terça-feira, 23 de outubro de 2018

Bolsonaro pede desculpas em nome do filho e diz que já o advertiu

Candidato do PSL reconheceu que as declarações do filho Eduardo não caíram. Na TV, ele pediu que 
o judiciário releve e dê como encerrada a questão. (Diário de Pernambuco/Agência Estado).

Após a repercussão negativa com a divulgação do vídeo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), sobre a hipótese de fechar o Supremo Tribunal Federa (STF), o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, reconheceu na noite desta segunda-feira (22) que o filho cometeu um grande erro. Em rede de televisão, ele falou desculpando-se pelo episódio, que causou transtornos com o judiciário.

"Isso ocorreu há quatro meses, eu não tinha conhecimento. Ele diz que respondeu a uma pergunta sem pé nem cabeça, até houve a palavra brincadeira no meio daquilo. Conversei com ele, ele reconheceu o seu erro, pediu desculpas. Eu também, em nome dele, peço desculpas ao Poder Judiciário. Não foi a intenção dele atacar quem quer que seja. E eu espero que, como todos nós podemos errar, que os nossos irmãos do Poder Judiciário deem por encerrada essa questão. — disse.

O candidato à Presidência do PSL também enviou ontem uma carta ao ministro do STF Celso de Mello após o magistrado classificar como “inconsequente e golpista” as declarações do filho do candidato, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). No texto enviado ao decano, o presidenciável afirma que o Supremo Tribunal Federal Brasileiro (STF), é o “guardião da Constituição” e que “todos temos de prestigiar a Corte”.

Na carta, Bolsonaro fala ainda em “angústias” e “ameaças” sofridas durante a campanha das eleições 2018. “Quero, por escrito, deixar claro que manifestações mais emocionais, ocorridas nestes últimos tempos, se mostram fruto da angústia e das ameaças sofridas neste processo eleitoral.”

Mais cedo, em entrevista ao SBT, ele disse que conversou com seu filho. “Já adverti o garoto”, disse o candidato sobre o filho, que tem 34 anos. “A responsabilidade é dele. Ele já se desculpou. Isso aconteceu há quatro meses. Ele aceitou responder a uma pergunta sem pé nem cabeça, e resolveu levar para o lado desse absurdo aí”, disse o candidato. “Temos todo o respeito com os demais poderes, e o Judiciário obviamente é importante.” 

Bolsonaro afirmou que a advertência ao filho “foi até pesada”. “Ele já assumiu a responsabilidade, repito, e se desculpou. No que depender de nós, é uma página virada na história”, disse ele, que, assim como seu vice, Hamilton Mourão, lembrou que o PT já adotou discurso similar. “Por outro lado, o Wadih Damous falou de forma consciente em fechar o Supremo, e não teve essa repercussão toda. O garoto errou, foi advertido, vamos tocar o barco”, continuou, referindo-se a uma fala do deputado do PT, em abril. Na ocasião, Damous criticava a atuação da Corte no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando disse ser preciso “fechar o Supremo Tribunal Federal” e “enquadrar essa turma”, em referencia aos ministros. 

Damous rechaçou ontem a comparação. Ele afirma que sugeriu uma mudança na Constituição para tornar o Supremo exclusivamente constitucional, sem o processamento de ações penais, enquanto Bolsonaro adotou um tom “retaliatório”. “Dentro de uma discussão constitucional, sugeri que o Supremo fosse substituído por um tribunal constitucional. Esse debate vem desde a Constituinte.” Para Damous, as duas falas são “incomparáveis”. “Propus um debate de reorganização constitucional em relação ao STF”, disse ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário