdo: 34,5%
Marina Silva: 57,5%

Possibilidade de mudança de voto - A pesquisa divulgada nesta segunda perguntou aos entrevistados quem considera a decisão da intenção de voto como definitiva e quem ainda pode mudar de opinião até o dia das eleições, de acordo com o candidato de preferência. Dos que indicaram votar no deputado Federal Jair Bolsonaro, 78,2% afirmaram que a decisão é definitiva e 21,8% afirmaram que ainda podem mudar. Dos que pretendem votar em Haddad, 75,4% falaram estar com a ideia consolidada e 24,6% falaram que ainda podem mudar. Dos que preferem Ciro Gomes, 49,1% disseram estar consolidados com ele e 50,9% disseram ainda não ter certeza.

Quanto aos que declararam voto em Alckmin, 48,4% não devem mudar enquanto 51,6% declararam estarem em aberto. Marina Silva tem 44,4% das intenções consolidadas e 55,6% das intenções voláteis. Amoêdo tem 48,2% de seus eleitores declarando a decisão como definitiva e 51,8% se declarando incertos.

Interesse e legitimidade do resultado - A pesquisa MDA/CNT ainda fez outras perguntas relacionadas à eleição e às expectativas da população quanto a cenários a partir do ano que vem com um novo presidente da República.

Apesar de faltarem somente três semanas para o primeiro turno, marcado para 7 de outubro, 24,9% dos entrevistados afirmaram ter "pouco interesse" nas eleições deste ano e 24,8% afirmaram ter "nenhum interesse". Outros 23,7% disseram estar "muito interessados" enquanto 26% têm "médio interesse" no processo eleitoral. Segundo o levantamento CNT/MDA, não souberam responder ou não responderam registra 0,6%.

Ao todo, 65,6% viram ou ouviram o programa eleitoral na televisão ou no rádio. Já 33,8% ainda não viram ou ouviram. Os que viram propaganda de candidato na internet ou nas redes sociais são 45,6%, contra 53,8% que ainda não viram. De acordo com a pesquisa, os meios de comunicação que mais influenciam na escolha dos entrevistados sobre em quem votar são televisão/rádio (44,8%) seguido por internet/redes sociais (27,6%).

Quanto ao conhecimento dos candidatos a presidente da República, 13,1% afirmaram conhecer bastante as opções, 38,2% afirmaram conhecer mais ou menos, 35,2% afirmaram conhecer pouco e 12,4%, nada.

Outra questão feita pela pesquisa diz respeito à legitimidade do candidato eleito. Na avaliação de 40,4% dos entrevistados, o resultado será legítimo e traduzirá a vontade popular. Para 30,8%, o resultado será parcialmente legítimo por causa do processo eleitoral turbulento. Para 16,8%, não haverá legitimidade.