domingo, 14 de janeiro de 2018

São João de Luto. Morre o cantador e violeiro Jucélio Costa

Além de músico popular que era, cantor era ainda grande defensor da cultura brasileira. 
Jucélio, era primo de um dos agentes políticos mais influentes daquela cidade: Eraldo Pontes.

Registramos, com muito pesar, o falecimento, ocorrido no município de São João, na madrugada deste domingo, de Jucélio Costa: cantador e violeiro, filho de José Alves Pontes, o popular Zé Moreno e de Rosa Viana da Costa (a professora Zizi). Além de músico popular que era e grande defensor da cultura brasileira, Costa ainda foi durante um período, prestador de serviços à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBC – Correios), naquela cidade; onde deixou um grande número de amigos e admiradores.

Ao longo de sua trajetória na música, Jucélio protagonizou momentos de muita alegria com sua cantoria à população de São João e ainda à moradores de outras cidades pernambucanas; muitas delas, situadas aqui na região Agreste Meridional do Estado.

Jucélio, era primo de um dos agentes políticos mais influentes daquela cidade: Eraldo Pontes. O corpo dele está sendo velado na Rua Cícero José Rodrigues, casa de nº 22, no Parque Alvorada. Enlutada, as famílias Costa e Pontes, convidam os parentes e amigos, para o sepultamento do artista, marcado para ocorrer nesta segunda-feira (15), as 9 da manhã, no cemitério São José, em São João. Desde já, as famílias agradecem a todos que comparecerem a este ato de fé e união Cristã.

Quantos milhões, Izaías pedirá emprestado para infraestrutura?

Nos dois casos de financiamento, três secretarias em especial, estão mais envolvidas 
nessa contratação: a de Planejamento e Gestão, a de Infraestrutura e a de Obras e Serviços Públicos.

A pergunta caí como uma luva para o Prefeito Izaías, que recentemente já respondeu: “R$ 17”, sendo que desses, R$ 2 milhões serão contraídos junto ao Banco do Brasil S.A, para serem utilizados na melhoria da iluminação pública, nos serviços de instalação e substituição de braços de luz nos postes instalados na cidade, trocando lâmpadas a vapor, pelas de led; ao passo que o outro financiamento, o de R$ 15 milhões, que precisa da aprovação do senado para ser obtido através da Caixa Econômica, se encarregará de custear a execução de obras de pavimentação asfáltica e de calçamento, readequação de vias e ainda drenagem urbana. Em ambos os pleitos, o Governo Municipal remeteu projetos de Lei à Câmara de Garanhuns, e lá, as propostas do executivo local foram exaustivamente debatidas, sendo elas, em seguida, aprovadas no plenário da casa, por unanimidade.

Nos dois casos de financiamento, três secretarias em especial, estão mais envolvidas nessa contratação: a de Planejamento e Gestão, a de Infraestrutura e a de Obras e Serviços Públicos, que por sinal, durante as discussões que se sucederam na Câmara, enviaram seus respectivos secretários: Carlos Carvalho, José Gundes e Maia. Por parte do Legislativo local; os vereadores, com exceção de Tonho de Belo do Cal, do PSDB, são unânimes em assegurar que todo processo legal parlamentar necessário à aprovação das matérias, transcorreu de forma transparente e assertiva, algo, que destoa daquilo que vem sendo defendido pelo Movimento de Lutas por Políticas Públicas (MLPP), aqui de Garanhuns, que aliás, encaminhou comunicado oficial ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), afim de informar àquele órgão, os equívocos identificados na tramitação e aprovação dos “PL”.
.

Segundo o MLPP, dentre as falhas, que inviabilizam a liberação dos recursos nos dois casos de financiamentos, estão: pareceres jurídico, que ainda não estariam concluídos, falta de distinção, no que se refere a quantos metros de calçamento ou pavimentação, serão aplicados, e ainda quais ruas serão contempladas com os recursos advindos dos empréstimos, isso, através de um projeto executivo, e ainda o fato de que os PL, não teriam sido aprovados pelo COMPUR, Conselho Municipal de Políticas Urbanas.

Não fosse tudo isso, pesa ainda sobre os projetos do Executivo, o fato de, havendo possibilidade, a gestão local, abrir crédito suplementar, para daí então, obter esses subsídios através de sua própria receita corrente líquida, ainda que não tenha havido, ano passado, previsão e dotação orçamentária para tal. “Se eu peço R$ 17 milhões de reais em final de exercício, eu mostro que eu não planejei direito. Isso foi o que faltou a Prefeitura: planejamento. Tudo que o atual Governo prometeu de obra estruturadora a partir de 2013, ela não construiu nada”, destaca um dos integrantes do MLPP.

Outros dois movimentos sociais, são solidários ao debate mais profundo sobre o tema: o “Meu Garanhuns”, e o Ágora: Democracia Participativa”, que ouvidos por nossa redação asseguraram, que seus envolvimentos com relação aos empréstimos, está baseado na busca pela transparência e o bem estar da coletividade garanhuense.

ARY SAI EM DEFESA DO GOVERNO E DA CÂMARA
.

Escalado para falar sobre os Projetos de Lei, no âmbito do que cabe ao Poder Legislativo de Garanhuns, o vereador Ary Júnior do PTB, atual Presidente da Comissão de Finanças da casa, afirma, que no caso dos pareceres jurídicos, eles existem, e que podem ser obtidos a partir de um pedido formal, feito por qualquer cidadão ou mesmo movimento representativo junto a Câmara. Quanto a um projeto executivo para distinguir onde serão utilizados os recursos, o parlamentar alega que isso será feito, no momento que for solicitado pelos bancos, Caixa Econômica e do Brasil.

Para o caso de ser necessário a aprovação da matéria por parte do Conselho Municipal de Políticas Urbanas, Ary alega que o órgão, a época das tramitações das propostas, não estava em funcionamento, que está, inclusive neste mês de janeiro, sendo reestruturado, e que por isso, em razão de urgência as pautas foram admitidas. Por fim, sobre o Governo local usar recursos próprios para essas obras, ele destaca: “Se você pode economizar e ao mesmo tempo capitar recursos por meio de financiamento a juros baixos, penso que isso se apresenta como viável”.

Em algumas oportunidades em que falou à imprensa local, o Prefeito Izaías assegurou que a capacidade de endividamento do município bate a marca dos R$ 120 milhões de reais, portanto, em tese, não oferecendo maior risco de descontrole nas constas de gestão. Apesar disso, tal número, alegam os integrantes do MLPP, não foi devidamente comprovado por intermédio de documentos oficias nas reuniões na Câmara. Defende o MLPP, que a informação seja apresentada à população oficialmente, por intermédio daquilo que está apresentado nos relatórios, o primeiro: “Resumido de Execução Orçamentária”, e no segundo caso, no de “Gestão Fiscal”, finais do ano de 2017.
.

Nos dois projetos de Lei aprovados na Câmara Municipal de Garanhuns, os valores postulados, somam R$ 17 milhões de reais, mas há quem defenda, que outros milhões, serão pleiteados pelo Prefeito Izaías, em breve - que sobre a questão, foi taxativo ào Blog do Gidi Santos, recentemente: “Eu fui deputado em Pernambuco, e no meu período, no Governo de Eduardo Campos, nós autorizamos R$ 8,5 bilhões de reais de empréstimo, e Pernambuco não quebrou. Agora, o Governador quer mais R$ 600 milhões de reais, para pagar aos fornecedores, então isso é normal. Garanhuns não deve um centavo à ninguém”. [...] Eu terminei em maio de 2014, o Projeto Cura, que foi feito no Governo do ex-prefeito, Ivo Amaral em 79. Quem terminou de pagar fui eu. Nossa capacidade de endividamento é de até R$ 120 milhões de reais, nós estamos pedindo R$ 17”.

Ao Blog do Gidi Santos, apesar dos esclarecimentos feitos por parte do vereador Ary Júnior e do próprio Prefeito Izaías, integrantes dos movimentos mencionados relataram, que podem, se necessário, ajuizar ações, tanto no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), quanto no Tribunal de Justiça (TJPE), afim de barrar a forma como está sendo conduzido todo o processo que visa obtenção desses financiamentos.
.

Izaías ao receber FBC em Garanhuns: “Vamos ganhar as eleições”

Visita de Bezerra Coelho a cidade, teve um viés político, daí, aqui, ele
cumprir agenda para afirmar que é pré-candidato ao governo do estado este ano.

Ao receber o Senador Fernando Bezerra Coelho, do MDB, na última terça-feira, 9 de janeiro, em seu gabinete, no Palácio Celso Galvão, aqui em Garanhuns, o Prefeito Izaías falou ao Blog do Gidi Santos. Sobre o compromisso de FBC, selado naquela ocasião: “de colocar o seu gabinete a disposição do Prefeito”, Izaías vê com bons olhos essa nova posição do congressista. Régis acredita na “promessa” de Bezerra: “de liberar recursos parlamentar entre os meses de março e abril deste ano”.

A visita de Fernando Bezerra Coelho a Garanhuns teve um viés político, daí, aqui na cidade, ele cumprir agenda basicamente para assegurar duas coisas, a primeira, que seu gabinete ajudará o Prefeito Izaías a obter recursos, e a segunda, (algo que a maioria já sabe) que ele é pré-candidato ao governo do Estado este ano.

Diante de tudo que foi dito na terça, duas falas, em especial chamaram mais atenção. A Primeira do senador, que lembrou ao grupo do Prefeito Izaías, que o ex-Governador Eduardo Campos, eleito para seu primeiro mandato em 2006, iniciou sua caminhada ao Palácio do Campo das Princesas com o apoio de apenas sete Prefeitos, o “Pernambuco quer Mudar já conta com 45, no seu começo”, frisou Coelho.

A segunda e também bastante incisiva, partiu do Prefeito Izaías, que indagado pelo Blog do Gidi Santos, se estaria motivado com a formação do bloco oposicionista "Pernambuco quer Mudar", se saiu com essa frase: “Vamos ganhar as eleições”.

                  Confira:

De Bezerra Coelho para Izaías: “Nosso gabinete está a disposição”

Em três anos de mandato como senador, (2015 a 2017) Fernando Bezerra não destinou nenhuma
ordem de recursos ào município de Garanhuns. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil).

O Senador pernambucano pelo MDB, Fernando Bezerra Coelho, antes integrante da Frente Popular de Pernambuco, cuja liderança é exercida pelo atual governador Paulo Câmara, cumpriu agenda política aqui em Garanhuns, na última segunda e terça-feira, 8 e 9 de janeiro. Além de reuniões políticas, o congressista veio ao município garanhuense em busca de sugestões que possam colaborar para a construção do projeto das oposições aqui no estado, intitulado de "Pernambuco quer Mudar".

Além de Bezerra Coelho, outros líderes políticos pernambucanos integram esse movimento, que surge com bastante musculatura junto ao municípios, já que por hora, o “Pernambuco quer Mudar”, conta com o apoio de 45 Prefeitos, sendo que novas adesões vem ocorrendo. Integram o coletivo, além de Bezerra, os ministros Fernando Filho (Minas e Energia - sem partido) e Mendonça Filho (Educação - DEM), deputado Federal e ex-ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), o Senador Armando Monteiro, do PTB, os ex-Governadores, Joaquim Francisco e João Lyra Neto, dentre outros.

Para se ter uma ideia de como o movimento surge forte; a largada que culminou na vitória, no caso do primeiro mandato, 2006, conquistado pelo falecido ex-Governador Eduardo Campos, o grupo naquele caso, contava apenas com sete Prefeitos, ou seja, quase sete vezes menos o que se tem hoje no chamado “bloco oposicionista”.
.

Em Garanhuns, FBC reafirmou sua posição: “de estar no lado das oposições” a partir deste ano, para criar uma via alternativa a atual gestão estadual do PSB, que já se prolonga por 12 anos, a contar pelos dois governos exercidos por Eduardo, e agora, um (quatro anos), prestes a ser concluído por Paulo Câmara. Na terça-feira (9), ao falar a imprensa de Garanhuns, o senador colocou seu gabinete no Senado a disposição do Prefeito Izaías para ajudar na viabilização de recursos para o município.

Pela manhã, Bezerra Coelho foi recebido pelo Prefeito no Palácio Celso Galvão, sede do Governo de Garanhuns, e lá, ele aproveitou a oportunidade para se referir ao chefe do executivo municipal como “o maior líder político vivo em atuação, na região Agreste Meridional”. Régis, em contrapartida destacou: “O senador Fernando Bezerra, antes de ser ano eleitoral, ou de qualquer coisa, ele é um parlamentar, que eu tenho um respeito muito grande, sempre tive; e eu com certeza vou precisar dele, como preciso de todos que foram eleitos para servir a Pernambuco”.
.


Alvo de diversas denúncias, uma delas oferecida ao Supremo Tribunal Federal, pelo à época, 2017, Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, que investiga a suposta prática de corrupção passiva e lavagem de dinheiro com base nas delações premiadas de executivos da Construtora Odebrecht, que ligam seu nome, segundo a acusação, ao recebimento de ao menos, R$ 41,5 milhões de reais em propina, de dinheiro desviado da Petrobras através de contratos com as construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa para as obras de construção da refinaria de Abreu e Lima, Bezerra disse ao Blog do Gidi Santos, na última terça, que tal denúncia, ou mesmo as investigações em curso, não atrapalharão sua pré-candidatura ao Governo do Estado. “Eu tenho a consciência tranquila. Tenho 34 anos de vida pública, e nunca tive nenhuma condenação. Ao final de todos os processos de investigação, essas denúncias não prosperarão”, cravou Coelho.

Sobre seus três anos no exercício do mandato de Senador, vale dizer, FBC não destinou nenhum recurso à Garanhuns, ainda que tenha tido aqui em 2014, 45,22% dos votos válidos registrados naquela eleição, o que em números reais, significam 23.542 votos.

Na terça, conversamos com o senador. Abaixo, você confere trecho da entrevista, concedida por FBC ao Blog do Gidi Santos.