segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Pimentel: "Se eleito, Haddad libertará Lula no 1º dia de governo"

PT não se manifestou sobre as declarações do Governador de Minas. Partido tem adotado o discurso 
de que espera o resultado de ações em cortes superiores para a libertação de Lula. (Uol – Belo Horizonte).

O governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT), candidato à reeleição, afirmou no último sábado (15), durante ato de campanha, em Teófilo Otoni, município distante 447 Km de Belo Horizonte, ter "certeza" de que, caso seja eleito presidente da República em outubro, o candidato petista Fernando Haddad, no primeiro dia de governo, vai indultar e tirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão. "Eu tenho certeza que, eleito, o [Fernando] Haddad irá assinar no seu primeiro dia de governo um indulto para o presidente Lula", disse Pimentel. "Ele [Haddad] irá tirá-lo desta prisão injusta e arbitrária."

O Partido dos Trabalhadores não se manifestou sobre o tema, ou mesmo a manifestação de Pimentel. O partido tem adotado o discurso de que espera o resultado de ações em cortes superiores para a libertação de Lula, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento tríplex em Guarujá (SP). O ex-presidente está preso desde abril na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Haddad e Gleisi dizem que Lula não quer indulto - Haddad tem dito que o ex-presidente não quer o indulto. Em entrevista ao programa "Canal Livre", da "Band", em 19 de agosto, antes, portanto, de ser confirmado como substituto de Lula nas eleições de outubro, o ex-prefeito de São Paulo reforçou este discurso. "Quando falaram em indulto, ele próprio (Lula) veio a público, por escrito, dizendo que não troca a dignidade pela liberdade, ou seja, que ele vai lutar até as últimas consequências pela sua absolvição. Ele está convicto de que não fez nada errado", declarou o agora candidato do PT à Presidência.

Já neste domingo (16), em entrevista a jornalistas pouco antes de iniciar uma atividade de campanha na avenida Paulista, em São Paulo, Haddad voltou a dizer que Lula, na ocasião do pedido de registro de sua candidatura, "pediu para que seu processo fosse julgado com imparcialidade". O UOL, responsável pela matéria, tentou entrar em contato com o PT neste domingo, mas as ligações telefônicas não foram atendidas.

Em maio, a presidente da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PT), também declarou que Lula era contrário à possibilidade de indulto. "Hoje ele me disse claramente: 'Tem que parar de falar em indulto para mim. Eu não aceito indulto. Eu sou inocente, quero provar minha inocência'", relatou a parlamentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário