terça-feira, 14 de novembro de 2017

Triste: Mais uma vez, Garanhuns pode ficar sem Deputado Estadual

Antes, influente, e de papel de destaque na política do estado de Pernambuco, hoje, Garanhuns sofre 
para eleger um deputado estadual com bases no município. (Por Wellington Freitas e Gidi Santos).

A conjuntura política do município de Garanhuns e toda sua importância para a economia e consequente política do Agreste Meridional merece uma reflexão maior e mais aprofundada do atual momento em que passam os políticos locais. Antes, influente, e de papel de destaque na Política do Estado de Pernambuco, hoje, Garanhuns sofre para eleger um deputado estadual com bases no município e pela segunda legislatura consecutiva pode ficar sem um representante na Alepe - o que certamente trará perdas políticas insanáveis para a população garanhuense nos próximos anos.

Garanhuns já teve grandes nomes na política estadual e já ocupou cadeiras na Câmara Federal. Foram deputados federais pela cidade das flores nomes como o de José Tinoco e Cristina Tavares. No Caso de Tinoco, além de ter sido deputado estadual por duas oportunidades (1979/1982 e 1983/1986), foi deputado federal eleito nas eleições de 1986 (1987/1991), tendo inclusive sido eleito para Assembleia Constituinte que organizou a Constituição da República de 1988.

Não menos importante, Cristina Tavares (foto, abaixo), uma das grandes mulheres na política estadual, ostenta o título por ter sido a primeira mulher eleita deputada federal em Pernambuco, natural de Garanhuns. Cristina conseguiu eleger-se por três oportunidades (1979/1982, 1983/1986 e 1987 1991).

Outros nomes merecem destaques com seus mandatos na Alepe. O próprio Izaías, que hoje figura como gestor municipal, assumiu uma cadeira no Legislativo pernambucano por três oportunidades (2003/2006, 2007/2010 e 2010/2012), sendo que no último mandato, licenciou-se para concorrer ao cargo de Prefeito de Garanhuns.
.

Ivo Amaral, foi outro ex-prefeito de Garanhuns, que além de comandar o executivo, conseguiu emplacar dois mandatos de deputado estadual (1983/1986 e 1987/1988) e ajudou a fixar ainda mais as tradições da cidade no cenário político/estadual. Que não esqueçamos também, o mandato de Deputado Estadual, obtido pelo ex-vereador, José Cardoso.

MAS, COM TANTA TRADIÇÃO O QUE FALTA? São várias as teorias, e uma delas certamente é a falta de união, de unidade em torno de um projeto maior chamado Garanhuns. Em alguns casos, falta coragem política e arrojo para buscar nos municípios vizinhos o saldo necessário para concretizar uma vitória por Garanhuns e Para Garanhuns, algo que foi feito em um passado recente por Izaías e Tinoco.

CORRIDA ELEITORAL PARA 2020 JÁ COMEÇOU – Apesar de ano que vem estarmos vivenciando as eleições nacionais, onde estarão em disputa os postos de Deputados Federais, Estaduais, Governadores, Senadores, além da Presidência, vale salientar, a corrida eleitoral para ver quem será Prefeito de Garanhuns em 2020 já começou! Diversos nomes começam a surgir, enquanto que outros,já estão colocados no cenário. Haroldo, Silvino, além dos empresários Mano Imóveis e Edival Veras, são alguns desses, que acompanhados pelo ex-vereador Sivaldo Albino, figuram nessas especulações.  

A cada dia que passa fica mais claro na opinião de vários especialistas políticos, que a disputa é por espaço no pleito que pretende apontar o sucessor do prefeito Izaías Régis em 2020. Neste cenário a eleição de 2018 seria apenas um trampolim para 2020, onde várias lideranças engalfinham-se em busca de espaço. O que temos ouvido e constatado, é que, na prática, alguns dos possíveis candidatos a deputado aqui em Garanhuns, buscam uma boa votação na cidade, para assim, consolidarem seu nome como potencial candidato em 2020. Claro que quando se entra em uma disputa eleitoral o objetivo principal é sempre a vitória, só que neste caso a vitória seria a longo prazo.
.

Hoje, ao que colhemos de informações, ao menos três legisladores garanhuenses buscam viabilizar suas candidaturas. Existe uma especulação, onde os vereadores, Zaqueu Naum Lins (PRB) e Gersinho Filho (PTB), figuram como possíveis candidatos a federal, enquanto que Audálio Ramos (PSDC), possivelmente seria candidato a estadual. Por toda uma tradição e votos disponíveis, Garanhuns, possui sim, bons nomes com reais chances de vitória em 2018, e ao que podemos constatar, lhes faltam poucas coisas, dentre elas um grande grupo reunido em torno de seu nome, capaz de corroborar apoios na Região Agreste Meridional, contando com uma boa e necessária estrutura de campanha.

SILVINO DUARTE – Nos últimos dias, o Blog do Gidi Santos, assim como outros veículos de comunicação, foram alertados de uma possível candidatura do ex-prefeito de Garanhuns, Silvino Duarte. Caso a candidatura saia do papel e Duarte tenha o desejo de realmente ser eleito, essa seria sem dúvida, uma candidatura governista a ser considerada. Duarte pode fazer dobradinha com Corte Real, candidato à releição federal. Silvino traz consigo o peso político de ser um ex-prefeito da maior cidade do Agreste Meridional, e como sabemos, foi essencial em 2012, para consolidar a vitória de Izaías, ao desistir de sua candidatura, e se dispor a apoiar o atual Prefeito.

Uma candidatura de Silvino poderia colocar uma dúvida positiva na cabeça de Izaías, fazendo com que Régis repensasse um possível apoio à Álvaro Porto (PSD). Sua candidatura poderia tirar alguns vereadores do apoio do candidato à reeleição, Claudiano Filho (PP), além de alguns de Porto. Muitos defendem que a candidatura de Duarte seria inviável, já que se passaram muitos anos, desde que ele ocupou cargo político, e isso poderia interferir no seu recall. Há posições Políticas locais, de que isso não se sustenta, já que o ex-Prefeito, foi figura presente nas eleições de 2012 e 2016, ao lado de Régis.

         Muitas são as incógnitas; perguntas. Sendo assim, o tempo, as tratativas, além das articulações, se encarregarão de mostrar o caminho à ser seguido pelas lideranças políticas de Garanhuns. Diante desse cenário, é possível afirmar muitas coisas, dentre elas a mais importante: “tudo está indefinido”.
.

Silvino deve disputar Eleição para Deputado Estadual ano que vem

Apesar de ainda não ter se pronunciado sobre o assunto, Andrade vem se movimentando nos bastidores.
Segundo analistas, alvo do Ex-prefeito não é a disputa estadual e sim a Sucessão Municipal de 2020.

Destaque no Blog do Jornalista Carlos Eugênio

Afastado dos cargos públicos desde que deixou a Prefeitura de Garanhuns, em dezembro de 2004, o ex-prefeito Silvino Duarte (PTB) pode voltar a cena política em 2018. Reportagem do Blog do Jornalista Roberto Almeida registra a possibilidade de Duarte disputar a eleição para o cargo de Deputado Estadual no próximo ano, fazendo, inclusive, dobradinha com o Deputado Federal Jorge Côrte Real (PTB), que disputará a reeleição.

Apesar de ainda não ter se pronunciado a respeito do assunto, Silvino vem se movimentando nos bastidores, todavia para alguns analistas políticos da Cidade, o alvo do Ex-prefeito não é a disputa estadual e sim a Sucessão Municipal de 2020, quando termina a gestão do Prefeito Izaías Régis. “Essa candidatura a Deputado será um trampolim para a volta de Silvino a Prefeitura”, garante, em reserva, um aliado do Petebista, que inclusive integrou o primeiro escalão num dos Governos de Duarte.

A possível dobradinha entre Silvino e Jorge Côrte poderá sinalizar uma reaproximação entre Duarte e o Prefeito Izaías Régis (PTB). É que depois de desistir da candidatura a Prefeito, em 2012, e apoiar Régis, Silvino não teve muito espaço na Gestão Petebista, e essa dobradinha com Côrte Real, que deve ter o aval do Senador Armando Monteiro, pode marcar um novo capítulo dessa união, desde que Izaías mude de ideia em relação a 2020, já que trabalha abertamente para preparar o Vice-prefeito Haroldo Vicente (PSC) para sucedê-lo, após o término do seu mandato.
.

Porto: “Paulo precisa esclarecer denúncia de milhões para o PSB”

Em discurso na Alepe, Álvaro assegurou que era preciso parabenizar a PF pela atuação que vem fazendo 
em todo o Brasil e acrescentou que mais esclarecimentos eram esperados pelos pernambucanos.

Em aparte proferido nesta segunda-feira, 13 de novembro, durante discurso do líder de oposição, Silvio Costa Filho (PRB), sobre a Operação Torrentes, o deputado Estadual Álvaro Porto, do PSD, destacou que Governador Paulo Câmara precisa esclarecer o saque suspeito de R$ 2 milhões que teria tido como destino a sede do PSB estadual, a dois dias da eleição de 2014. "A Polícia Federal falou, está nos autos. Não é oposição que está dizendo", afirmou. Realizada pela PF na última quinta-feira (09.11), a operação apura o desvio de recursos de recursos federais repassados para o socorro às cidades e população atingidas pelas enchentes de 2010 e 2017 na Mata Sul. A Casa Militar estaria no comando do esquema de desvios, segundo a Polícia Federal.

O saque dos 2 milhões, de acordo com a PF, foi feito das contas de uma das empresas privadas envolvidas nas fraudes. Por rastreamento de ligações telefônicas de acusados, o portador do dinheiro se comunicou com um coronel da PM logo após o saque. Em seguida, o coronel se deslocou para a sede do PSB. A investigação aponta que isso ocorreu no dia 03 de outubro de 2014, dois dias antes do pleito que elegeu o atual governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB).    

Ainda durante seu discurso, Porto assegurou ainda, que era preciso parabenizar a Polícia Federal, pela atuação que vem fazendo em todo o Brasil, acrescentando que mais esclarecimentos são esperados por todos os pernambucanos. "O que foi dito é que desde 2010 (ano das primeiras enchentes) o crime organizado está dentro do Palácio (do Campo das Princesas), na sala ao lado do gabinete do governador. Isso é um absurdo. A gente não pode se calar diante de uma denúncia dessa. Isso tem que ser apurado. Nós da oposição estamos cobrando, mas quem tem que dar uma resposta é o governador. Ele tem que esclarecer o que vem ocorrendo dentro do Palácio", cobrou Álvaro.

O deputado também pediu explicações sobre a nova tragédia que as enchentes causaram este ano na Mata Sul. "De quem é a culpa? É por conta das barragens que não foram concluídas por causa do desvio de verba. Isso tem que ser apurado e os verdadeiros culpados têm que ir pra cadeia", frisou Álvaro, também na Alepe.

Paulo sobre a Operação Torrentes: “Para acusar precisa ter provas”

De acordo com o governador, peças acusatórias que estão sendo analisadas pelo 
governo não mostram onde há superfaturamento. (JC / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem).

O governador Paulo Câmara (PSB) falou pela primeira vez, nesta segunda-feira (13), sobre a Operação Torrentes, deflagrada pela Polícia Federal na última semana para investigar supostas fraudes de recursos federais destinados a ações de reconstrução de cidades pernambucanas atingidas por enchentes, neste ano e em 2010. Para o socialista, as provas ainda não foram apresentadas.

De acordo com o governador, as peças acusatórias que estão sendo analisadas pelo governo não mostram onde há superfaturamento. "Se falar de superfaturamento, tem que mostrar onde está o superfaturamento, eu quero ver onde está. Se tiver vou ser o primeiro a punir, mas as peças que nós vimos não mostram claramente. Há nessa investigação um olhar sobre um grupo de empresas que poderiam ter sido favorecidas por servidores públicos e isso precisa ser apurado, mandei olhar todos os contratos, não vou admitir erro em nenhum deles. Agora, eu tenho clareza que acusar precisa ter provas, precisa estar no inquérito, estar na denúncia e isso, infelizmente, não foi visto ainda", disse Paulo Câmara durante aula inaugural do Curso de Formação e Habilitação de Praças Bombeiro Militar (CFHP BM), no Centro de Convenções.

OPERAÇÃO TORRENTES - A Polícia Federal investiga fraudes que podem chegar a até 30% em contratos que totalizam R$ 450 milhões para compra de comida, colchões, filtros de água e lonas de proteção para flagelados das cheias na Zona da Mata Sul do estado. Os 260 agentes da PF, de 10 estados, realizaram buscas, na última quinta-feira, nos prédios da Casa Militar do governo pernambucano, onde atuavam os PMs detidos, e da Vice-Governadoria, no Recife. Houve operação também no Centro de Abastecimento de Pernambuco (Ceasa), Coordenadoria de Defesa Civil (Codecipe), bem como em imóveis no Recife e em Olinda. A Polícia Federal cumpriu 15 mandados de prisão temporária, 21 mandados de condução coercitiva e 36 mandados de busca e apreensão.

No dia da operação, o governo lançou nota classificando a operação como "processo de espetacularização negativa das atividades de controle da atuação pública" e disse ser desproporcional a operação realizada no Gabinete do chefe da Casa Militar, no Palácio do Campo das Princesas. Nessa segunda, Paulo Câmara declarou que não pode achar a ação algo "normal". "O inquérito mostra que todos os prédios onde funcionam a Defesa Civil, onde estão documentos não ficam no Palácio do Governo, ficam em outros prédios. Mas o Judiciário determinou busca e apreensão no gabinete do secretário, que funciona no prédio do Palácio, temos que respeitar isso, mas não podemos achar que é normal", comentou.
.

Falta de Apoio: Bruno Araújo deixa o Ministério das Cidades

Araújo: "Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida pública, e já 
não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa". (JC / Foto:  Ricardo B. Labastier).

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, do (PSDB-PE), solicitou ao presidente Temer (PMDB), nesta segunda-feira, (13), sua exoneração do cargo. O tucano, que é deputado federal licenciado, deve reassumir o posto na Câmara Federal após deixar a pasta.

Em carta direcionada a Temer, Bruno cita que o que o motivou a deixar o ministério foi a falta de apoio do PSDB, que já há algum tempo estuda deixar a base do governo Temer. "Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida pública, e já não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa", afirmou.

No texto, Bruno ressalta ainda atos conquistados durante sua passagem pelo ministério e agradece ao presidente e à equipe com a qual trabalhou. "Preciso agradecer o apoio de toda nossa competente equipe nessas realizações, e de modo especial a sua confiança, que de trato sempre fidalgo e republicano, permanentemente nos deu autonomia em busca da melhor entrega possível à população brasileira", pontuou.

PRESSÃO - Há algum tempo, uma ala do PSDB que é contrária à permanência do partido na base do governo Temer pede que os ministros filiados à sigla entreguem seus cargos. Além de Bruno, primeiro a desembarcar, ainda estão à frente de ministérios os tucanos Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Luislinda Valois (Direitos Humanos) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo). O Ministério das Cidades, que Bruno acaba de deixar, é uma das pastas mais cobiçadas por deputados do chamado centrão da Câmara, que une siglas como o PSD, o PP, o PTB e o PR, por exemplo.