sexta-feira, 30 de março de 2018

Joaquim Barbosa vai se filiar ao PSB e pode disputar a Presidência

Decisão do Ex- Ministro do Supremo Tribunal Federal, foi comunicada ao presidente do Partido, Carlos Siqueira, durante encontro na manhã desta quinta-feira (29). (O Globo – Foto: Divulgação).

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa decidiu que vai se filiar ao PSB até o dia 7 de abril e pode disputar a Presidência da República pela legenda. Este é o prazo final para que qualquer pessoa que pretenda concorrer nas eleições deste ano se filie a alguma sigla partidária. A decisão foi comunicada ao presidente do Partido Socialista Brasileiro, Carlos Siqueira, e ao deputado federal Alessandro Molon (RJ) durante encontro realizado na manhã desta quinta-feira, em uma padaria da capital federal, de Brasília.

Apesar da confirmação, publicamente Siqueira é cauteloso: “Avançamos muito na reunião, mas para termos certeza da vinda dele ainda teremos que aguardar mesmo até o dia 7, até que esteja assinado. O PSB conseguiu reverter todas as resistências internas à filiação de Barbosa e ao lançamento de sua candidatura à Presidência.”

O ex-deputado Beto Albuquerque, do Rio Grande do Sul, junto ao ex-ministro Aldo Rebelo já haviam entregado carta à direção se disponibilizando para concorrer ao Palácio do Planalto. Mas o clima de disputa já arrefeceu. Albuquerque deve concorrer ao Senado pelo Rio Grande do Sul e Rebelo demonstrou à cúpula partidária que não criará problemas caso Barbosa realmente queira concorrer ao governo federal nas eleições deste ano.

Já são 12, os donos de Partido aqui no Estado de Pernambuco

Vantagem de controlar legendas, é pelo fato de decidir quem pode ou não entrar, além
de ter o controle da verba dos fundos partidário e eleitoral. (Inaldo Sampaio).

Dos 25 deputados federais pernambucanos, 11 presidem os seus partidos em Pernambuco. Isso prova que é vantajoso o parlamentar ter o controle de uma legenda em seu estado de origem. São eles: Pastor Eurico (PHS), Sílvio Costa (Avante), Ricardo Teobaldo (Podemos), André de Paula (PSD), Augusto Coutinho (Solidariedade), Mendonça Filho (DEM), Wôlney Queiroz (PDT), Eduardo da Fonte (PP), Sebastião Oliveira (PR), João Fernando Coutinho (PROS) e Daniel Coelho (PPS). Jarbas Vasconcelos controla o MDB e Luciana Santos o PCdoB, embora não sejam os seus presidentes regionais.

A vantagem de controlar partido nos tempos de hoje é que o controlador é quem decide quem pode e quem não pode entrar, além de ter o controle da verba dos fundos partidário e eleitoral. Esticando mais a corda, temos o PTB sob controle do senador Armando Monteiro (através do deputado José Humberto) e o PSB sob o domínio de Paulo Câmara (através do secretário de governo da Prefeitura do Recife, Sileno Guedes).

Isso não significa que é errado o parlamentar ter o controle de um partido a fim de levá-lo para onde quiser. Significa, isto sim, que o Brasil ainda está muito longe de ter um quadro partidário sólido como têm, por exemplo, a Argentina, o Paraguai e o Uruguai, onde os partidos são centenários. Entre nós, cada deputado quer ter um partido para ditar-lhe o rumo, embora todos eles, exceto o MDB e o PCdoB, tenham um “proprietário” nacional.

Alepe: Júlio cobra providências para garantir direitos dos autistas

Para deputado, é necessário que exista uma atenção das autoridades a essa parcela 
da população, principalmente nas áreas de educação e saúde. (Alepe – Foto: Jarbas Araújo)

Durante o Pequeno Expediente da Assembleia Legislativa aqui do Estado de Pernambuco (Alepe), da última quarta-feira, 28 de março, o deputado estadual pernambucano pelo PTB, Júlio Cavalcanti, radicado na cidade de Arcoverde, distante cerca de 90 quilômetros de Garanhuns, cobrou do Governo do Estado a garantia dos direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA). De acordo com o parlamentar, a Lei Estadual n° 15.487/2015, que trata do tema, estaria sendo negligenciada.

Entre os problemas, Cavalcanti destacou a falta de atendimento por profissionais especializados e de unidades específicas para tratamentos mentais, bem como de acesso gratuito a medicamentos. “Venho pedir aos colegas que questionem, também, essa inércia. É preciso entender a importância da lei para essas famílias”, afirmou.

Para o deputado, é necessário que exista uma atenção das autoridades a essa parcela da população, principalmente nas áreas de educação e saúde. “Joana Kelly, de 3 anos, é uma menina autista do Interior. A família, humilde, tenta, há um ano e meio, marcar uma consulta nos hospitais públicos, mas não consegue”, lamentou. “Na teoria, a lei está correta, mas a prática tem sido diferente”, criticou o petebista.

Vice Governador Raul Henry deixa secretaria por projeto de Jarbas

Emedebista lançará candidatura de deputado federal e terá que se afastar de funções 
no Palácio do Campo das Princesas. (Carol Brito – Foto: Josenildo Tenório).

Em meio à dura batalha que vem travando pelo comando do MDB de Pernambuco, o vice-governador do Estado, Raul Henry (MDB), terá uma importante decisão pela frente. Com o fim do prazo para desincompatibilização de cargos no próximo dia 7 de abril, ele deixará o comando da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e não assumirá mais o comando do Governo do Estado, caso o governador Paulo Câmara (PSB) se afaste.

O motivo é o seu projeto para concorrer para deputado federal no pleito este ano, o que impõe limitações no exercício de cargos no Executivo. Com isso, o grupo político de Henry oficializa a pretensão de lançar o nome do deputado Jarbas Vasconcelos para o Senado na Frente Popular. Com a disputa acirrada por espaços na chapa governista, somente haveria espaço para um representante do grupo jarbista na majoritária. Em um gesto a Jarbas Vasconcelos, Henry abriu mão de disputar a reeleição.

“Eu vou me afastar na próxima semana, serei exonerado do cargo de secretário de Desenvolvimento Econômico e não assumirei mais o Governo para disputar o cargo de deputado federal. Jarbas está em primeiro lugar nas pesquisas para o Senado, pessoas manifestam o desejo de tê-lo como candidato. Ele tem história, biografia. A solução mais natural é que eu saia do posto e vá disputar o cargo de deputado federal”, afirma Henry.