terça-feira, 27 de março de 2018

Izaías liderou criação da Universidade do Agreste em Garanhuns

Para que UFAPE fosse viabilizada, anos atrás, então deputado Izaías, 
pleiteou ao presidente Lula: “Me dê um presente, me dê uma Universidade!”.

A UFAPE, Universidade Federal do Agreste de Pernambuco, cuja implantação está orçada em R$ 121 milhões de reais; que resultará no desmembramento do campus da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) aqui em Garanhuns, e que teve sua criação aprovada na última terça-feira (20), pelo plenário da Câmara dos Deputados Federais, na capital, Brasília, é um sonho antigo do Prefeito Izaías.

Tão antigo, que ele fez sua primeira investida para que o projeto se tornasse realidade, ao então presidente Lula, cerca de 16 anos atrás. Naquela ocasião, Régis ainda ocupava o posto de deputado estadual. Bem ao seu estilo, e vendo a oportunidade ao seu alcance, aguerrido por aquilo que leva o município ao desenvolvimento, o atual Prefeito viu na figura de Lula, a melhor oportunidade, para que seu plano pudesse sair do papel.

Apesar da demora, e muito embora outros agentes políticos tenham integrado a linha de frente para que a UFAPE se tornasse realidade, caso do Senador Armando Monteiro (PTB), da Deputada Estadual Priscila Krause e do próprio Ministro da Educação Mendonça Filho, ambos do DEM, foi o Prefeito Izaías, que lá atrás, ao encontrar com Lula e sua comitiva, antes mesmo dele ser empossado em seu primeiro mandato, aqui em Garanhuns, deu o primeiro e mais importante passo para consolidação da Universidade, ao pedir ao ex-presidente: “Me dê um presente, me dê uma Universidade!”.

        Com as raízes fincadas lá atrás e as constantes idas do Prefeito a Brasília, em busca do apoio do Senador Armando Monteiro à demanda, a UFAPE começa a ganhar forma.

Criada pela aprovação do Projeto de Lei 5272/16, do Presidente da República, a Universidade Federal do Agreste de Pernambuco, atuará com mais de um campus na região de Garanhuns. Como forma de avanço, para o quadro de pessoal da Unidade Acadêmica, serão criados 600 novos postos de professor e 893 cargos de Técnicos-Administrativos em Educação, sendo destes, 628 de nível intermediário classe D e 265 de nível superior classe E. No quadro dirigente, serão criados 8 cargos, além das funções de Reitor e de Vice-reitor.

          Tudo isso, defende o Prefeito, significa avanço para Garanhuns.
.

Um comentário:

  1. Embora tenha sido um sonho antigo, no presente temos convivido com a paternidade de infindáveis políticos. Todo mundo agora quer "tirar uma casquinha"! Engraçado que ninguém mencionou os esforços dos professores, técnicos, estudantes e direção para a consolidação de uma universidade autônoma e emancipada. O sonho do prefeito foi atendido pelo ex-presidente, mas a emancipação e a criação da nova universidade são frutos dos esforços da comunidade acadêmica e da vontade do ministério da educação (também com intenções políticas do ministro). Fiquemos de olho nesses discursos de paternidade para não sermos enganados.

    ResponderExcluir