quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Homem que atacou Bolsonaro disse cumprir "ordem de Deus"

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, agressor foi filiado ao PSOL entre os anos de 
2007 a 2014. Segundo policiais Federais, homem aparenta ter distúrbios psicológicos. (Yahoo Notícias).

Identificado como o autor da facada que atingiu o candidato à presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira, 40 anos, disse que estava cumprindo “uma ordem de Deus”, ao executar a tentativa de  homicídio. A informação é da revista Piauí. Policiais federais que prenderam o agressor afirmaram duvidar de  sua “integridade psicológica”.

O presidente da Federação dos Agentes da Polícia Federal (Fenapef), Luis Boundens conversou com colegas que estavam no local e foram responsáveis pela prisão de Adelio Bispo. “Os colegas disseram que ele imediatamente começou a dizer que estava em missão divina, o que levou o pessoal a temer pela integridade psicológica dele”, explicou.

Jair Bolsonaro foi atacado enquanto participava de um ato de campanha nos arredores do Parque Halfeld — um dos locais mais movimentados da cidade mineira de Juiz de Fora. O político estava sendo carregado nos ombros por apoiadores quando foi atingido por uma facada.

A lista de filiados políticos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que Adelio Bispo de Oliveira integrou os quadros do PSOL entre 2007 e 2014. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o presidente nacional do partido, Juliano Medeiros pediu punição ao agressor. “Queremos que ele seja julgado no rigor da lei. Parece que é uma pessoa bem confusa. Se fosse ligado ao PSOL seria minha responsabilidade. Como não é filiado, não acho que seja da nossa alçada”, disse Juliano na tarde desta quinta-feira (6).

Medeiros também reafirmou que o partido é contra qualquer tipo de violência. “Não sabemos quem é essa pessoa e reafirmamos nosso repúdio veemente ao ato cometido. O PSOL não pode responder por alguém que um dia foi filiado ao partido”, encerrou.

Bolsonaro é operado em Juiz de Fora, após ser atingido por facada

Estado do presidenciável é considerado estável. No twitter, o deputado estadual Flavio 
Bolsonaro afirmou que seu pai, "chegou quase morto" ao hospital. (O Globo – Fotos: Reprodução).

RIO DE JANEIRO - Após sofrer um ataque a faca durante um ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, o deputado federal Jair Messias Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República, passou por uma cirurgia nesta quinta-feira, na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, com 'uma lesão por material perfurocortante na região do abdômen', segundo informações de sua assessoria. O candidato precisou também de uma transfusão de sangue. E vai continuar no hospital sem previsão de alta.

A informação inicial era de que o ferimento havia sido superficial, mas exame indicou a suspeita de uma lesão no fígado. De acordo com informações da Globonews, os médicos constataram que não houve lesão no fígado, mas no intestino. O estado de Bolsonaro é considerado estável. No twitter, o deputado estadual Flavio Bolsonaro afirmou que seu pai, "chegou quase morto" ao hospital. O parlamentar, que é candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro, havia dito anteriormente que o ferimento era superficial.

Bolsonaro estava sendo carregado por apoiadores quando foi atingido por uma faca e foi retirado do local. Ele saiu em um carro da Polícia Federal. Ao chegar ao hospital, fez um ultrassom, quando foi identificada a necessidade de cirurgia. Bolsonaro usava um colete à prova de balas no momento do ataque.
.

A Polícia Militar de Juiz de Fora informou que Adélio Bispo de Oliveira foi detido após o ataque e confirmou que Adélio é a pessoa que aparece em uma foto que circula em grupos de WhatsApp dos apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). O suspeito mora em Montes Claros (MG) e atualmente está desempregado. Uma das últimas ocupações dele foi como servente de pedreiro, mas ele já trabalhou em cafeteria e hotel.

Nas redes sociais, Oliveira é um crítico recorrente de Bolsonaro. "Dá nojo só de ouvir que (sic) dizer que a ditadura deveria ter matado pelos uns 30 mil comunistas", escreveu ele em um dos posts mais recentes, em 1º de agosto. A PF abriu inquérito para apurar o atentado ao candidato do PSL. O candidato conta com o serviços de segurança da Polícia Federal. Entre os presidenciáveis, ele foi o primeiro a pedir reforço de segurança da polícia.

equipe de campanha admitiu dificuldade da Polícia Federal em fazer segurança do presidenciável. Além da aglomeração, Bolsonaro tem se mostrado imprevisível no meio da multidão. O candidato tem sido acompanhado nas agendas de campanha de perto por pelo menos dois policiais federais, além de seguranças pessoais. A Polícia Militar também dá apoio aos eventos para controlar os seguidores.

Generais da reserva que apoiam o candididato do PSL à Presidência já haviam alertado o presidenciável do risco que ele corria de ser esfaqueado em ato de campanha. O principal alerta partiu do general do Exército Augusto Heleno (PRP), um dos militares mais próximos a Bolsonaro e que chegou a ser cotado para ocupar a vice-presidência na chapa do candidato do PSL.
.

Polícia Federal prende e identifica agressor de Jair Bolsonaro

Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, foi o responsável pelo atentado contra o presidenciável. Deputado, foi
atingido na região do abdômen. Lesões no fígado e no intestino estão confirmadas. (Estadão Conteúdo)

JUIZ DE FORA - A Polícia Militar do Estado de Minas Gerais confirmou  a pouco a imprensa, que Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, que aparece na imagem acima, foi o responsável por esfaquear o deputado federal e presidenciável Jair Messias Bolsonaro (PSL) no início da tarde desta quinta-feira, 6, em Juiz de Fora. Ainda de acordo com a PM, Adélio foi agredido enquanto era escoltado até a delegacia da Polícia Federal na cidade. 

Bolsonaro caminhava pelas ruas do centro de Juiz de Fora e era carregado nos ombros quando Adelio se aproximou e desferiu uma facada na região do abdômen. A polícia informou que abrirá um inquérito para apurar o ataque ao candidato.

Em nota divulgada pela Polícia Federal (PF), a corporação afirma que Bolsonaro "contava com a escolta de policiais federais quando foi atingido por uma faca durante um ato público". A mensagem ainda diz que  "o agressor foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia da PF naquele município. Ainda de acordo com a nota, um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias do fato.

Bolsonaro deu entrada no hospital por volta de 15h40 após lesão na região do abdômen. Lesões no fígado e no intestino foram confirmadas. O deputado foi atendido na área de urgência, passou por um exame de ultrassom e agora está no centro cirúrgico.
.

Bolsonaro é esfaqueado em ato de campanha em Juiz de Fora (MG)

Em imagens divulgadas em redes sociais, deputado federal aparece sendo carregado por 
outros homens durante o ato de campanha. (Uol – Fotos: Reprodução: Redes sociais).

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi retirado às pressas de um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), depois de ser esfaqueado. A informação foi confirmada pela Polícia Militar mineira e pela Polícia Federal. Um homem foi preso em flagrante. Bolsonaro é o primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência.

O candidato foi levado para a Santa Casa de Juiz de Fora. Às 17h07, a informação da Santa Casa era a de que Bolsonaro estava sendo submetido a cirurgia. Segundo um de seus filhos, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o presidenciável "sofreu um atentado" com "uma estocada com faca na região do abdômen", e passa bem. De acordo com o parlamentar, o ferimento "foi apenas superficial". "Peço que intensifiquem as orações por nós!", escreveu, em postagem no Twitter. Em entrevista por telefone à GloboNews, Flávio Bolsonaro disse que seu pai levou seis pontos na região do abdome.

A Polícia Militar de Juiz de Fora confirmou que esfaqueamento aconteceu na rua Halfeld, no centro da cidade. Um homem suspeito do crime foi preso em flagrante e levado para a superintendência da Polícia Federal na cidade mineira para prestar esclarecimentos. Segundo a PF, o homem ainda não foi identificado porque, no momento em que foi detido, ele estava sem os documentos. Ainda de acordo com a polícia, o suspeito ainda não prestou depoimento. Em imagens divulgadas em redes sociais, o deputado federal aparece sendo carregado por outros homens durante o ato de campanha. Depois de ser tocado pelo objeto, enquanto está no meio de apoiadores, Bolsonaro faz expressão de dor.

O superintendente de Investigação e Polícia Judiciária da polícia Civil de Minas Gerais, Carlos Capristrano, disse que os policiais tiveram dificuldade em retirar o suspeito do crime do local porque apoiadores de Bolsonaro tentavam agredi-lo. "A informação que obtive do local é que a polícia teve dificuldades em tirar o suspeito da área porque muitos apoiadores queriam linchar o rapaz", afirmou o delegado.

Mais cedo, o próprio deputado federal falou sobre o seu "aparato de segurança". "Todos que estão comigo são da Polícia Federal e são voluntários. Até vocês que não integram ou nunca integraram forças de segurança, como civis, colaboram nesse momento porque os senhores querem em grande parte ver mudar o nosso Brasil", declarou Bolsonaro, que na ocasião estava cercado de centenas de apoiadores.

Desde o fim de julho, Bolsonaro é escoltado diariamente por uma equipe da Polícia Federal, garantia concedida aos candidatos à Presidência da República. A Polícia Federal informou que está apurando a ocorrência do fato.

Testemunha viu homem de casaco preto - A ativista Roberta Lopes Alves, do movimento Direita Minas, estava no ato de campanha –que transcorria pelo calçadão da rua Halfeld e seguiria até a Praça da Estação, onde Bolsonaro participaria de um comício. De acordo com ela, um homem de casaco preto se aproximou e atingiu o abdome do candidato. Na sequência, relatou, ele quase foi linchado por populares.

"Ele [Bolsonaro] está fora de perigo, mas ainda estamos aguardando informações completas sobre o quadro de saúde. Estava muito cheio e havia muito barulho; não deu para ouvir se a pessoa que o atacou disse algo. Quando o pessoal percebeu o que aconteceu, quase linchou o agressor, mas a Polícia Federal o levou", disse. "Estamos em choque, muito transtornados. É como se atingisse alguém da minha família – e na hora, a ficha não caiu direito. Estou imensamente triste por ele passar por isso", afirmou a ativista.

Candidato já usou colete à prova de balas - No seu primeiro ato público desde o início oficial da campanha, em Presidente Prudente (SP), no dia 22 do mês passado, a reportagem do UOL flagrou o candidato vestindo um colete à prova de balas, cercado de seguranças. A peça foi utilizada por ele em outras duas viagens desde então, em Rondônia e no Acre. Presidente em exercício do PSL e um dos mais próximos aliados do deputado federal, o advogado Gustavo Bebianno disse à reportagem que, entre os candidatos, Bolsonaro "está em nível 1 [máximo] de risco".

No mês passado, o próprio candidato foi questionado sobre a preocupação com a segurança e disse que é orientado a seguir certos ritos. "Obedeço e acima de tudo não revelo o que acontece no tocante à minha insegurança, pela minha segurança", declarou.

                 ABAIXO, VOCÊ CONFERE O MOMENTO 
                 DA AGRESSÃO A BOLSONARO:

Izaías investe R$ 3,2 milhões de reais em novas pavimentações

Comunidade beneficiada será o Jardim Petrópolis. Segundo Governo de Garanhuns, 30 ruas 
serão alcançadas com o investimento. Prefeito assina ordem de serviço nesta quinta (6). (Secom/PMG).

O prefeito de Garanhuns, Izaías Régis, e o secretário de Obras e Serviços Públicos, Pedro Maia, assinam nesta quinta-feira (6), às 14h, no Gabinete do Prefeito, a ordem de serviço para a execução de trabalhos de infraestrutura urbana com pavimentações asfálticas e drenagens em 30 ruas da comunidade Jardim Petrópolis.

As ruas contempladas serão: Eline Campos, Pedro Cavalcante, Euclides Dourado, Coelho Neto, Sérgio Vieira de Melo, Hortencio F. Melo, Atriz Iara Lins, Felipe Camarão, Antônio Dias de Souza, Antônio Italiano, Audálio Marques, Joãozinho Trinta, Jânio Quadros, Ana Nery, Rua das Emboabas, Rua dos Palmares, Visconde de Cairu, Travessa Eline Campos, Visconde de Taunay, José Feitosa da Silva, Linduarte Macário, José Torres Meira, Travessa Felipe Camarão, Rua Zilda Rezende, Rua Emílio Santiago, Tobias Barreto, Travessa Tobias Barreto, Rua Aragaças, Rua Oriente e Rua Marim dos Caetés.

O valor total do investimento é R$ 3.267.808,32 (Três milhões, duzentos e sessenta e sete mil, oitocentos e oito reais e trinta e dois centavos), que tem como empresa executora a CPM Construtora LTDA EPP.