segunda-feira, 16 de julho de 2018

Praça da Palavra receberá lançamento de livro de Júnior Almeida

Novo trabalho do escritor, que será lançado durante o FIG 2018,
é intitulado de “Lampião, o Cangaço e Outros Fatos no Agreste de Pernambuco”.

No próximo dia 21 de julho, o pólo Praça da Palavra do FIG, instalado na Praça da Fonte Luminosa, receberá o lançamento do livro “Lampião, o Cangaço e Outros Fatos no Agreste Pernambucano”, do escritor Júnior Almeida. O momento, marcado para as 16 horas, será aberto ao público. No livro, o autor discorre sobre fatos ainda inéditos na região, dentro da literatura especializada na saga cangaceira.

Em seu mais novo livro, o escritor aborda o tema do cangaço, deixando de lado a ficção, para apresentar um trabalho de uma minuciosa pesquisa de campo, realizada junto a livros, jornais e documentários, mostrando como o cangaço esteve presente em algumas cidades do Agreste Meridional, na primeira metade do Século XX.

O livro, na prática, trata de registrar as ligações de coiteiros, volantes e cangaceiros com o Agreste Meridional, nas cidades de Águas Belas, Garanhuns, Angelim, Capoeiras, São Bento do Una, Caetés, Canhotinho e Paranatama. Além disso, ele ainda menciona a passagem de Lampião e outros bandoleiros por algumas dessas cidades.

Um dos personagens que chama a atenção no trabalho, é José Caetano, militar combatente do cangaço, que lutou contra as forças de Antônio Silvino, Sinhô Pereira e Lampião. O destemido volante morou em várias cidades de Pernambuco e terminou a vida em Angelim, a pouco mais de 20 km de Garanhuns, onde está sepultado.

Dona Branca, de Paranatama, que viveu até os 103 anos de idade, foi entrevistada mais de uma vez pelo autor do livro. Ela contou histórias intrigantes da passagem de Lampião pela cidade, anos antes do seu bando se assassinado pela volante (1938).

Capitão Virgulino Ferreira passou uma das maiores humilhações de sua vida no ataque a Paranatama, que à época se chamava Serrinha: sua companheira, Maria Bonita, levou um tiro na bunda e os cangaceiros tiveram de fugir a pressas, levando a mulher nos braços. Lampião saiu cheio de ódio a Serrinha e prometeu voltar um dia para incendiar a vila e matar todo mundo que morava no lugar. Se ele cumpriu sua promessa, você descobrirá lendo: “Lampião, o Cangaço e Outros Fatos no Agreste de Pernambuco”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário