terça-feira, 25 de julho de 2017

Governo Municipal de Garanhuns reforça apoio as ações do G20

Ao receber o grupo, no Palácio Celso Galvão, Secretário de Governo se mostrou aberto para 
articular encontros entre o G20 com diretores de autarquias e com secretários municipais.

Através de uma reunião realizada com Secretário de Governo, Articulação Política e Ouvidoria, Méwitton Araújo, realizada na última semana, o grupo representativo da sociedade civil, intitulado de G20, que vem realizando e propondo novas ações, dentre elas, algumas sociais, aqui na cidade, recebeu um reforço por parte do Governo Municipal de Garanhuns, para que iniciativas desenvolvidas por ele, possam se tornar mais constantes, além de também obterem um maior alcance aqui no município.

Ao receber o G20, no Palácio Celso Galvão, o Secretário de Governo se mostrou aberto para articular encontros entre os integrantes do grupo com diretores de autarquias, departamentos, bem como com secretários municipais. Os encontros, de acordo com o secretário, servirão de orientação para formatação de novos projetos, além de servirem como base, para na prática e em campo, a contar com a experiência desses servidores municipais, o G20 possa avançar, alcançando resultados antes não obtidos, tanto no quesito de participação, quanto na logística oferecida à população.

O G20 saiu da reunião ainda mais disposto a seguir com as intervenções que vem realizando aqui no município. De acordo com Ivan Águas, um dos membros do coletivo, o Governo de Garanhuns já se apresentava como parceiro, mas após a reunião com o Secretário de Governo, a tendência é que essa parceria só aumente. “Muito propositiva a reunião. O governo se mostrou disposto a intervir com mais serviços nas áreas em que estamos atuando. A boa recepção do grupo na secretaria de governo, faz com que daqui pra frente, esse apoio só aumente”, assegura Ivan. 
.

INFORME PUBLICITÁRIO
BLOG INDICA CASA PARA ALUGAR DURANTE O FIG
.

Você que vem para o 27º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) e está procurando uma casa para se instalar, aproveite a oportunidade, e alugue uma residência confortável que fica nas imediações de dois polos do evento, um deles, o Instrumental, localizado no Parque Ruber Van Der Linden (Pau Pombo), e outro, sendo o maior deles, o Mestre Dominguinhos, que fica instalado na praça de mesmo nome.

A casa fica situada na travessa Antônio penante, centro da cidade e dispõe de três pisos; térreo e primeiro para acomodar os visitantes, e o segundo, com ampla vista da cidade, que pode ser utilizada como área de lazer. No térreo, há um quarto suíte.

Mais informações, você consegue com
André Santos, através do telefone: (87) 9.9811.3410
.

.

.

.

. 

.

Som na Rural conquista Garanhuns durante o Festival de Inverno

Esta é o segundo ano do espaço no FIG. Novidade em 2017 é que o ambiente 
agora conta com palco. (Do Portal Cultura PE / Fotos: Rodrigo Ramos).

Um dos principais movimentos de rua do Recife, o Som na Rural tem se consagrado também no Festival de Inverno de Garanhuns, conquistando cada vez mais espaço no roteiro do público. Pela segunda vez na programação do evento, o projeto foi responsável por atrair visitantes para o Parque Euclides Dourado, onde está localizado, nas noites do primeiro final de semana da edição deste ano. A novidade em 2017 é que o ambiente agora conta com palco, mas mantém a mesma proposta intimista de quando os artistas se apresentavam no chão, como aconteceu em sua estreia no FIG do ano passado.

Talvez por isso, o músico pernambucano Bruno Souto tenha optado pelo formato voz e guitarra para apresentar o repertório de baladas que levou uma plateia fiel para o polo ontem. O compositor abriu sua apresentação com a música “Saudades do Verão”, relembrando a banda Volver, com a qual iniciou a sua jornada artística, mas seguiu dando prioridade às canções de “Estado de Nuvem” e “Forte”, discos da carreira solo. Assim vieram títulos como “Repalho”, “Dentro” e “Desconserto” (grafada com “s” mesmo), sendo grande parte acompanhadas em coro pela público presente.

Porém, nem só de romantismo vive o intimismo e o Som na Rural surge como a atividade ideal para recriar esse conceito. Convidado para fechar o palco no último domingo, Graxa explorou o repertório dos discos “Molho” e “Aquele Disco Massa” trazendo a banda completa e garantindo a dose de rock de garagem para a noite. “Não alimente os animais”, “Marcha com as vadias” e “Gengibre” foram algumas das músicas executadas pela banda vigorosa, que mistura referências de grunge, stoner e noise. Apesar da estética sonora mais pesada, a conexão entre a banda e o público se manteve forte através da interação única que o polo proporciona ao colocar fãs e artistas no mesmo nível de diálogo.

”Gosto de tocar na Rural porque, além de trazer uma mistura do que está no mercado, acho o som bem estruturado e me interessa muito esse formato de palco mais próximo do público”, elogiou Graxa, que já havia se apresentou no Palco Pop do FIG em 2015 e retornou ao evento neste ano para tocar pela primeira vez no polo do Som na Rural. Além da DJ Cláudia Aires com seu repertório pop, a banda Diablo Angel completou a programação só de pernambucanos no domingo. A voz feminina competente da vocalista Kira Aderne, à frente da banda de hard rock, provocou curiosidade entre os visitantes do Parque Euclides Dourado, atraindo boa plateia desde o início da noite.
.

Casa Galeria Galpão está oferecendo diversas ações durante o FIG

Espaço reúne trabalhos de diferentes linguagens artísticas, instigando reflexões, interatividade 
e contemplação através das obras expostas. (Do Portal Cultura PE / Fotos: Fer Verícimo/Secult/PE).

Espaço de criação artística, debate, resistência e colaboração, a Casa Galeria Galpão abriu as portas no último domingo (23), trazendo para o 27º Festival de Inverno de Garanhuns mais de 10 exposições de linguagens variadas (fotografia, artes visuais, design, moda), além de intervenções, performances, debates, mostra de teatro e um mercado colaborativo, que está acontecendo pela primeira vez nesta edição.

“O Mercado UnaDesign é a novidade deste ano da Galeria e conta com 17 pequenos produtores de moda e design, que estão expondo e comercializando seus produtos. Idealizado pelas marcas Cirandela (estamparia autoral) e Aladê (camiseteria), o local vai promover Flash Days de tatoo com Marcelo Menezes, cortes de cabelo com Belle Souza, além da comercialização de objetos de decoração, acessórios e roupas”, explica a assessora de Design e Moda da Secult-PE, Janaína Branco.
.

A Casa Galeria Galpão está com quatro exposições de Artes Visuais, “Traços de um Rio”, de Artur Sgambatti e Vladimir Ospina, que registra, através de desenhos, a realidade dos atingidos pela derrubada da barragem do Fundão, em Mariana, no estado brasileiro de Minas Gerais. A obra recria um mapa dos locais por onde os artistas passaram após uma viagem de 20 dias e deu origem ao livro “Traços de Um Rio – Cadernos de Viagem”, que está sendo vendido na Praça da Palavra. Os artistas pretendem desenvolver ainda mais a obra, realizando um documentário sobre os efeitos da tragédia.

Nas Artes Visuais, também estão presentes a obra “Construção da Desconstrução”, de Daaniel Araújo, com obras feitas em óleo e acrílica sobre pedaços de madeira e concreto reaproveitados pelo artista; “Alinhavos”, de Joyce Torquato, que é uma artista de Garanhuns, com ilustrações feitas a partir de colagens e aquarela; “Parquê”, de Adah Lisboa, que questiona o que se generaliza como “bagunça” e “CALOR”, de Raoni Assis, um painel em grafite na entrada da Galeria.
.

Além das exposições, fazem parte das ações de Artes Visuais as performances Descamada, de Carol Azevedo, realizada na noite de abertura da casa propondo reflexões sobre corpo e gênero, a partir do rompimento com uma “segunda pele”, representada por uma meia calça que envolvia o corpo nu da artista; #Tecnologiaaservicodaorgia, de Kalor Pacheco, sobre a hipersexualização do corpo feminino, principalmente o de mulheres negras, que vai acontecer na sexta(28), às 18h30 e Distopia, das artistas Fernanda Fernandes, Carolina Perini e Raquel Abdian (Coletivo Espectro), que abordam, em três atos, os problemas da metrópole através da fusão de objetos, sons, ruídos, numa performance audiovisual em tempo real.

“Em parceria com o Sesc, também estamos trazendo para a Galeria Galpão o projeto Itinerância – Incerteza Viva, que faz parte da 32ª Bienal de São Paulo. O artista Bené Fonteles fará a série de debates Conversas para Adiar o Fim do Mundo, de segunda (24) a quinta (27), sempre às 17h, apresentando a construção do trabalho Ocataperaterreiro, além de fazer um bate-papo sobre a questão indígena e sobre a poesia, trazendo convidados como Adiel Luna e Bráulio Tavares”, explica o coordenador de Artes Visuais da Secult-PE, Márcio Almeida.
.

Fotografia – Ao todo, são quatro exposições de fotografia na Galeria, sendo uma delas da artista garanhuense Thayná Chaves. Ela apresenta “A Saga dos Invisíveis”, sobre moradores de rua e dependentes químicos. A expo “O Jogo da Bola em Garanhuns”, de Iezu Kaeru e Eustáquio Neves, traz o universo do futebol amador através de um olhar poético sobre as peladas e jogos de rua. Na sala da exposição, uma mesa de totó, o clássico futebol de mesa, convida o visitante a interagir. A mostra “Williamsburg: Paisagem em Transformação”, de Caique Cunha, traz uma série de fotos em preto e branco sobre o processo de gentrificação (enriquecimento de áreas pobres) no bairro de Williamsburg, da periferia de Nova York. “Comecei a perceber o movimento de expulsão das pessoas que viviam ali, as mudanças no dia a dia com a construção de prédios gigantes numa área onde basicamente não havia edifícios altos, lojas que fecharam.

Ao observar as imagens, ninguém iria associar a uma NY de 2017. Embora o ensaio seja ambientado em NY, percebo que esse é um processo que vem acontecendo em várias cidades brasileiras, como o Rio de Janeiro e o Recife, por exemplo”, explica o fotógrafo carioca Caique Cunha, que veio pela primeira vez ao Nordeste para expor no FIG. Completando a mostra de fotografia, a exposição “O Olho da Graxa”, de João Zarai, feita a partir de celular, aborda o mundo do Backstage, o trabalho dos profissionais que preparam o som para os espetáculos.
.

Teatro – A Galeria está recebendo pela segunda vez a Mostra de Teatro Alternativo, com espetáculos a partir das 22h, de segunda (24) a sábado (29). “A mostra teve início ano passado, quando alguns artistas que não entraram no circuito oficial do FIG se apresetaram em espaços alternativos. Esse ano, a iniciativa foi abraçada pela Fundarpe e teremos seis espetáculos”, explica o produtor da mostra, Ivo Barreto. As peças são “A Última Cólera no Corpo de Meu Negro” – Cia Experimental de Teatro (seg), “Eu Gosto Mesmo de Pezinho de Galinha Porque eu Como a Carninha e Limpo o Dente com a Unhinha” –  Experimento Pezinho de Galinha – (ter); “Que Muito Amou” – Cênicas Cia de Repertório – (qua); “Delicado” – Coletivo Grão Comum – (qui); “O Velho Diário da Insônia” – Grupo Independente de Teatro Alternativo – (sex) e “A Máquina” – Teatro de Retalhos  (sáb).

Segundo o coordenador de fotografia da Secult-PE, Jarbas Araújo, mais de 4 mil pessoas circularam pela Galeria Galpão na última edição e a expectativa é de que o público continue frequentando e participando das atividades desta grande instalação coletiva. “Sempre venho na Galeria porque é um local que nos deixa expressar o que sentimos, rolam muitas atividades interessantes aqui. Considero o espaço mais democrático do FIG”, afirmou a designer Sarah Barros, que estava presente na abertura da galeria.

Serviço:
Galeria Galpão
Av. Dantas Barreto, 34, Centro – Garanhuns
Horário de visitação: 16h às 21h, de 23 a 29 de julho
Mostra de Teatro Alternativo da Galeria: 22h
.