sábado, 9 de junho de 2018

Pesquisa revela disputa embolada pelo Governo de Pernambuco

Apesar de levantamento apresentar Paulo Câmara como preferido nas intenções de voto, diversos fatores,
como por exemplo, mais de 40% dos entrevistados indefinidos, podem alterar o cenário eleitoral no Estado.

O Governador Paulo Câmara (PSB), lidera as intenções de voto na corrida eleitoral deste ano, na disputa pelo Governo do Estado de Pernambuco. Isso é o que indica pesquisa realizada pelo Instituto Múltipla, da cidade de Arcoverde, divulgada na última quinta-feira (7).

De acordo com o levantamento, que envolve os três principais nomes que disputam a preferência do eleitorado para as eleições deste ano, o Governador Paulo Câmara tem 26% das intenções de voto, seguido por Marília Arraes (PT) e Armando Monteiro (PTB), empatados tecnicamente com 17% e 16,16%, respectivamente.

A pesquisa, está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), sob o número 02707/2018, e 04235/2018, para o caso do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Sua margem de erro é de 4,1 pontos percentuais para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%, comparado ao levantamento anterior, feito de 27 a 1 de abril, onde o Governador aparecia com 24%, contra 21,%5 de Marília e 17,3% de Armando.

O Instituto realizou 600 entrevistas entre os dias 02 e 06 de junho deste ano em todas as regiões do Estado, seguindo a estratificação do IBGE. A pesquisa foi baseada no modelo estimulado, quando o entrevistador cita o nome dos candidatos e pergunta ao eleitor em quem ele votaria. Todos tiveram variação dentro da margem de erro.

Avaliação – Embora o Governador Paulo Câmara apresente 9% de vantagem sob seus adversários neste novo levantamento do Múltipla, cumpre dizer, a pesquisa divulgada nesta quinta, revela que a disputa pelo Governo do Estado segue aberta, embolada, sem grande margem de favoritismo para os três melhores colocados.

Por estar numa zona percentual considerada de perigo, onde figura com rápida vantagem em relação a Marília e Armando, Paulo ocupa uma oposição extremamente desconfortável, pois sabe que isso pode ser revertido num eventual segundo turno.

Governador pode perder Aliados - Não incomum, o Governo Câmara pode sofrer baixas veladas, a medida que esses levantamentos confirmem pouca viabilidade ao seu projeto de reeleição. Em 2006, Mendonça Filho viveu cenário parecido. Naquela ocasião, ele sofria uma derrota a cada nova pesquisa, já que sempre regredia em seu índice de intenção de voto; o que vem acontecendo com Câmara, que já teve 31 e hoje tem apenas 26 pontos percentuais. Em 2006, com o quadro das pesquisas desfavoráveis a Mendonça, Eduardo Campos viabilizou sua candidatura junto a adversários que suspeitavam da vitória de Mendoncinha, e com isso, Campos se sagrou Governador pela primeira vez.

         Brancos, nulos e indecisos - Não menos importante, o levantamento também revela que uma grande parcela dos entrevistados (mais de 40%), ao menos por hora, sinaliza que não pretende votar, votará em branco/nulo, ou ainda não se decidiu pelo seu candidato. Com isso, para o caso de Marília, ainda pouco conhecida pela população, ela segue com potencial de crescimento. Já Armando, por outro lado, com o esterótipo de homem de vida pública limpa, pode surfar junto a parcela que agora, assegura votar em branco/nulo.

Com esse quadro, e para o caso de Marília se confirmar candidata, tudo leva a crer: teremos segundo turno na disputa pelo Campo das Princesas este ano. Filiado ao PRB, líder da oposição na Assembleia Legislativa, o deputado Estadual Silvio Costa Filho, aposta num segundo turno sem a presença do Governador Paulo Câmara. “Fadado ao fracasso no primeiro”, costumar dizer Silvinho sobre Paulo.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário