sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Ciro diz que o PT perdeu a condição política de enfrentar Bolsonaro

A dois dias do pleito, candidato assegurou que a  “cultura de ódio petista e antipetista 
vai levar o Brasil para uma tragédia”. (JC Onine – Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem).

Estagnado nas pesquisas, com cerca de 11% dos votos, o candidato a presidente da República Ciro Gomes (PDT) disse que o PT perdeu condições políticas de enfrentar a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). "Tenho fé em Deus que vou virar esse jogo, proteger o povo brasileiro da radicalização que o Bolsonaro representa, pois o PT perdeu a condição política de enfrentar isso. As pesquisas dão a mim essa responsabilidade como único candidato que pode derrotar o Bolsonaro", disse o ex-governador do Ceará em entrevista à Rádio Jornal Petrolina, na manhã desta sexta-feira (5).

Ciro cumpriu agenda no Rio de Janeiro nesta manhã, seguindo para o Estado de Minas Gerais, logo em seguida. "Estive na Rocinha, e estou saindo para visitar duas cidades de Minas Gerais, a coisa está virando com muita força lá e preciso dar um reforço para garantir que o Brasil não caia num precipício do fascismo e da derrocada da democracia brasileira", afirmou ele a jornalistas que cobriam sua agenda.

Ciro aparece em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. No levantamento mais recente, Jair Bolsonaro, manteve a tendência de crescimento e chegou a 35% ampliando a vantagem sobre o segundo colocado, o petista Fernando Haddad, apontado por 22% dos eleitores. Os índices foram divulgados na noite dessa quinta-feira pelo Instituto DataFolha. Nesse mais novo levantamento, ele aparece logo em seguida com 11% da preferência dos 10.178 eleitores entrevistados.

CIRO DIZ TER O MELHOR PROJETO - "Faz quatro anos que o Brasil está parado, a economia destruída e o povo pagando o preço amargo do desemprego, da informalidade, direitos sociais ameaçados e minha responsabilidade é ajudar o povo brasileiro a se proteger disso. Sou respeitado por todas as forças políticas, tenho conhecimento, ficha limpa, fui governador, conheço lideranças e dialogo com todas elas. Mas a cultura de ódio petista e antipetista vai levar o Brasil para uma tragédia", disse o ex-ministro da Fazenda.

Ciro foi prefeito, governador, deputado e ministro duas vezes. Ocupou a pasta de Fazenda em 1994 (sob a Presidência de Itamar Franco), no primeiro ano de aplicação do Plano Real contra a hiperinflação, e ministro da Integração Nacional de Lula, de 2003 a 2006. Em sua entrevista ele ressaltou a experiência e fez um aceno ao Nordeste, região de onde ele é natural. "Sou o único candidato nordestino e o único que pode proteger o Nordeste. Tenho plano de dobrar o valor do Bolsa Família ainda no meu governo e transformar num programa definitivo de renda mínima. Conheço a importância do gesso em Pernambuco, da transnordestina, da irrigação no São Francisco", pontuou.

O candidato ainda colocou que a campanha deste ano foi marcada por poucas proposta e que o Brasil migra para a mesma "radicalização de ódio que derrubou a Dilma, que botou o Michel Temer e criou a maior crise do País". Questionado sobre quem vai apoiar no segundo turno, caso fique de fora, ele disse que ainda acredita. "Vou lutar, é preciso acreditar que é possível, tenho que lutar para proteger o País do precipício. Tenho melhor projeto, só eu posso salvar o Brasil de cair na mão de um radical de direita que não tem apreço pela pobreza quer entregar riqueza para a cobiça internacional", concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário