sábado, 28 de julho de 2018

Peça com Jesus travesti é apresentada em Garanhuns sob tensão

Logo após a primeira apresentação, organizadores da peça receberam cópia de um novo 
mandado determinando a suspensão do espetáculo da grade do FIG. (JC Online – Foto: Bruno Albertim).

Depois de convidado, cancelado e reintegrado de última hora à programação oficial do 28º Festival de Inverno de Garanhuns, o espetáculo “Jesus, Rainha do Céu”, finalmente foi apresentado na cidade. Mas sob tensão, ameaças e impedimentos. Logo depois de uma primeira apresentação para um público de cerca de 300 pessoas, os organizadores do espetáculo receberam a cópia de um novo mandado de segurança assinado pelo desembargador Roberto da Silva Maia, determinando a suspensão do espetáculo da grade oficial. A segunda sessão transcorreu sob forte tensão.

Atendendo ao pedido da Ordem dos Pastores Evangélicos de Garanhuns, o desembargador concluiu, no mandado de segurança, que a “peça viola o direito líquido e certo ao sentimento religioso, ao retratar Jesus Cristo indevidamente”. No começo da noite da sexta, Márcia Souto, presidente da Fundarpe, recebeu a notificação. “Lamentamos a mudança da Justiça em tão pouco tempo, mas não temos como não acatá-la ou incorreríamos em crime de desobediência”, justificou. Com a decisão, foi revogada a decisão anterior do desembargador Silvio Neves Batista, determinando a imediata reintegração do espetáculo à grade oficial do festival.

Apesar da retirada do apoio oficial do FIG, o espetáculo teve uma segunda sessão realizada de forma independente pelos produtores e organizadores. “Vai ter peça sim. A liminar cancela da programação oficial, mas vamos fazer outra sessão de maneira independente. Venham com amor”, disse, minutos antes da sessão, o artista e ativista Chico Ludemir, um dos responsáveis pela campanha de arrecadação de dinheiro para viabilizar a peça na cidade desde a primeira proibição. A tranquilidade, contudo, durou pouco.
.

Enquanto a segunda sessão acontecia, iniciada às 21 horas, cerca de quarenta policiais em sete viaturas de polícia foram ao local do espetáculo acompanhados de um oficial informar da nova proibição. Houve exaltação de ânimos e discursos inflamados entre os presentes. A atriz Renata Carvalho interrompeu o espetáculo que acontecia debaixo de uma grande tenda montada pela Fundarpe numa casa da cidade e deu continuidade ao monólogo numa área aberta, sob chuva. “Assim, há o entendimento de que o espetáculo não aconteceu sob o apoio oferecido pela Fundarpe”, disse Severino Pessoa, chefe de gabinete da Secretaria de Cultura de Pernambuco.

Mas enquanto os assentos eram retirados, a atriz Renata de Carvalho foi até o local onde elas estavam e alguns presentes, exaltados, chegaram a derrubar as cadeiras. Parte da plateia começou a gritar palavras de ordem e xingamentos como “Fundarpe fascista!”. Severino Pessoa precisou sair escoltado. Após a nova interrupção, a peça foi retomada de novo na área ao ar livre.
.

A SESSÃO - Numa mansão cujo endereço só foi revelado por mensagem de celular ao público cerca de uma hora antes, a peça teve sua primeira sessão, de forma tranquila, iniciada às 17h30 da sexta, sob um esquema de segurança com mais de uma dezena de agentes de proteção, quatro viaturas da Polícia Militar e revista minuciosa do público, com detecção de metal para evitar armas. Os organizadores temiam algum atentado contra a atriz trans Renata Carvalho. No intervalo das duas sessões, uma bomba-rojão foi estourada por trás do imóvel em que acontecia o espetáculo.

Um dia antes, a Fundação do Patrimônio Histórico de Pernambuco resolvera acatar a recomendação do Ministério Público e do Tribunal de Justiça de Pernambuco de reintegrar a peça à grade oficial do FIG. Antes do festival, o secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, foi obrigado a cancelar o convite ao espetáculo em função da pressão liderada pelo prefeito de Garanhuns. Izaías Regis alegou que o espetáculo atacava “a família cristã” e ameaçou vetar o uso de quaisquer espaços municipais para o festival caso a peça não fosse cancelada. No espetáculo, a atriz transexual Renata Carvalho (foto, abaixo) interpreta Jesus, numa reflexão sobre como seria a volta de Cristo à terra no mundo atual encarnado num corpo diferente. Em um corpo de travesti.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário