quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Fernando Henrique anuncia voto em Haddad no segundo turno

Ideia de FHC junto aos tucanos do PSDB, é barrar a ascensão de Bolsonaro, 
a quem ele considera um risco à democracia Brasileira. (El País).

Dois dos principais líderes do PSDB no Brasil, o ex-presidente Fernando Henrique e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, admitiram abertamente esta semana que o petista Fernando Haddad está praticamente assegurado no segundo turno da eleição.

Fernando Henrique foi ainda mais longe em suas posições políticas e questionado se apoiaria Jair Bolsonaro na fase decisiva da eleição não titubeou: no caso de um confronto entre o candidato do PT e o do PSL, ficará ao lado do ex-ministro de Lula.

Antes dessas revelações de FHC e Geraldo, o senador Tasso Jereissati, outra liderança importante do PSDB, fez uma autocrítica do partido, admitindo que os tucanos erraram ao não aceitar a derrota eleitoral para Dilma Rousseff, em 2014.

Jereissati não mantém um bom relacionamento com o senador Aécio Neves e esse reconhecimento do erro do partido é também uma crítica ao político mineiro, que conduziu o tucanato a uma oposição irresponsável ao Governo Federal, esteve na linha de frente do golpe parlamentar de 2016 e levou o partido a embarcar na “barca furada” de Michel Temer.

Quando o PSDB foi criado, de uma dissidência do PMDB, tinha bons quadros, como Mário Covas, Cristina Tavares, Geraldo Alckmin e o próprio Fernando Henrique, o único do partido que conseguiu vencer uma (na verdade duas) eleição presidencial.

Depois o partido deu uma guinada à direita, com José Serra e se misturou com o lado podre da política ao seguir os caminhos ditados por Aécio. Caso PSDB e PT se juntem pela primeira vez, no segundo turno da eleição de 2018, será um fato importante para o Brasil.

As duas agremiações partidárias unidas podem evitar a tragédia que seria a eleição de um extremista de direita, colaborar com a governabilidade no futuro e tirar o Brasil da crise política e econômica que já dura cinco anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário