quinta-feira, 5 de abril de 2018

Workshop de Tecnologia e Inovação será realizado em Garanhuns

Durante três noites na AESGA, evento apresentará  temas como propriedade intelectual, 
processo de incubação tecnológica, inovação e investimento em negócios nascentes, dentre outros.

De 23 a 25 de abril deste ano, o município de Garanhuns sediará o 1º Workshop de Tecnologia, Empreendedorismo e Inovação do Agreste de Pernambuco – wTEIA 2018. De acordo com a produção do evento, serão três noites de palestras e dois dias de minicursos, nos quais estudantes, professores, empresários, profissionais liberais, entidades governamentais e toda a comunidade interessada em empreender e debater temas voltados ao Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia estão convidados. 

O wTEIA é o maior evento ligado ao empreendedorismo e inovação do Agreste Meridional Pernambucano já realizado na região, sendo uma uma iniciativa, da Universidade Federal Rural de Pernambuco / Unidade Acadêmica de Garanhuns, co-realizado pela Universidade de Pernambuco, Instituto Federal de Pernambuco e AESGA. 

Durante três noites na Autarquia de Ensino Superior de Garanhuns (AESGA), serão apresentados temas como propriedade intelectual, processo de incubação tecnológica, inovação, investimento em negócios nascentes, além da apresentação de cases de sucesso de startups. Os minicursos serão realizados durante o dia na UFRPE/UAG e na UPE, os quais abordarão os seguintes temas: gerenciamento de projetos, técnicas de criatividade e de geração de negócios (design thinking e canvas model), introdução à programação para leigos, testes de software, desenvolvimento web, entre outros. 

Autores de pesquisas sobre empreendedorismo e inovação e cases de projetos inovadores de toda a região do Agreste do Estado, estão convidados a enviarem seus resumos para avaliação e possível exposição durante o wTEIA.
.

Gersinho: “Ator principal da Educação é o aluno, não o Professor”

Durante pronunciamento feito nesta quarta (4), na Câmara, parlamentar ainda estocou: “Exercer 
essa profissão por amor, e deixar o aluno sem aula e tentar uma greve descabida, não condiz com o ofício”.

Subscrito pela maioria dos seus pares na Casa Raimundo de Moraes, um aparte feito pelo vereador Gersinho Filho (PTB), durante a reunião Plenária desta quarta-feira (4), na Câmara de Vereadores de Garanhuns, onde ele considerou o aluno como ator principal da educação, e não o professor, repercute fortemente por toda a cidade.

Realizada em paralelo ao pronunciamento do Líder do Governo Izaías na Câmara, o vereador Alcindo Correia (PCdoB), sobre o reajuste dos professores aqui em Garanhuns, que em percentual será quase duas vezes superior ao que foi dado pelo Governo de Pernambuco à esses mesmos profissionais lotados no estado, a fala do parlamentar foi interpretada, como uma defesa dirigida aos alunos da rede municipal, que considerou ele, foram os grandes prejudicados com a greve deflagrada dias atrás pelos professores.

Greve essa aliás, que fez questão de lembrar o vereador durante sua fala na Câmara, foi considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), através de liminar despachada pelo Desembargador Francisco Bandeira de Melo, no último dia 26 de março.

“Na minha opinião (na greve dos professores), penalizados foram os alunos. Exercer essa profissão por amor, mas não pensar no aluno e deixar ele sem aula e tentar uma greve descabida, não condiz com o ofício. Aí quando eu posto nas redes sociais: Justiça suspende a greve da rede municipal de Garanhuns, as pessoas vem me questionar, dizendo que eu sou contra os professores, mas não vem dizer, que aqui eu estou defendendo os alunos”, disparou Gersinho na Câmara, na Plenária desta quarta.

Alcindo sai em defesa do Executivo sobre reajuste dos Professores

Segundo parlamentar, Lei aprovada na Câmara, originária da Gestão Municipal, concederá reajuste quase
duas vezes superior, se comparado ao aumento dado à esses mesmos educadores pelo Estado.

O reajuste salarial de 6,81% concedido pelo Executivo local aos professores da rede municipal de ensino aqui de Garanhuns, foi tema de longo pronunciamento por parte do vereador Alcindo Correia (PCdoB), atual Líder do Governo Izaías na Câmara, durante a reunião Plenária realizada na casa nesta quarta-feira, 4 de abril.

Ao se referir ao percentual dado pelo Prefeito Izaías à esses profissionais de educação e ainda aos 2,94% e 4,00%, concedidos para os professores efetivos que recebem acima do Piso Nacional da Educação, dentro daquilo que permite as dotações municipais e ainda o Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações da categoria aqui na cidade, o vereador governista fez um comparativo com o reajuste que está sendo oferecido pelo Governo do Estado de Pernambuco à esses mesmos educadores.

Na esfera estadual, revelou o parlamentar em seu discurso, esses mesmos professores, após acordo firmado entre o Executivo Estadual e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (SINTEPE), passarão a receber seus salários já com o reajuste de 6,81%, a partir apenas do mês de outubro e sem retroativo, enquanto que aqui no município, em ambos os casos, o reajuste já está em vigor e está sendo pago de forma retroativa ao mês de janeiro deste ano.

Além disso, relatou o parlamentar durante sua fala no Grande Expediente da Casa: em Garanhuns, os professores receberão um aumento quase duas vezes maior do que aquele concedido pelo Governo de Pernambuco à esses educadores lotados no estado. Em apenas um ano, destacou Correia, esses servidores municipais terão um acumulo percentual de 38,22%, levando-se em consideração apenas o menor percentual, enquanto que os professores do Estado, ficarão com um acumulo de somente 20,43%.

Nesta quarta, ao finalizar sua fala, o líder do Governo Izaías abordou ainda, outro aspecto, que neste caso, diz respeito a promessa não cumprida do atual Governador Paulo Câmara, de dobrar os salários dos professores estaduais. De acordo com Correia, essa perspectiva foi apresentada por Câmara durante sua campanha em 2014, como uma das prioridades em seu plano de Governo, sendo que o que se viu com o passar dos anos de sua gestão, foi que ela serviu apenas para capitalizar votos à sua eleição.

Em plenário, questionando o ato de protesto feito pelos educadores em frente ao Palácio Celso Galvão, que sob sua ótica se transformou numa manifestação política, já que um ex-vereador se infiltrou no movimento, e ainda em razão dos embaraços promovidos por esses profissionais na Câmara, em tempo da aprovação do Projeto de Lei do reajuste da categoria no mês passado, Alcindo frisou: “Porque será que esses mesmos professores, quase todos também da rede estadual, calam sobre o Governo do Estado?”.

Abaixo, você confere o pronunciamento completo do
líder do Governo Izaías na Câmara, feito ontem, quarta-feira.

         

Brasília: Por 6 a 5, STF nega habeas corpus contra prisão de Lula

Negado o HC, situação do ex-presidente fica ainda mais complicada. Com a derrota no Supremo, petista
poderá ser preso depois de esgotados os recursos ao TRF-4. (JC Online – Foto: Reuters).

Após mais de 10 horas de julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quarta-feira (4) o habeas corpus contra a prisão do ex-presidente Lula (PT), condenado a 12 anos e 1 mês de prisão em processo da Operação Lava Jato. Com a decisão da Suprema Corte, o petista fica mais perto de ser preso. O placar foi de 6 a 5, sendo desempatado pela presidente da Casa, ministra Cármen Lúcia. Ela destacou que não há ruptura ou afronta à presunção de inocência o início do cumprimento da pena após a segunda instância. 

Com a derrota no Supremo, Lula poderá ser preso depois de esgotados os recursos ao TRF-4. A defesa do petista tem até a próxima segunda-feira (9) para decidir se apresenta recurso ao tribunal de Porto Alegre. Para que Lula seja preso, basta agora que o Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4) determine o início do cumprimento da pena. A decisão segue para o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba, para que ele determine a execução penal. Juristas acreditam que isso pode acontecer já na próxima semana entre quarta e sexta-feira.

LULA DEVE ENTRAR COM RECURSOS - A prisão não impede que o ex-presidente continue recorrendo. A defesa de Lula já prometeu entrar com novos embargos no próprio TRF-4. Pela legislação, o réu pode mover diversos embargos pedindo esclarecimentos sobre a condenação o que pode, eventualmente, ter efeito sobre a pena. Os primeiros embargos já foram negados pelos desembargadores do TRF-4.

Além dos embargos, Lula pode recorrer a dois tipos de recurso para tentar reverter a condenação. Os recursos especiais correm no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e alegam que alguma Lei Federal foi descumprida na decisão. Já os recursos extraordinários são movidos no Supremo Tribunal Federal (STF) argumentando que algum preceito constitucional foi descumprido. Esses recursos são mais demorados.

PT após decisão do STF sobre Lula: "Trágico para a democracia"

Para o Partido dos Trabalhadores, a Constituição ''foi rasgada 
por quem deveria defendê-la''. (ABR – Foto: Miguel Schincariol/AFP).

Após o Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, ter rejeitado o pedido de habeas corpus preventivo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou nota afirmando que "é um dia trágico para a democracia e para o Brasil". Para o partido, a Constituição "foi rasgada por quem deveria defendê-la, e a maioria do Supremo Tribunal Federal sancionou mais uma violência contra o maior líder popular vivo do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva". 

Na nota, a legenda diz ainda que "ao pautar o julgamento do habeas corpus de Lula, antes de apreciar as ações que restabelecem a presunção da inocência como regra geral, a presidenta do Supremo Tribunal Federal determinou mais um procedimento de exceção".

"Não há justiça nesta decisão. Há uma combinação de interesses políticos e econômicos, contra o país e sua soberania, contra o processo democrático, contra o povo brasileiro. A Nação e a comunidade internacional sabem que Lula foi condenado sem provas, num processo ilegal em que juízes notoriamente parciais não conseguiram sequer caracterizar a ocorrência de um crime. Lula é inocente e isso será proclamado num julgamento justo". O partido argumenta que a decisão de hoje visa a impedir uma candidatura de Lula nas eleições deste ano. "O povo brasileiro tem o direito de votar em Lula, o candidato da esperança. O Partido dos Trabalhadores defenderá esta candidatura nas ruas e em todas as instâncias, até as últimas consequências". 

Lula decidiu não se pronunciar sobre o julgamento - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu não se pronunciar sobre o julgamento, conforme informação da sua assessoria. Ele acompanhou o julgamento na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. Os advogados do ex-presidente também não se manifestaram.

Ex-Presidente Lula admite a aliados que está fora das eleições

Com a real possibilidade de Lula fora estar fora das eleições deste ano, direção nacional do PT 
se reúne nesta quinta, para traçar estratégias para os próximos dias. (Estadão Conteúdo – Foto: EBC).

Pouco depois do voto decisivo da ministra Rosa Weber o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou, resignado, com um grupo restrito de pessoas que acompanhavam com ele o julgamento de seu pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), que "não iam dar o golpe para me deixarem ser candidato". A frase foi interpretada por dirigentes e lideranças petistas como uma admissão de que está fora da disputa eleitoral, embora o PT publicamente insista em manter o discurso sobre a manutenção da candidatura de Lula à Presidência, mesmo que o ex-presidente vá para a cadeia. "Isso foi para tentar tirar o Lula da eleição, mas podemos registrar a candidatura dele, mesmo preso. Acredito que Lula vai ficar pouco tempo na prisão", afirmou o deputado estadual José Américo (PT).

Ao mesmo tempo da fala de Lula, Petistas postaram nas redes sociais a hashtag #LulaValeALuta. O objetivo era evitar que o desânimo com a derrota no STF contaminasse a militância. O abatimento tomou conta das cerca de 500 pessoas que lotavam o salão principal do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC logo depois do voto de Rosa. Antes, a cada intervalo, os apoiadores de Lula dançavam, faziam batucadas ou se manifestavam em defesa do petista. Depois, ficaram em silêncio durante vários minutos, até que a organização tocou nos alto-falantes a música tema das caravanas de Lula. Muitos foram embora.

Acompanhando os resultados - Segundo relatos, o clima também ficou pesado no segundo andar do sindicato, onde o petista passou o dia ao lado de apoiadores. Entre eles, estavam a presidente cassada, Dilma Rousseff, os governadores Wellington Dias (PI), Tião Vianna (AC) e Fernando Pimentel (MG), além do ex-prefeito da capital paulista, São Paulo, Fernando Haddad. Conforme pessoas que estavam no segundo andar, o clima descontraído estimulado pelo próprio Lula durante todo o dia foi substituído pela tensão à medida em que Rosa proferia seu intrincado voto no Plenário do Supremo Tribunal Federal.

Até então, Lula tentava demonstrar tranquilidade. Posou para fotos, recebeu ex-colegas da direção do sindicato na década de 1970, contou histórias sobre as greves de 1978, 1979 e 1980, elogiou o golaço de Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, e demonstrou otimismo ao dizer que o Corinthians vai vencer o Palmeiras por 2 a 0 na final do Campeonato Paulista. O petista passou a maior parte do tempo em uma sala reservada, sem TV, ao lado de Dilma e aliados mais próximos. Ele era informado sobre o andamento do julgamento por assessores. Nos poucos momentos em que esteve na frente do aparelho de TV, não prestou atenção. "Não vou acompanhar isso aí", disse.

A direção nacional do PT se reúne na manhã desta quinta-feira, 5, para traçar as estratégias daqui para a frente. À tarde, a cúpula do partido em São Paulo também deve se encontrar para definir uma manifestação na cidade. A ideia é denunciar supostas arbitrariedades no processo que condenou Lula e mostrar que o ex-presidente sofreu um julgamento político. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Entenda o que pode acontecer com Lula após decisão do STF

Pela legislação, réu pode mover diversos embargos pedindo esclarecimentos sobre a 
condenação o que pode, eventualmente, ter efeito sobre a pena. (JC Online – Foto: Agência PT).

Com a derrota no Supremo Tribunal Federal (STF), Lula poderá ser preso depois de esgotados os recursos ao TRF-4. A defesa do petista tem até a próxima segunda-feira (9) para decidir se apresenta recurso ao tribunal de Porto Alegre. Para que Lula seja preso, basta agora que o Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4) determine o início do cumprimento da pena. A decisão segue para o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba, para que ele determine a execução penal. Juristas acreditam que isso pode acontecer já na próxima semana entre quarta e sexta-feira.

A prisão não impede que o ex-presidente continue recorrendo. A defesa de Lula já prometeu entrar com novos embargos no próprio Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Pela legislação, o réu pode mover diversos embargos pedindo esclarecimentos sobre a condenação, o que pode, eventualmente, ter efeito sobre a pena. Os primeiros embargos já foram negados pelos desembargadores do TRF-4.

Além dos embargos, Lula pode recorrer a dois tipos de recurso para tentar reverter a condenação. Os recursos especiais correm no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e alegam que alguma Lei Federal foi descumprida na decisão. Já os recursos extraordinários são movidos no Supremo Tribunal Federal (STF) argumentando que algum preceito constitucional foi descumprido. Esses recursos são mais demorados.

CANDIDATURA - Mesmo preso, Lula ainda pode ser defendido pelo PT como candidato a presidência. Embora condenado por um órgão colegiado, ele só será enquadrado na Lei da Ficha Limpa depois que o registro da candidatura foi submetido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e analisado pela Corte, que pode impugná-lo. Nesse caso, o PT poderia escolher outro nome para substituir Lula na disputa.

Rejeição do habeas corpus de Lula muda corrida eleitoral no país

Nacionalmente, saída do ex-presidente do cenário político pode ser decisiva para estratégia 
da esquerda colocar alguém no segundo turno. (Paulo Veras – Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula).

A rejeição do habeas corpus e a possível prisão do ex-presidente Lula (PT) altera a corrida pela presidência da República e interfere no cenário das eleições em Pernambuco, onde o apoio do petista tem forte apelo no eleitorado. No plano nacional, a decisão do STF deve tirar Lula da disputa presidencial, implicando um revés no projeto do PT, que via o ex-presidente liderar as pesquisas de intenção de voto. No Estado, afeta o plano do governador Paulo Câmara (PSB) de firmar uma aliança com o PT para enfrentar a oposição.

“A provável prisão dificulta ainda mais a estratégia da esquerda de colocar alguém no segundo turno. A candidatura dele vai sumir. E vai dificultar muito a estratégia do Lula de transferir voto para o seu candidato, que provavelmente será o Fernando Haddad”, afirma o cientista político Ricardo Ismael, professor da PUC do Rio de Janeiro.

As últimas pesquisas mostram que, sem Lula, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) lidera a disputa presidencial. Em sua maioria, porém, os votos de Lula migram para o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) e para a ex-senadora Marina Silva (Rede). Os levantamentos mostram uma dificuldade do ex-presidente em transferir votos para um substituto do PT. O cenário petista fica ainda mais difícil porque, se for preso, Lula não poderá mais circular pelo País ajudando na campanha da sigla.

“O candidato à presidência dão PT pode não conseguir ter o bônus eleitoral da transferência dos votos. Mas isso dá um discurso importante para outras candidaturas do partido a governador, senadores e deputados federais. No Nordeste, pode haver uma capitalização por parte dos candidatos do PT da prisão de Lula, dada a popularidade que ele tem na região”, projeta Marcos Queiroz, analista político da Akro Advice.

Eleição em Pernambuco - Em Pernambuco, aliados do governador Paulo Câmara evitaram antecipar o impacto de uma prisão de Lula nos planos eleitorais do PSB e ressaltavam que esse cenário ainda precisará ser melhor analisado. Os socialistas esperavam contar com o forte apoio de Lula no interior para consolidar a campanha pela reeleição do governador. Até o momento, porém, o PT mantém pré-candidaturas ao governo como a da vereadora do Recife Marília Arraes. O nome de Marília favorece o plano da oposição de levar a disputa para o segundo turno.