sexta-feira, 29 de junho de 2018

Marcelino censura Izaías: “Decisão dele vai contra a Constituição”

Fala de Granja, se refere ao fato do Prefeito de Garanhuns ter revelado que não abrirá as portas do Centro
Cultural para apresentação do polêmico monólogo onde Cristo é retratado como um travesti. (JC/Gidi Santos).

Depois que o Prefeito Izaías Régis veio a público na manhã desta sexta-feira (29), para declarar que não abrirá as portas do centro cultural para apresentação do monólogo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, que protagoniza uma releitura da vida de Jesus Cristo vivendo nos dias atuais como uma travesti, coube, também nesta sexta, ao atual Secretário de Cultura do Estado, Marcelino Granja, se posicionar nos microfones da Rádio Jornal Garanhuns sobre a postura adotada pelo chefe do executivo local.

Na oportunidade, Marcelino afirmou que a decisão do Prefeito vai contra a Constituição brasileira, que preza pela liberdade de expressão artística e de pensamento. "Não é nosso papel vetar a peça. Ela fala para o público adulto e será apresentada. Não vejo razão para essa polêmica. Se a prefeitura não permitir que ela seja apresentada nesse espaço, será realizada em outro lugar, provavelmente", afirmou o secretário.

Na mesma entrevista, Marcelino acrescentou que O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu é uma obra como outra qualquer e que não vai contra o cristianismo. "Pelo que li sobre, a peça fala sobre tolerância, amor ao próximo e compaixão, mas pelo fato de ela ser representada por uma pessoa transexual, gera incômodo. O cidadão que não gosta de determinada obra, não assista", destacou Granja em sua fala.

Vale dizer, embora o monólogo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, provoque reações polêmicas, segundo sua sinopse, ele propõe uma reflexão sobre a tolerância e o respeito às diferenças a partir da seguinte questão: "E se Jesus voltasse à terra como uma travesti?". Segundo sua produção, a obra prega o amor e a tolerância e busca dar visibilidade às vivências trans, quebrando estigmas e lutando contra o ódio que faz do Brasil o país que mais mata LGBTs no mundo.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário