quarta-feira, 1 de agosto de 2018

FIG: Deputado pede suspensão no pagamento de Johnny Hooker

Segundo André Ferreira, que discursou nesta quarta (1), Na Alepe, Hooker ofendeu aqueles 
que professam a fé cristã, ao afirmar que Cristo seria “travesti” “bicha”. (Jamildo Melo - Foto: Divulgação)

O deputado estadual e presidente aqui no Estado do PSC, André Ferreira (foto acima), usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta quarta-feira (1), para anunciar que deu entrada no Ministério Público de Pernambuco em uma ação contra o Governo do Estado para que ele suspenda o pagamento do cachê do artista Johnny Hooker, que se apresentou no último dia 27 de julho aqui na cidade, dentro da programação oficial do 28ª Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). O parlamentar também solicitou da Fundarpe, além da suspensão do pagamento, a cópia integral do processo administrativo de contratação do artista pernambucano, para essa edição do evento.

O documento apresentado pelo deputado argumenta que “o cantor agrediu as pessoas e grupos religiosos que se colocaram contra a encenação da peça, com palavras chulas e incitação ao ódio”, durante a sua apresentação no Festival de Inverno de Garanhuns, citando a polêmica envolvendo a peça O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu. Durante o seu discurso, André condenou o fato de a Secretaria de Cultura ter tentado politizar o tema, ao desferir críticas ao prefeito de Garanhuns. “Fico muito triste quando um secretário tenta levar isso para o lado político. Não é o lado político, senhor Marcelino Granja. O senhor tem que nos respeitar, nós que somos cristãos”, afirmou.

O parlamentar pernambucano acrescentou ainda, que se o governador Paulo Câmara (PSB), não concorda com o que foi apresentando no festival, ele “pecou por omissão”. Em seu discurso, o deputado disse considerar uma afronta aos cristãos a manifestação do cantor. “Quando defendemos a nossa fé somos tachados de fundamentalistas, mas quando um artista chama Jesus de “bicha” é arte. Isso é um absurdo.”
.

Entre as atrações contratadas estava a peça teatral O Evangelho Segundo Jesus, Rainha dos Céus, cuja qual, Cristo era protagonizado como sendo um transsexual. Em meio a uma série de liminares ora proibindo, ora autorizando a encenação, o cantor aproveitou o show no palco principal do evento para atacar grupos religiosos, chegando a classificá-los de “fundamentalistas”. Além disso, na mesma oportunidade, o cantor Johnny Hooker puxou o coro “Hiii, Hiii, Hiii, Jesus é travesti”, para em seguida, afirmar: “Eu estou aqui hoje para dizer que Jesus é travesti, sim! Jesus é transexual, sim! Jesus é bicha, sim!”.

“A repercussão promovida pelo artista Johnny Hooker, com atos de protesto, custeados com recursos públicos, merecem repreensão, representação, como ainda medidas administrativas e judiciais, para preservar o erário público. Não é tolerável que o povo de Pernambuco pague para ser agredido!!!”, colocou André Ferreira. “O artista deveria colocar as suas posições em modo privado, e não em um evento custeado com dinheiro público”, disse André ainda na Alepe, visivelmente indignado.

O deputado também cobra do Governo do Estado a apuração a conduta do contratado. “A instauração de processo administrativo se destina a apurar as condutas do contratado e, ao final, rescindir a respectiva contratação por culpa do contratado pela prática de falta de decoro, incitação ao ódio, perturbação da paz social e agressão à honra e à dignidade de grupos religiosos”, afirma André, em sua representação.

O pedido tem base na Lei da Ação Civil Pública, que disciplina, no seu artigo primeiro, que “regem-se pelas disposições desta Lei, sem prejuízo da ação popular, as ações de responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados: (…) à honra e à dignidade de grupos raciais, étnicos ou religiosos”.
.

Aliado de Câmara fica do lado dos Cristãos – Em que pese o deputado estadual André Ferreira (PSC) se insurgir em vistas ao Governo do Estado de Pernambuco não proceder com o pagamento ao cantor Johnny Hooker, pelo show realizado aqui em Garanhuns no 28º FIG, o ex-vereador Sivaldo Albino (PSB), aliado do Governador Paulo câmara aqui na cidade, que disputará uma vaga de deputado estadual, também atua para que Hooker seja penalizado por suas manifestações hostis.

Albino, que ainda não havia se pronunciado, sobre todas essas polêmicas envolvendo o FIG, e que chegou a ser ironizado nas redes sociais, por afirmar que o Festival seria um evento a “custo zero”, para os garanhuenses e pernambucanos de forma geral, recomendou a Fundarpe/Secult, que além de Johnny (R$ 35 mil), Daniela Mercury (R$ 150 mil), não receba o cachê de seu show, já que de acordo com Albino, ambos teriam quebrado a finalidade de seus contratos, partindo para manifestações e ataques hostis a população garanhuense e aos cristãos espalhados por todo o Brasil.

Em comunicado distribuído a imprensa na noite da última terça-feira, 31 de julho, Sivaldo informa que para o caso de não ser acatada sua recomendação, uma ação impetrada por ele, a exemplo de André, também no Ministério Público, poderá obrigar o Governo do Estado, a não proceder com o pagamento dos artistas. “O FIG é maior que a polêmica deste ano; maior que interesses políticos e precisamos sempre defender o seu crescimento”, destacou Albino no comunicado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário