segunda-feira, 11 de junho de 2018

Guarda de Garanhuns passará a registrar Boletins de Ocorrência

Serviço começa a ser praticado, a partir da próxima segunda (18), para
ocorrências envolvendo acidentes de trânsito. (Secom/PMG).

A Guarda Municipal de Garanhuns passará a realizar o preenchimento e registro de boletins de ocorrência. A nova iniciativa da Autarquia Municipal de Segurança, Trânsito e Transportes (AMSTT) irá beneficiar os moradores do município, que terão uma maior facilidade no serviço de elaboração de boletins de ocorrência envolvendo acidentes de trânsito a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de junho.

Anteriormente, a população poderia solicitar o serviço apenas ao efetivo da Polícia Militar. A medida é válida para todos os tipos de acidentes de trânsito, envolvendo, ou não vítimas. E para isso, os profissionais estarão atuando em regime de plantão 24h.

A ferramenta vai auxiliar também no trabalho de outros órgãos como Polícia Militar e Civil, que poderão solicitar todos os dados registrados no banco de dados da Autarquia. A solicitação pode ser feita por telefone, por meio do número da sede da AMSTT, que é o (87) 3762-3967, ou no número da sede da Guarda Municipal (87) 3762-7097.
.

Confirmado: Armando disputa Governo e Mendonça Filho, Senado

Apesar do anúncio oficial feito nessa segunda, dois postulantes da chapa ainda não foram apresentados, 
sendo eles: o vice de Monteiro e o segundo nome ao Senado. (JC Online – Foto: Divulgação).

A Frente das Oposições lançou oficialmente na manhã desta segunda-feira (11) a pré-candidatura do senador Armando Monteiro Neto (PTB) ao governo de Pernambuco e do deputado federal Mendonça Filho (DEM) ao Senado Federal. O evento ocorre no Hotel Bugan, em Boa Viagem, na Zona Sul da capital pernambucana, Recife.

Em discurso acalorado, Armando Monteiro ressaltou o que chamou de convergência de opiniões no Estado em torno de uma posição crítica a gestão do governador Paulo Câmara (PSB). "Esse governo que aí está não correspondeu, não fez as entregas, não se colocou a altura dos desafios de Pernambuco, não deu rumo a sua administração, se omitiu. Pernambuco perdeu vez e voz, perdeu protagonismo no cenário regional. Eu vim hoje aqui com a responsabilidade que hoje me foi confiada eu vim celebrar a esperança, eu vim falar do futuro, eu vim convocá-los para que juntos possamos convocar todas as forças de Pernambuco, construir unidades a partir desse exemplo quando forças heterogêneas se reuniram", afirmou Armando., visivelmente emocionado com o momento.

As outras duas vagas para a chapa majoritária, a do candidato a vice-governador e a outra do Senado ainda estão em aberto. A oposição espera agregar lideranças da Frente Popular e vem mantendo conversas com partidos como o PSC e o PP. Armando salienta que a oposição não tem pressa. "O tempo político nos aponta a possibilidade de manter aberta essa chama para eventualmente incorporarmos novas forças, portanto, no momento próprio nós vamos definir, eu não quero fixar data, mas posso dizer que estamos nesse momento conversando e dialogando com vários partidos e lideranças, portanto o que nós desejamos é ampliar essa frente e para isso estamos abertos para incorporar novas forças em torno desse projeto", disse o senador, prestigiado por lideranças de todo o estado no evento.

Durante o evento, as pessoas gritaram por diversas vezes a palavra de ordem "Pernambuco Vai Mudar", em substituição ao slogan usado anteriormente, o "Pernambuco Quer Mudar". Estiveram presentes lideranças como os deputados federais Bruno Araújo (PSDB), Fernando Filho (DEM), Daniel Coelho (PPS), Ricardo Teobaldo (Podemos), Marinaldo Rosendo (PP), os ex-governadores Joaquim Francisco e João Lyra Neto. Este último chamou atenção por integrar um partido da base do governo.

Mendonça Filho - Pré-candidato ao Senado, ele fez duras críticas à gestão socialista em Pernambuco. Para ele, é preciso liderança para que o estado "volte a ter protagonismo". "Há uma vontade clara de mudanças percebemos isso e conseguimos aglutinar forças que estavam em posições diversas. Pernambuco perdeu relevância pois não temos líder à frente do estado Nós oferecemos alguém que com certeza vai liderar Pernambuco, hoje a voz, a força, e o nome da mudança é Armando para governador de Pernambuco", disse.

      Abaixo, clicando em Player, você confere como foi a coletiva de imprensa, onde Armando e Mendonça foram anunciados oficialmente, como candidatos pela frente "Pernambuco vai Mudar", na disputa pelo Governo e Senado, respectivamente.

                Confira:

“Eu queria estar jogando em outra posição”, diz FBC a Armando

Frase de Bezerra Coelho, foi registrada na manhã desta segunda (11), quando coube a 
ele, anunciar que Monteiro será o candidato ao Governo pelo “PE vai Mudar”. (Blog do Jamildo).

Cotado para concorrer ao governo do Estado de Pernambuco até perder força com a briga judicial pelo MDB, o senador Fernando Bezerra Coelho admitiu, no anúncio do grupo “Pernambuco vai mudar”, que oficializou a pré-candidatura do também senador Armando Monteiro Neto (PTB) ao Palácio do Campo das Princesas pela frente, que gostaria de estar em uma outra posição na corrida eleitoral de outubro deste ano. 

“Você sabe, Armando, que eu queria estar jogando em outra posição”, afirmou o senador ao aliado petebista. Apesar disso, o emedebista, que tem mais quatro anos de mandato como senador, disse que o sentimento é que como a sua eleição e ressaltou que Armando é o mais preparado dos integrantes da oposição e que não é uma liderança forçada, em uma crítica ao governador Paulo Câmara (PSB).

FBC não poupou críticas ao governador, que já foi seu aliado e companheiro de chapa nas eleições de 2014, e afirmou que na gestão do socialista “Pernambuco se apequenou”. Ao se dirigir a sua fala a Armando, disse que o aliado “vai ter que falar a verdade e não prometer nada além de trabalho, suor e lágrimas”.
.

De Armando para Bezerra Coelho: "Nosso projeto precisa de você"

Fala, diz respeito ao fato de Bezerra Coelho não ter sido o escolhido pelo Grupo Pernambuco 
vai Mudar, para postular o Governo do Estado. (Douglas Fernandes - Foto: Divulgação).

Anunciado como o nome que vai concorrer ao governo do Estado de Pernambuco pelo grupo das oposições intitulado agora de: “Pernambuco  vai mudar”, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) começou o seu discurso, no evento da frente nesta segunda-feira (11), no Hotel Bugan, na capital pernambucana, Recife, sinalizando para o também senador Fernando Bezerra Coelho(MDB) que precisa do apoio do aliado, que por muito tempo era cotado para disputar o Palácio das Princesas nas eleições de outubro. O parlamentar voltou a criticar a gestão do governador Paulo Câmara (PSB), a quem chamou de “descaminho que aconteceu em Pernambuco a partir do ano de 2014.

“Eu sei que você em algum momento pretendeu e de forma legítima liderar esse projeto, mas as circunstâncias não permitiram que você esteja nessa posição”, disse o petebista, que acrescentou que o seu projeto necessita do “entusiasmo” de FBC. No evento, também foi oficializada a pré-candidatura do deputado federal Mendonça Filho, do Democratas, ao Senado Federal, sobrando duas vagas na composição do palanque oposicionista: a de vice e a segundo nome para o Senado.

Questionado sobre as conversas com partidos que atualmente integram a base de Paulo Câmara, a exemplo do PSC, do deputado André Ferreira, e do PP, presidio pelo deputado federal Eduardo da Fonte, Armando disse que “não não gostaria de fazer referência a nenhum partido especificamente, porque como eu já disse, nós estamos dialogando com vários partidos e diferentes atores políticos de Pernambuco”.

Garanhuns: João Paulo lança pré-candidatura a Deputado Estadual

Aos 26 anos, formado em gestão pública, filho de Silvio
Costa disputará uma eleição pela primeira vez.

Com a frase: “Acredito na política, porque ela feita com seriedade é uma forma de construir cidadania”, o jovem João Paulo Costa, filho do deputado federal pernambucano e pré-candidato ao Senado, Silvio Costa (Avante), lançou aqui em Garanhuns, no decorrer da semana passada, sua pré-candidatura a deputado estadual.

Aos 26 anos, formando em gestão pública, João Paulo disputará uma eleição pela primeira vez. Terá a responsabilidade, para o caso de ser eleito, de substituir o líder da oposição na Alepe, seu irmão, Silvio Costa Filho do PRB, que este ano, conforme já noticiamos, será um dos postulantes a uma vaga na Câmara Federal.

Semana passada, de passagem por Garanhuns, acompanhando a comitiva do pai, Silvio Costa, que percorreu cidades da região Agreste Meridional, afim de formalizar alianças, João Paulo foi entrevistado no programa “Falando com o Agreste”, ancorado pelo radialista Marcelo Jorge, na rádio Marano. Na ocasião, João discorreu sobre diversos assuntos, embora o que mais tenha chamado a atenção em sua fala, diga respeito ao que sob sua ótica, deve pautar a atividade política: “respeito e responsabilidade”, que ainda segundo ele, “dão nobreza aquele no exercício do mandato.”
.

"Se o PT vier, será bem-vindo", diz Paulo Câmara em entrevista

Questionado se a possível entrada do PT na Frente Popular poderia afastar partidos da base, 
Paulo destacou que vai trabalhar em torno de unidade. (JC Online – Foto: Sérgio Bernardo).

Dois dias após o comando do PT formalizar a disposição de sacrificar candidaturas estaduais em troca do apoio do PSB e do PCdoB na corrida presidencial, o governador Paulo Câmara (PSB) afirmou, na manhã desta segunda-feira (11), que o PT será “bem-vindo”, caso ocorra uma aliança em Pernambuco entre petistas e socialistas.

"Eu estou trabalhando. Como governador, a gente tem que se dedicar as agendas administrativas e a trabalhar. As questões políticas estão sendo discutidas. Em agosto a gente vai ter a oportunidade de fazer o nosso lançamento e ver a Frente Popular unida e se o PT vier, será bem-vindo, mas também nós temos que trabalhar em torno da nossa frente que é muito grande. Então estamos fazendo isso", disse Paulo após a solenidade de formatura de 278 bombeiros militares no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda.

Questionado se a possível entrada do PT na Frente Popular poderia afastar partidos da base, Paulo destacou que vai trabalhar em torno de unidade. "A consciência nossa é de unificação, quem quiser vir ao nosso palanque, que pense como nós, que sabe que a forma que o governo federal está administrando o Brasil não pode continuar, será bem vindo. Então se o PT assim decidir se unir conosco, será bem vindo, mas independente de qualquer decisão, nós temos um trabalho a fazer, como governador e como líder de uma frente grande, de muitos partidos. A gente tem que chegar em agosto com essa frente muito bem consolidada e unida", comentou.

Sem Lula no 2º turno, Marina venceria Ciro, Alckmin e Bolsonaro

Informação, é da pesquisa Datafolha, divulgada no último domingo (10), que 
mostra as intenções de voto na corrida presidencial de outubro. (Estadão Conteúdo).

Pesquisa Datafolha sobre as intenções de voto na corrida presidencial de outubro, divulgada na madrugada deste domingo, 10, revela que, nas simulações para um eventual segundo turno sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), considerando a margem de erro da pesquisa de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, aparece em situação de empate técnico, com 36% dos votos, contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) (34%). Lula está preso em Curitiba desde abril.

Mesma situação de empate aparece contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), quadro em que o pedetista tem 32% e o tucano, 31%. Ciro venceria, com 38%, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que teria 19%.

A única simulação em que o ex-governador do Estado do Ceará, Ciro Gomes, ficaria atrás no segundo turno é contra Marina Silva (Rede), que teria 41%, ante 29% do ex-ministro. Marina aparece na frente também com 42% ante Bolsonaro (32%) e contra Alckmin (27%). Nas simulações de primeiro turno, sem Lula na corrida presidencial, Bolsonaro (PSL) está à frente dos concorrentes, com 19%, seguido de Marina, que oscila entre 14% e 15%. Ciro oscila entre 10% e 11%, Alckmin tem 7% e Alvaro Dias (Podemos), 4%.

Já Bolsonaro, no segundo turno, aparece empatado com Alckmin, ambos com 33%. Contra Haddad (27%) venceria o pleito, com 36%. Alckmin (36%) venceria a eleição somente se o adversário no segundo turno fosse Haddad (20%).

Lula - Nas simulações com Lula, o petista venceria a eleição em qualquer cenário. Segundo a pesquisa, o ex-presidente seria eleito com 49% tanto na disputa contra Bolsonaro, que teria 32%, quanto contra o ex-governador Alckmin, com 27%. Se a oponente fosse Marina, Lula teria 46% ante 31% da ex-ministra. Votos em branco, nulos ou 'nenhum' representam, respectivamente nos cenários acima, 22%, 21% e 17%.

A mais recente pesquisa Datafolha, realizada entre os dias 6 (quarta-feira) e 7 (quinta-feira) deste mês, teve como base 2 824 entrevistas em 174 municípios em todos os Estados do País, mais Distrito Federal. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob número BR-05110/2018.

Belo Horizonte: Em resolução, PT admite ter vice do PSB ou PCdoB

Resolução, pode interferir nas alianças estaduais, incluindo Pernambuco, onde o apoio à reeleição 
do governador Paulo Câmara mina a candidatura de Marília Arraes ao cargo. (Blog do Jamildo).

Em resolução aprovada no último sábado (9), na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais, onde foi lançada na noite anterior a pré-candidatura de Lula à presidência da República, a executiva nacional do PT admitiu abrir espaço na composição da chapa majoritária para os dois partidos com que têm crescido as articulações de aliança: PSB e PCdoB. “Essa construção passa pela indicação do candidato a vice-presidente em entendimento com os partidos aliados”, afirma o documento.

O PSB não tem candidatura própria lançada ao Palácio do Planalto após a desistência do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. Enquanto isso, o PCdoB lançou a deputada estadual Manuela D’Ávila para a disputa, em ato com a participação do próprio Lula. Ambos os partidos têm conversado também com o PDT, que tem como presidenciável o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes.

Antes, na negociação com o PSB, era proposta uma aliança nos 11 estados, incluindo Pernambuco, mas não uma coligação nacional. No último dia 31, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, havia dito que não existia clima para uma aliança nacional com o PT. “Não existe. Se essa discussão existe é fora do partido”, disse.

Documento impacta nos estados

A resolução pode interferir na aliança com o PSB nos estados, incluindo Pernambuco, onde o apoio à reeleição do governador socialista Paulo Câmara mina a candidatura da petista Marília Arraes ao cargo. O texto determina que as decisões locais devem ser submetidas à comissão. “Está clara, portanto, a primazia do projeto nacional sobre as disputas regionais”, afirma o documento aprovado no sábado.

O texto afirma ainda, que a prioridade é “construir uma coligação nacional para apoiar a candidatura Lula com PSB, PCdoB e outros partidos” e que essas siglas devem indicar o vice na chapa. Além disso, os palanques estaduais devem seguir a mesma orientação.

A resolução vem após a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, fazer um aceno ao PSB e colocar o partido como aliança prioritária. “Se tivermos uma aliança nacional com o PSB, as alianças locais vão ser estabelecidas em razão da aliança nacional”, havia afirmado em entrevista coletiva antes do evento de lançamento.

Militantes do PT realizam ato de apoio a pré-candidatura de Marília

Ato, ocorreu neste domingo (10), no auditório da sede do sindicato dos bancários,
na Manoel Borba, área central do Recife. (JC Online – Foto: Divulgação).

A pré-candidatura da vereadora recifense, Marília Arraes (PT) ao governo do Estado de Pernambuco, continua sendo trabalhada por uma parte do Partido dos Trabalhadores (PT) que considera a vereadora competitiva para a próxima eleição. Os apoiadores de vereadora fizeram um ato de apoio no auditório da sede do sindicato dos bancários, na Manoel Borba, área central do Recife que começou por volta das 11 horas e acabou no começo da tarde deste domingo (10/06). Isso ocorreu um dia depois da direção nacional do PT lançar, em Belo Horizonte, uma resolução afirmando que pretende fazer uma aliança com o PC do B e o PSB - partido do governador Paulo Câmara –, o que em princípio limaria a candidatura de Marília Arraes, porque Câmara vai concorrer a reeleição.

“A resolução traduz a situação. Não poderemos ter alianças picadas, nem em Pernambuco nem na Paraíba. Tem que resolver em todos os 11 Estados. É um pacote. O PSB terá que resolver as alianças em todos os Estados e declarar o seu apoio formal a Lula – o que é prioridade – fechando uma aliança nacional”, revela o secretário de Formação Política do PT, Múcio Magalhães, que passou a fazer parte desde ontem do Grupo de Tática Eleitoral (GTE) da sigla o qual atua nacionalmente. Quando discursou no evento, ele classificou a “resolução de ambígua, uma concessão para quem queria nos limar”.

Ainda durante o evento, ele acrescentou: “Não aceitamos de jeito nenhum a retirada da pré-candidatura de Marília sem o apoio formal do PSB nos 11 Estados. Se for fechada uma aliança nacional, faremos o debate e o comando nacional terá legitimidade para retirar a pré-candidatura de Marília, que é boa para Pernambuco e o PT nacional.”

Pesquisa Datafolha: Lula lidera intenções de voto no 1º e 2º turnos

Candidatura do ex-presidente, que está preso em Curitiba no Paraná,
depende do aval da Justiça. (Agência Estado – Foto: Divulgação).

O PT, utilizou sua conta no Twitter para comemorar o resultado da pesquisa Datafolha, divulgada na madrugada do domingo (10) na qual o ex-presidente Lula da Silva aparece como líder nas intenções de voto para primeiro e segundo turno das eleições para a Presidência. "O Brasil já sabe que vai ser feliz de novo. Lula, além de ser líder isolado, vence em todos os cenários", diz a publicação. O petista está preso há dois meses na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), e sua candidatura ainda depende do aval da justiça.

Em linha com a comemoração do partido, a página oficial de Lula no Facebook fez uma menção de que o ex-presidente segue à frente nas pesquisas. No site oficial do petista, a equipe de Lula publicou um texto destacando os resultados do Datafolha. A publicação diz que "com 30%, Lula registra a preferência do eleitorado brasileiro, mesmo frente à perseguição que que vem sofrendo, que culminou em sua prisão política há dois meses atrás". O porcentual citado refere-se a um cenário de primeiro turno.

Nas simulações para um segundo turno, de acordo com o Datafolha, o petista aparece com 49% das intenções de voto contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e também contra o deputado Jair Bolsonaro (PSL). Na disputa com Marina Silva (Rede), o ex-presidente ficaria com 46% e a ex-senadora com 31%.

A mais recente pesquisa Datafolha, realizada entre os dias 6 (quarta-feira) e 7 (quinta-feira) deste mês, teve como base 2.824 entrevistas em 174 municípios em todos os Estados do País, mais Distrito Federal. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob número BR-05110/2018.