sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Milton Coelho: “Há 100 policiais fantasmas, mas ninguém investiga”

Denúncia de ex-secretário de Administração de Paulo Câmara, foi feita no mesmo dia em que 
Polícia Civil anunciou que ele foi indiciado pelo crime de peculato (desvio de dinheiro público). JC Online)

O ex-secretário estadual de Administração e candidato a deputado federal Milton Coelho (PSB) denunciou ao Ronda JC que, desde 2016, encaminhou à Secretaria de Defesa Social (SDS) uma lista de mais de 100 policiais “fantasmas” para que o caso fosse investigado. No entanto, segundo ele, até hoje a investigação não avançou.

“Quando eu era secretário, recebi da Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco a relação com os nomes dos policiais fantasmas e encaminhei para que as medidas cabíveis fossem tomadas, mas a polícia não investigou”, afirmou Coelho.

São denominadas como funcionários fantasmas aquelas pessoas contratadas por um órgão público, e que, na prática, recebem salários mas não exercem as funções.

A denúncia foi feita no mesmo dia em que a Polícia Civil de Pernambuco anunciou que o ex-secretário foi indiciado pelo crime de peculato (desvio de dinheiro público). Segundo a delegada Patrícia Domingos, titular da Delegacia de Polícia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos, Milton mantinha três funcionários fantasmas no gabinete. Os suspeitos também foram indiciados. O inquérito, concluído na semana passada, já está no Ministério Público e venho ao conhecimento geral no dia de ontem, quinta-feira (20).

Milton Coelho negou as acusações. “Quero que ela (a delegada) apresente uma prova de que cometi algum crime. Não cabe ao secretário conferir ponto de ninguém. Tenho 32 anos de serviços públicos, e nunca respondi a nenhum processo. A delegada está agindo sob motivação política. Agora, por que ela não investigou os policiais fantasmas?”, disse ele.

Coelho exerceu a função de secretário entre dezembro de 2015 e abril deste ano, na gestão do atual governador Paulo Câmara (PSB), que disputa a reeleição. Ele deixou a pasta para se candidatar a uma vaga de deputado federal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário