sábado, 3 de fevereiro de 2018

Juiz do TRF-1 derruba decisão e autoriza Lula a reaver passaporte

Com a decisão, ex-presidente terá o documento de volta, ficando liberado novamente para 
sair do Brasil. (Renan Ramalho, G1, Brasília – Foto: Leonardo Benassatto/Reuters).

O juiz federal Bruno Apolinário, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), derrubou nesta sexta-feira (2) decisão da semana passada que mandou recolher o passaporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o proibiu de viajar ao exterior. Embora seja juiz federal, Apolinário está atuando como desembargador convocado no TRF.

Com a decisão, Lula terá o documento de volta e deixará a lista do Sistema Nacional de Procurados e Impedidos da Polícia Federal, ficando liberado novamente para sair do Brasil. O recolhimento do passaporte de Lula foi determinado no dia 25 de janeiro pelo juiz Ricardo Leite, um dos magistrados de primeira instância de Brasília que conduz investigação sobre suposta prática de tráfico de influência internacional pelo ex-presidente.

Na decisão que proibiu Lula de viajar, Ricardo Leite apontou risco de que um país estrangeiro concedesse asilo político ao petista, o que inviabilizaria um processo contra ele no Brasil, caso não fosse extraditado. A medida foi tomada após condenação do ex-presidente em outro processo, na segunda instância judicial de Porto Alegre, por corrupção e lavagem de dinheiro em outro processo, relativo ao caso do tríplex.

Em PE, Temer ouve elogios a Lula sobre obras no São Francisco

De Bezerra Coelho para Temer: "O senhor não veio a Cabrobó disputar
a paternidade de obra com ninguém". (Estadão Conteúdo – Fotos: Divulgação).

Cumprindo agenda na cidade de Cabrobó, aqui no estado de Pernambuco, o presidente Michel Temer (PMDB), ouviu uma série de elogios ao ex-presidente Lula (PT), pelo fato dele ter sido o responsável pelo início das obras do projeto de integração do Rio São Francisco. Em Cabrobó, Temer participou de evento que inaugurou a segunda estação de bombeamento do Eixo Norte da obra. Essa estação, de acordo com o governo Federal, vai reforçar o abastecimento a 9,2 mil habitantes do município.

Na cidade, o presidente iniciou discurso após a fala de outros políticos. "Eu quero agradecer ao presidente Lula, que iniciou essa obra", afirmou o prefeito de Cabrobó (PE), Marcílio Cavalcanti (MDB). O governador de Pernambuco em exercício, Raul Henry (MDB), também citou que foi Lula que iniciou a obra, mas exaltou o fato de Temer continuá-la. "O senhor, como estadista, deu continuidade a obra", disse.

Disputa pela paternidade – Em defesa do Temer, saiu o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB). "O senhor não veio a Cabrobó disputar a paternidade de obra com ninguém", afirmou. Bezerra, também defendeu a Reforma da Previdência e reforçou o discurso do governo que se ela não for feita os aposentados correm o risco de ficar sem o benefício. "Esse debate precisa ser enfrentado com serenidade de transparência. O Congresso reabre semana que vem e a agenda de reformas continua", disse.

Ministro da Integração nacional, Helder Barbalho, tentou minimizar a participação de Lula na obra dizendo que o "debate de paternidade é um debate pequeno". "Essa obra é do povo brasileiro, do povo nordestino. Ela é maior do que qualquer pessoa", comentou.

A obra - De acordo com o Governo Federal Brasileiro, com o funcionamento da nova estação, a água do Rio São Francisco será elevada a 58,5 metros de altura, o equivalente a um prédio de 19 andares. A expectativa, segundo o governo, é que até o final deste ano de 2018, mais de 7 milhões de pessoas dos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte recebam as águas do São Francisco.
.

Entrevista: Marília descarta governabilidade do PT junto ao PSB

“Muito difícil retirar uma candidatura do PT para apoiar a, b ou c, principalmente porque a base está ansiosa por candidatura do nosso campo político”, destaca ela. (Jamildo Melo – Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem).

Pré-candidata a governadora de Pernambuco pelo Partido dos Trabalhadores (PT), a vereadora do Recife Marília Arraes defendeu, em entrevista no programa Resenha Política que foi ao ar nesta sexta-feira (2), que o partido tenha nome próprio na disputa. Em meio à articulação nacional com o PSB, sigla com a qual ela rompeu em 2014, a parlamentar afirma ser inviável a aliança no Estado. "Muito difícil retirar uma candidatura do PT para apoiar a, b ou c, principalmente porque a base está ansiosa por candidatura do nosso campo político, que represente tudo que temos defendido e cada vez tem tomado força”, afirmou Marília. “Não vejo hoje como haver uma retirada dessa candidatura própria.”

Após ter a candidatura defendida por integrantes do grupo de oposição ao governador Paulo Câmara (PSB) que os socialistas chamam de “palanque de Michel Temer”, Marília Arraes afirma que não se importa com a avaliação do grupo.“Eu não estou colocando meu nome de forma alguma para provocar segundo turno. Nós estamos sendo candidatos para ir para o segundo turno. E as pesquisas mostram isso, a preocupação dos adversários mostra isso. Eles deveriam era se preocupar com o campo politico deles, decidir quem vai ser candidato, se vai ser um, se vão ser dois, enfim, cuidar da vida deles.”

    Abaixo, você confere a entrevista concedida pela pré-candidata ao Governo de Pernambuco, Marília Arras (PT), ao Programa Resenha Política.

Armando incentiva candidatura de Marília Arraes a governadora

Monteiro: “Tenho certeza que ela (candidata) vocalizaria nitidamente os setores 
do PT que fazem oposição”. (Giovanni Sandes - Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem).

O senador Armando Monteiro (PTB) ainda não sabe dizer quem será o candidato a governador da nova oposição, a que reúne seu partido ao DEM e PSDB aos Coelho de Petrolina. O grupo inclui o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) e a sua pretensão de ser candidato ao governo, como Armando. Apesar dessa indefinição no próprio palanque, Armando faz um gesto a favor de uma pré-candidatura a governadora da vereadora Marília Arraes (PT). “Eu gostaria muito de ver a candidatura dela consolidada”, enfatiza.

A oposição tenta levar a disputa deste ano para o segundo turno, o que seria possível com dois nomes de oposição ao governador Paulo Câmara (PSB). Com o PT em um palanque próprio isso seria possível. Mas a cúpula do partido petista no Estado sinaliza uma aliança com o PSB. Armando evita falar em segundo turno e diz que torce por Marília por sua postura crítica ao governo. “Tenho certeza que ela vocalizaria nitidamente os setores do PT que fazem oposição”, defende. Ele diz ainda que é comum, no primeiro turno, partidos se afirmarem através de linhas ideológicas e programáticas, como Marília faz.

Instrumento para o segundo turno - Dentro do PT, há quem diga em reserva que a pré-candidatura de Marília Arraes tem o apoio do bloco da oposição que reúne Armando e FBC como um instrumento para forçar um segundo turno. Até o pré-lançamento de Marília, sábado passado, seria “orquestrado” para ser no dia do ato da oposição em Petrolina.

“PE quer Mudar” pode ter 4 candidatos ao Senado e 2 ao Governo

Presidente da Alepe, Guilherme Uchôa (PDT), tem ironizado "que se a oposição estiver disposta realmente 
a ter duas chapas, um dos candidatos ao governo não vai ao segundo turno." (Coluna Pinga-fogo)

Há certo consenso na oposição de que o bloco está diante de uma dificuldade. Se o PT decidir por não ter candidatura própria e reatar com o PSB, os senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB), mais o deputado federal Bruno Araújo (PSDB) e os ministros Mendonça Filho (DEM) e Fernando Filho (sem partido), terão de se dividir em duas chapas. Escolher um candidato ao governo já é decisão difícil, imagina quatro nomes para o Senado. Na disputa 2018 estão em jogo duas vagas para a Casa Alta. E esse grupo da oposição precisaria ter quatro nomes para o Senado.

O presidente da Assembleia, Guilherme Uchôa, que atualmente integra os quadros do PDT, do Ciro Gomes, tem ironizado que se a oposição estiver disposta realmente a ter duas chapas, já sabe que um dos candidatos ao governo não vai ao segundo turno.

Dos quatro candidatos ao Senado, não se sabe se um será eleito. Mas certamente não cabem quatro. Até porque a meta da oposição é levar ao segundo turno a disputa contra o governador Paulo Câmara (PSB). É por isto que o grupo de Armando, Bezerra Coelho, Bruno, Fernando Filho e Mendonça torce pela candidatura da vereadora Recifense, Marília Arraes (PT): para evitar a dispersão do próprio palanque.

Ministro que condenou Dilma pegou propina de 1 milhão de reais

Em 2005, quando Nardes foi nomeado para o TCU, foi destruído um recibo que 
comprovava o pagamento da propina para não “prejudicar sua nomeação”. (Revista Fórum).

Augusto Nardes (foto acima), o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) responsável por condenar as contas de Dilma Rousseff e escancarar as portas para o processo de impeachment, foi acusado pelo ex-diretor da Petrobras Renato Duque, em delação premiada, de ter recebido R$ 1 milhão de reais entre os anos de 2011 e 2012 para não criar empecilhos em procedimentos contratuais de uma plataforma.

Em anexo que integra a proposta de acordo, segundo  publicou o Jornal Folha de São Paulo, Duque relata, apurou com algumas pessoas ligadas à investigação, que se reuniu com Nardes em um jantar na casa do ministro para acertar o pagamento. No encontro, chegaram ao montante de R$ 1 milhão de reais, que corresponderia a um percentual do contrato. Os valores, segundo o ex-diretor da Petrobras, foram repassados por Pedro Barusco, na época gerente de Serviços da estatal e braço direito de Duque.

Em 2005, quando Nardes foi nomeado para o TCU, foi destruído um recibo que comprovava o pagamento da propina para não “prejudicar sua nomeação”, segundo Corrêa. Esta é pelo menos a terceira vez que Duque tenta fazer um acordo de delação.