sábado, 3 de março de 2018

PSB define: Não apoiará Geraldo Alckmin na eleição deste ano

Pelo texto de resolução do partido, aprovado nesta sexta, se a legenda optar por apoiar algum 
candidato, terá de ser alguém do campo de esquerda. (Estadão Conteúdo – Foto: Chico Peixoto/AE).

O PSB aprovou na noite desta sexta-feira (2) uma resolução em que praticamente fecha as portas para um apoio formal à candidatura à Presidência da República do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Pelo texto aprovado em reunião do congresso nacional, se o partido optar por apoiar algum candidato de fora, terá de ser alguém do campo de esquerda, alinhado programaticamente com o PSB.

O partido adiou a decisão sobre lançamento de candidatura própria e também colocou como possibilidade não fazer coligação formal no primeiro turno com nenhum candidato à Presidência, a fim de dedicar esforços na eleição de 10 governadores com potencial de vitória e na ampliação da bancada de deputados federais. O foco do PSB é se consolidar como um partido médio. "Falamos em possibilidade de coligação com um candidato que tenha identidade programática", afirmou o presidente do PSB nacional, Carlos Siqueira, evitando citar o nome de Alckmin, que é pré-candidato a presidência.

Principal defensor até então do apoio ao tucano, o vice-governador de São Paulo, Márcio França, demonstrou que já deu como perdida a possibilidade de adesão do PSB à candidatura de Alckmin, tanto que não defendeu o governador na reunião. Ao Estadão/Broadcast, França disse ser favorável que o partido não lance candidato próprio para priorizar os palanques regionais. "Não há chances de termos candidato agora", pregou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário