domingo, 8 de julho de 2018

Moro se posiciona: “Desembargador do TRF4 não pode soltar Lula”

Por orientação do presidente do Tribunal, Moro irá consultar o relator natural do caso, 
desembargador João Pedro Gebran Neto, para assim, chegar a um desfecho sobre caso. (O Globo).

SÃO PAULO — O juiz Federal de primeira instância, Sergio Moro se negou cumprir imediatamente a decisão do desembargador Rogério Favreto, que determinou a soltura do ex-presidente Lula. Segundo Moro, o desembargador não teria competência para tomar essa decisão de forma monocrática, indo de encontro a ordens prévias do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

"O Desembargador Federal plantonista, com todo o respeito, é autoridade absolutamente incompetente para sobrepor-se à decisão do Colegiado da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e ainda do Plenário do Supremo Tribunal Federal", disse o magistrado ao falar sobre o caso ao Jornal o Globo, do Rio de Janeiro.

O juiz afirmou que, por orientação do presidente do TRF-4, Thompson Flores, irá consultar o relator natural do caso, o desembargador João Pedro Gebran Neto, antes de expedir o alvará de soltura do ex-presidente. "Assim, devido à urgência, encaminhe a Secretaria, pelo meio mais expedito, cópia deste despacho ao Desembargador Federal João Pedro Gebran Neto, solicitando orientação de como proceder", afirmou.

Abaixo, você confere o vídeo, onde o Deputado Federal Paulo Pimenta (PT-RS), assegura que o Juiz Sérgio Moro, que está de férias em Portugal, portanto, sem jurisdição, descumpre a Lei, já que é um magistrado de 1º grau e tenta impedir o cumprimento de um habeas corpus, expedido por um desembargador.

       Confira:

Nenhum comentário:

Postar um comentário