quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Recife: Álvaro Porto alerta para aumento de ataques a bancos

Na avaliação do deputado, governo e governador não conseguem formular nem mesmo 
declarações aceitáveis sobre o assunto. (Fotos: Flávio Japa / Gráficos: Sindicato dos Bancários).

O crescimento dos ataques às instituições financeiras nos últimos dois meses em Pernambuco foi apontado pelo deputado Álvaro Porto (PTB), em discurso na última segunda-feira (06) na Assembleia Legislativa, como a confirmação da falta de comando do governador Paulo Câmara (PSB) sobre o estado. De quebra, o parlamentar fez um contraponto ressaltando a ênfase que Armando Monteiro (PTB) deu “à recuperação da autoridade de Pernambuco” no discurso proferido no último sábado (04.08) durante a convenção que homologou a candidatura do senador ao governo do estado.

Balanços de junho e julho deste ano, em comparação com os mesmos meses no ano passado, mostram que a linha das ocorrências dos ataques é ascendente. Em junho de 2017 foram registrados 11 casos contra 21 em junho de 2018. Já em julho do ano passado foram verificados 22 episódios contra 28 neste ano. Os números informados por Porto na Alepe na segunda, são do Sindicato dos Bancários de Pernambuco.

Ao longo de 2018, de acordo com a entidade, foram registradas, até agora, 125 casos, incluindo explosões, arrombamentos, sequestros, estelionatos e tentativas de roubo às instituições financeiras. Faltando ainda cinco meses para encerrar o ano, o número já se aproxima do total de ocorrências de 2017, que foi de 185 casos. 

“Esta realidade, senhoras e senhores, só reafirma o que já falamos inúmeras vezes: Pernambuco paga caro por ter um governador sem pulso, sem capacidade de comandar, sem autoridade”, disse. "A cada três ou quatro meses, o governo se mobiliza, anuncia medidas, faz propaganda na TV para tentar criar uma imagem de que tem algum controle sobre a segurança pública, mas não tem. E não tem porque falta a este governo a competência para até mesmo inibir os criminosos. Não tem porque falta a este governador a capacidade de chamar para si a responsabilidade e de assumir o compromisso de fazer valer a força do Estado sobre a bandidagem”, arrematou.
.

Em seguida, Porto frisou que sobre o aspecto da inexistência de pulso, o Estado, felizmente, pode começar a ter esperança. “Tem gente com autoridade chegando. O senador Armando Monteiro já deixou bem claro como vai tratar esta questão quando assumir o governo do estado em 1º de janeiro. Ele deu o recado na convenção. Abre aspas: "Nós vamos restaurar a autoridade em Pernambuco. Não vamos nos esconder atrás do balcão. Não estou fazendo promessa, estou dando um aviso: os bandidos não terão vida fácil". 

Na avaliação do deputado, que representa a Região Agreste Meridional, governo e o governador não conseguem formular nem mesmo declarações aceitáveis sobre o assunto. “Impossível não recordar o deboche do secretário estadual de Planejamento, Márcio Stefani, ao afirmar que já foi assaltado em Paris, mas nunca no Recife. Também não há como deixar de lembrar que o próprio governador adjetivou a escalada da violência no estado como ‘desconfortável’. Isso tudo partindo de um governo que bateu, em 2017, o recorde do ano mais violento da história, com mais de 5.500 mil homicídios”, disse .

Ainda em seu pronunciamento na Alepe, Porto afirmou que não é mais possível continuar a viver num Estado em que 75 dos 185 municípios têm suas agências bancárias atacadas por bandidos em sete meses. "Esta situação alarma cidades inteiras, deixando a população refém do medo e órfã de serviços bancários. Sabemos das dificuldades que enfrentam as populações de cidades que estão com os bancos fechados. Além de conviverem com o pavor, as pessoas, muitos aposentadas, estão sendo obrigadas a se deslocar para outras cidades, para realizar transações bancárias, gastando com transporte e se arriscando em estradas em péssimas condições de tráfego", diz.

De acordo com o balanço do Sindicato, o Agreste registra 54 ocorrências em 2018, o maior número entre todas as regiões do Estado. O Sertão já  soma 29 ocorrências, a Região Metropolitana totaliza 28 e a Mata, 14. No balanço estadual, dos 125 casos registrados até agora, 49 foram de explosões. O total de arrombamentos chega 38 e o de assaltos, vai a 24. Por sua vez, a soma de estelionatos é de 11.

“Os números mostram que o Governo continua a sofrer com a falta de comando e a consequente incapacidade de buscar soluções efetivas na área de segurança. A atual gestão, queiram ou não queiram os juízes, chega a reta final marcada por esta deficiência. Felizmente, 2019 está se aproximando", encerrou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário