segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Governador comanda conclusão de curso de novos 1.214 policiais

Com a chegada dos novos profissionais, nove Delegacias de Repressão ao Narcotráfico (Denarc), 
criadas por Câmara em 2017, começarão a funcionar de imediato. (Fotos: Hélia Scheppa/SEI).

Após entregar, nesta segunda-feira, 5 de janeiro, da 41ª Escola Técnica Estadual, em Igarassu, o governador Paulo Câmara (PSB) comandou, na cidade de Olinda, a cerimônia de boas-vindas aos novos 1.214 profissionais das Polícias Civil e Científica. São delegados, agentes, escrivães, peritos, médicos legistas e auxiliares, que já começam a atuar ainda nesta semana em todo o Estado, da Capital ao Sertão.

Na presença de milhares de pessoas que lotaram o Teatro Guararapes do Centro de Convenções, na capital Recife, para celebrar o ato, o chefe do Executivo estadual parabenizou a todos e conclamou esforço e muita dedicação dos novos servidores da segurança para a reversão dos índices de violência aqui no Estado de Pernambuco.

Com a chegada dos novos profissionais, as nove Delegacias de Repressão ao Narcotráfico (Denarc), criadas por lei e sancionadas ainda durante o mês de dezembro de 2017, pelo chefe do Executivo estadual, começarão a funcionar de imediato. As unidades integram a estratégia que visa diminuir os números de homicídios, já que mais de 50% das mortes violentas registradas em Pernambuco têm relação direta com o tráfico de entorpecentes e dívidas geradas pelo consumo de drogas.

Distribuição - Nomeados no sábado, 27 de janeiro último, com publicação no Diário Oficial do Estado (DOE/PE), informa o Governo Estadual, os novos agentes de segurança estão divididos entre: 822 policiais civis, sendo 139 delegados, 597 agentes e 86 escrivães; e 392 servidores da Polícia Científica, sendo 36 novos médicos legistas, 64 auxiliares de legista, 123 auxiliares de perito, 44 peritos papiloscopistas e 125 peritos criminais.

A Zona da Mata e Agreste do Estado recebem a maior parte novo efetivo, cerca de 46% dos policiais civis formados. Outros 23% será lotado no Sertão, enquanto 10% irão trabalhar na Região Metropolitana do Recife. Os 21% restante irá fortalecer as Unidades Especializadas, como o Departamento de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP).
.

Júlio Lóssio: "Oposição até pouco mamava nas tetas do PSB"

No final de janeiro, Lóssio foi recebido por Marina Silva, em Brasília. Na ocasião, ele recebeu aval 
da ex-senadora para concorrer ao Governo de Pernambuco. (Blog da Folha – Foto: Reprodução Facebook).

Após receber o aval da ex-senadora Marina Silva para concorrer ao Governo do Estado, neste ano, o ex-prefeito da cidade de Petrolina, Júlio Lóssio (Rede), partiu para o ataque contra o bloco de oposição ao governo Paulo Câmara (PSB). O grupo, que conta com figuras como os ministros Fernando Filho (sem partido) e Mendonça Filho (DEM), os senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB) e Armando Monteiro (PTB), além do deputado federal, ex-Ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), desenvolveu um movimento das oposições no estado, intitulado de “Pernambuco quer Mudar”.

"A verdadeira oposição ao projeto do PSB, que parece estar esgotado, está representada em nossa pré-candidatura, já que esses que agora se dizem oposição, na sua grande maioria, até pouco tempo mamavam nas tetas do PSB, ocupando cargos e usando a estrutura do partido", estocou o ex-prefeito Petrolinense e arque rival de Bezerra Coelho. Na visão Júlio, os nomes que integram o bloco fazem uma "pseudo-oposição, para se manterem onde estiveram nos últimos anos, ajudando a construir o que aí está".

No final do mês de janeiro, Lóssio comemorou o recente encontro com Marina Silva, em Brasília. Sua postulação objetiva construir um palanque para a ex-ministra. Mas, nos bastidores, comenta-se que ele ensaia a revanche contra a família Coelho. A candidatura dele tem animado o governo Paulo Câmara, por causa da expectativa de que Lóssio consiga tirar votos do senador Fernando Bezerra Coelho, já que eles dividem a mesma base eleitoral. Nos bastidores, Lóssio ensaia uma reaproximação com o Executivo estadual, que passaria pelo apoio à candidatura a deputado do seu filho - Júlio Lóssio Filho. 

Geraldo Julio: “Turma de Temer, une PT e PSB em Pernambuco”

Grupo a que se refere o Prefeito do Recife, é encabeçado pelos senadores Armando Monteiro 
(PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB). (JC Online - Foto: Andrea Rego Barros/PCR).

Em meio à indefinição sobre uma aliança entre petistas e socialistas, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, que é secretário-nacional do PSB, afirmou que vê motivo para uma aproximação entre o PT e o partido socialista em Pernambuco.

No debate da Rádio Jornal, na manhã desta segunda-feira (5),  ele afirmou que um grupo de políticos pernambucanos se articula na oposição ao governador Paulo Câmara (PSB) e no entorno do presidente Michel Temer (PMDB). Essa é a “turma do Temer”, segundo Geraldo. “O PT também não é da turma de Temer”, afirmou Geraldo. “Isso aproxima sim [o PT e o PSB]”, disse o prefeito socialista.

O grupo a que se refere o atual Prefeito da cidade do Recife, é composto pelos senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB), mais os ministros da Educação, Mendonça Filho (DEM), e Minas e Energia, Fernando Filho (sem partido), além do deputado federal Bruno Araújo (PSDB), ex-ministro das Cidades.

Candidato próprio - Questionado sobre as alianças no âmbito nacional, Geraldo disse que a estratégia dos socialistas ainda será definida. Sondado por pré-candidatos à Presidência como Ciro Gomes, Marina Silva e Lula, o PSB deve decidir se terá candidatura própria, se vai apoiar um candidato do PT ou se fará aliança com outra sigla de esquerda. “Conversamos com muitos partidos, pré-candidatos”, comentou Geraldo. Na sigla, há quem defenda uma candidatura de Joaquim Barbosa.

Em entrevista no Rádio, Marília dispara: “Vamos ganhar a eleição”

Vereadora do Recife vem se mostrando cada vez mais confiante, já que seu nome vem mostrando 
uma enorme evolução nas pesquisas eleitorais. (Daniel Leite - Foto: Felipe Ribeiro/Folha PE).

A vereadora do Recife, Marília Arraes, do Partido dos Trabalhadores (PT), está mais confiante do que nunca na sua candidatura ao Governo do Estado de Pernambuco, neste ano. Em entrevista à Rádio Folha 96,7 FM, nesta segunda-feira (05), afirmou que sua postulação tem mostrado viabilidade e não faz sentido “voltar atrás”. Além disso, colocou que acha difícil uma aliança entre PT e PSB, baseada na “troca de favores e cargos”. “Quem vai para os segundo turno somos nós do PT e vamos ganhar a eleição”, cravou.

Ao falar sobre a especulação em torno da aproximação entre o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e o PT, Marília destacou que “nenhuma liderança nunca assumiu essa posição de aliança com o PSB”. "Até porque o povo não aceita mais esse tipo de aliança. De opositores que se combatem todos os dias e de repente fazem uma conta de que é melhor para eleger A, B ou C, ou fazer uma composição em troca de favores e de cargos, e de repente saírem de mãos dadas se apoiando, arrumando justificativas políticas para se apoiar. Isso não funciona mais. Eu aposto que a gente precisa fazer política diferente. Por isso que entrei no PT e aceitei essa missão de ser candidata”, pontuou.

Questionada sobre as recentes manifestações de membros da oposição, que observam sua candidatura como a oportunidade para provocar o segundo turno, a petista se mostrou confiante de que irá vencer o pleito. “Se eles gostam ou não da nossa candidatura não faz diferença para a gente. Agora se estão achando que a nossa candidatura vai ajudar um deles a ir para o segundo turno estão muito enganados. Quem vai para os segundo turno somos nós do PT e vamos ganhar a eleição. É para isto que a candidatura está posta. Não é para provocar segundo turno. Não é para marcar posição”, garantiu.

Estrutura rompe em estação da Transposição do São Francisco

De acordo com moradores do local, rompimento aconteceu logo depois que o presidente Temer entregou 
a estação de bombeamento 2, do eixo Norte do Projeto. (G1 Petrolina – Foto: João dos Santos).

Uma estrutura das placas de concreto de uma das estações de bombeamento da Transposição do Rio São Francisco sofreu um rompimento em Cabrobó, no Sertão Pernambucano. A obra foi inaugurada na última sexta-feira (2) pelo presidente Michel Temer.

De acordo com informações dos moradores da região, o rompimento aconteceu logo depois que o presidente Temer entregou a estação de bombeamento 2, do eixo Norte do Projeto de Transposição do Rio São Francisco.

Em nota distribuída à imprensa, a Assessoria de Comunicação do Ministério da Integração Nacional, informou que uma equipe de engenharia responsável pela obra já está fazendo os reparos, mas não deu prazo para o conserto. A nota informou ainda que a movimentação das placas de concreto dos canais é uma ação que pode ocorrer durante os acionamentos das bombas, devido a força com que água é liberada.