terça-feira, 30 de outubro de 2018

Garanhuns: MP recomenda investigação no abastecimento d’água

Recomendação, foi motivada em razão de um
surto de doenças identificado na cidade. (MPPE).

A existência de surto de doenças transmitidas pela água que acometeu o município de Garanhuns levou o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), instalado aqui na cidade, a expedir recomendações à Prefeitura local, à Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), à V Gerência Regional de Saúde (Geres), e ainda à Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) para que tomem providências visando investigar e sanar o problema de saúde gerado pelo abastecimento de água no município.

Até agora são 71 pessoas doentes no município, de acordo com o Informe Epidemiológico de Surtos de Doenças Transmitidas por Água/Alimentos. A investigação laboratorial na água para consumo humano acusou a presença de Escherichia coli, grupo de bactérias que pode causar infecção intestinal, o que implica na ausência de potabilidade da água. Assim, se faz necessário realizar investigação de campo, identificando a magnitude do surto, as formas de abastecimento da água, existência ou não de tratamento, tipos e condições de higiene no armazenamento da água ou dos reservatórios.

Assim, segundo esclarece o Ministério Público de Pernambuco, cabe à Secretaria Municipal de Saúde adotar imediatamente medidas cautelares, tal como interdição do sistema de abastecimento do qual proveniente o surto, a fim de afastar o risco de contaminação da água e a ocorrência de novos casos de doenças de veiculação hídrica.

“É preciso ainda coletar novas amostras, nos locais onde ocorreram o surto, para identificar a origem e responsabilidade pela contaminação. Hospitais, escolas, creches, postos de saúde, Unidades de Saúde da Família devem ser orientados a realizar uma imediata limpeza e desinfecção dos reservatórios, cisternas e caixas d'água, após as novas coletas”, advertiu o promotor de Justiça Domingos Sávio Agra.

A Compesa deve informar os responsáveis por poços, chafarizes e carros-pipa sobre o surto, bem como, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, realizar a análise microbiológica completa para identificar os micro-organismos responsáveis pelo surto.

A Geres precisa encaminhar aos responsáveis pelo abastecimento de água quaisquer informações referentes à investigação do surto relacionado à qualidade da água, além de executar ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano.

A Apevisa terá que fazer um monitoramento sistemático da qualidade da água em escolas, hospitais, creches, asilos, encaminhando ao MPPE um relatório mensal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário