segunda-feira, 28 de agosto de 2017

2018 LOGO ALI: Marília Arraes defende candidatura própria do PT ao Governo de Pernambuco, e descarta apoio a Paulo e Armando

Marília: “Aqui a gente defende a candidatura própria e não concorda com as posturas
de nenhuma candidatura posta”. (Com informações do Blog do Jamildo).

Três anos após romper com o PSB, a vereadora Marília Arraes, hoje no PT, agora vê com naturalidade o encontro do ex-presidente Lula com a família Campos. A parlamentar defendeu em entrevista ao Blog de Jamildo no último sábado (26) que o ex-presidente está juntando alianças para a disputa em 2018. Ela e Lula conversaram sobre o cenário eleitoral antes da visita a Brasília Teimosa, na capital pernambucana, Recife.

Cotada a ser candidata a governadora pelo partido, porém, a prima do ex-governador Eduardo Campos defendeu que a legenda tenha um nome na disputa e não peça votos para Paulo Câmara (PSB) ou Armando Monteiro (PTB), com quem Lula também se encontrou na visita a Pernambuco. O petista esteve com o socialista no jantar na casa de Renata Campos na última quinta-feira (24) e tomou café-da-manhã com o petebista na sexta-feira (25).

“Se aqui em Pernambuco todos os candidatos apoiassem Lula, seria o cenário ideal. A gente quer conquistar voto para Lula”, afirmou Marília. “Agora, aqui a gente defende a candidatura própria e não concorda com as posturas de nenhuma candidatura posta”, ponderou. Ou seja, na análise dela, Paulo Câmara e Armando Monteiro poderiam até pedir votos para o petista, mas não o contrário.

Marília trocou o PSB pelo PT no início do ano passado, com ficha abonada por Lula, após dois anos de desgaste com os socialistas. A vereadora era contra o rompimento de Eduardo Campos com o governo Dilma Rousseff, para se candidatar à presidência. Em 2014, também brigou com o primo por causa da nomeação do filho dele João Campos – hoje chefe de gabinete de Paulo Câmara – à Juventude do PSB.

“Política, a gente faz abrindo portas, não é fechando”, minimizou a visita de Lula aos Campos. “Lula está fazendo o que precisa fazer para construir a candidatura dele e também a defesa. Está reconquistando apoios que um dia já teve. Não vejo problema nenhum.”

Questionado, Lula afirmou que mantém relação pessoal com a família desde Miguel Arraes. Recebido pelo senador Renan Calheiros (PMDB) em Alagoas, defendeu a necessidade de alianças na política e afirmou que é grato a ele a José Sarney.

POLÍTICA: Senador Lindbergh Farias confirma Marília Arraes como candidata ao Governo de Pernambuco em 2018

Lindberg: “As alianças eleitorais vão se fechar lá na frente. O importante é o PT crescer 
construir uma chapa de deputados e o nome de Marília contribui para isso”. (Fonte: JC Online).

Apesar dos gestos que tem feito, o PT local não confirma (e também não nega) a candidatura da vereadora do Recife Marília Arraes ao Governo de Pernambuco em 2018. Mas, entre os políticos nacionais, o nome dela já está consolidado. O líder do partido no Senado, Lindbergh Farias (RJ), confirmou neste sábado (26), em visita a Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife, que a parlamentar deve rodar o Estado para construir a candidatura. “O PT está aqui com uma candidatura, é Marília Arraes, e nós vamos estar construindo. O importante para a gente agora é crescer essa candidatura”, afirmou o senador.

O parlamentar paraibano, mas eleito pelo Rio de Janeiro, minimizou as conversas que o ex-presidente Lula teve em passagem pelo Recife com o senador Armando Monteiro (PTB), apoiado pelo PT em 2014, e com o governador Paulo Câmara (PSB). “As alianças eleitorais vão se fechar lá na frente. O importante é o PT crescer e construir uma chapa de deputados e o nome de Marília contribui para isso”, defendeu.

O PT saiu com o PTB depois que o ex-governador Eduardo Campos, primo de Marília Arraes, decidiu romper com os petistas para se lançar candidato. Em 2014, o PSB tinha Marina Silva na disputa (depois da morte de Eduardo) e no segundo turno apoiou Aécio Neves (PSDB), após uma campanha de críticas a Dilma Rousseff (PT).

Mais cedo, Marília Arraes se encontrou com Lula no hotel onde ele se hospedou, na Zona Sul da cidade, para conversar sobre o cenário eleitoral para 2018. A vereadora também foi a São Paulo se encontrar com o ex-presidente em julho, uma semana antes de ser uma das protagonistas da propaganda partidária do PT local criticando o governo Paulo Câmara. No evento em Brasília Teimosa, Marília afirmou que os apoios de Armando e Paulo Câmara seriam “bem-vindos”, mas não recíprocos, e que o PT teria candidatura própria.

A vereadora trocou o PSB pelo PT no início do ano passado, com ficha abonada por Lula, após dois anos de desgaste com os socialistas. A vereadora era contra o rompimento de Eduardo Campos com o governo Dilma Rousseff, para se candidatar à presidência. Em 2014, também brigou com o primo por causa da nomeação do filho dele João Campos – hoje chefe de gabinete de Paulo Câmara – à Juventude do PSB.

Fernando Filho - Lindbergh ainda criticou as privatizações do governo Michel Temer (PMDB) e atribuiu papel relevante no processo ao ministro de Minas e Energia, o pernambucano Fernando Filho, que pode ser candidato a governador no ano que vem. “Sinceramente, eu não sou especialista em política pernambucana, mas ele não tem a menor chance. Tem que ser uma pessoa que fale com o povo.”

PSB realiza congresso sem os Coelho, prega reeleição de Paulo e lança pré-candidatura à deputado federal de João Campos

Ausência do grupo do senador Fernando Bezerra mostrou que o partido ainda mostra rachas. No 
encontro, foram eleitos os novos membros da Executiva regional do partido. (JC + Folha PE)

Neste domingo (27), o Partido Socialista Brasileiro (PSB) em Pernambuco realizou, em hotel do Pina, o 14º Congresso Estadual, onde o presidente no estado da sigla, Sileno Guedes, foi reconduzido ao comando da agremiação para o próximo triênio (2017-2020). O ato virou palco para uma convocação da militância para reeleger o governador Paulo Câmara nas eleições do ano que vem. 

No entanto, a ausência do grupo do senador Fernando Bezerra Coelho mostrou que a unidade partidária ainda mostra rachas. "Paulo, hoje o partido está reunido para dizer que quer você governador de novo. Esse povo vai para a rua defender sua reeleição", afirmou Sileno Guedes, em seu discurso. A militância presente respondeu com gritos de "paulo de novo governador do povo". 

O mote do discurso foi o mesmo do prefeito do Recife Geraldo Julio. "A missão de todos nós é trabalhar todos os dias para eleger Paulo Câmara governador de Pernambuco", disse. O ato teve início às 8h, no Recife Praia Hotel, no Pina, e contou com a presença de diversas lideranças do PSB-PE. No encontro, foram eleitos os membros do Diretório e Executiva regional para o próximo triênio (2017-2020), além dos delegados aptos ao congresso nacional do PSB, previsto para outubro.
.
 

OS COELHOS FORA DO CONGRESSO - O senador Fernando Bezerra Coelho e o ministro Fernando Filho, alegaram não haver clima para justificar suas ausências na Convenção Estadual, já que pesa contra eles, um processo de expulsão; aberto pela Executiva naciona no partido. "Com processos tramitando na executiva nacional solicitando a expulsão do partido de 16 parlamentares, inclusive 4 de Pernambuco, embora convidados, consideramos não haver clima para participar de eventos partidários até o desfecho desta questão", declara a nota dos Coelho enviada à imprensa, na tarde de ontem.

PRÉ-CANDIDATURA DE JOÃO CAMPOS  –  O Congresso do PSB realizado nesse domingo, não tratou apenas de reafirma o nome do Governador Paulo Câmara à reeleição ano que vem: serviu também para lançar publicamente o nome de João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos, como candidato a deputado federal pela sigla.

Quem tratou João como candidato foi ninguém menos que o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira. "Também cumprimento a jovem liderança que aqui falou e entusiasmou os presentes, o deputado João Campos. Eu já chamo de deputado porque haverá de dar sequência a essa linhagem que tem compromisso com o Estado", afirmou. João discursou pouco antes. Ressaltou que não basta força política, é preciso usar o poder para transformar Pernambuco. Na oportunidade, João também puxou o coro pela reeleição do Governador Paulo Câmara e foi aplaudido.
.

"Não tem aproximação com o PT", diz o Governador Paulo Câmara

Durante congresso estadual do PSB, Governador disse que encontro com ex-presidente 
foi apenas "visita de cortesia" do líder do PT. (Com informações do Commercio / Foto: Léo Motta).

Três dias após posar para fotos com o ex-presidente Lula durante uma visita do petista à ex-primeira-dama Renata Campos, o governador Paulo Câmara (PSB) tratou o encontro como uma "visita de cortesia" e disse não ter aproximação com o PT, ao ser questionado sobre o assunto durante o congresso estadual do PSB que defendeu de forma unânime sua candidatura à reeleição.

"Não tem aproximação com o PT. A gente teve um encontro com o presidente Lula, que é pernambucano, fez uma visita de cortesia a Renata Campos. (Ela) Foi amiga, junto com Eduardo, dele e de dona Marisa. Foi um gesto de civilidade de uma pessoa que a gente respeita e que faz parte do processo. Mas não há uma aproximação. A gente vai discutir essa questão de aliança só em 2018", garantiu Paulo Câmara.

“TORANJAS” - O PSB e o PT romperam desde 2012, quando o prefeito Geraldo Julio (PSB) disputou contra os petistas a Prefeitura do Recife. Nos bastidores, porém, vem sendo ventilada a possibilidade de um entendimento na próxima eleição, ao menos no segundo turno, já que os últimos aliados do PT, o PTB e o grupo do senador Armando Monteiro, têm se aproximado do PSDB e do DEM. Nas especulações, os socialistas mais inclinados ao PT são chamados de "toranjas", fruta cítrica que é amarela por fora e vermelha por dentro.
.