terça-feira, 11 de abril de 2017

Damásio Cardoso, do Dem, pode ser candidato a Deputado Federal

Embora ainda não fale abertamente sobre o assunto, interlocutores de Damásio dão como certa sua
candidatura. Democrata detém boas relações na cidade; o que pode lhe garantir uma boa competitividade.

Marcada para outubro do ano que vem, a eleição nacional, já registra intensas movimentações aqui em Garanhuns. Muitas costuras tem sido trabalhadas, ainda que internamente em alguns partidos. Uma dessas, envolve o bombeiro militar e atual Presidente do Democratas, aqui no município, Damásio Cardoso, que em 2012 disputou a eleição municipal em busca de um assento no Legislativo garanhuense. Aquela época, Cardoso obteve uma expressiva votação: 1986 votos, todavia, em razão da proporcionalidade utilizada pela legislação eleitoral vigente, ele acabou ficando no posto de suplente.

Embora ainda não fale abertamente sobre o assunto; interlocutores de Damásio dão como certa sua candidatura. É comum, de acordo com pessoas mais próximas a Damásio, o presidente se referir as eleições de 2018, considerando a possibilidade de entrar na briga por um assento federal. Ano passado, Cardoso emplacou junto com o Dem, a candidatura da advogada Claudomira Andrade, à Prefeitura. Abertas as urnas, Claudomira se sagrou a terceira colocada, ao obter 4,16% dos votos válidos: 2,685 votos.

Também em 2016, o Presidente do Democratas, encabeçou seu irmão, Giovanne Cardoso, como pleiteante a um vaga na Câmara Municipal de Vereadores. 1,142 pessoas acreditaram no projeto político dele e registraram voto ao então candidato.

Acaso se configura a postulação de Damásio ano que vem, ele poderá contar com um parcela do eleitorado Garanhuense, que vota num candidato natural da cidade, além daqueles que pretendem eleger alguém ligado a corporação militar, que é o caso de Damásio. Além disso, o militar detém boas relações em quase todas as classes sociais; algo que pode lhe garantir uma boa competitividade.

Confirmado a Armando; R$ 241 milhões para Adutora do Agreste

“A obra, é um empreendimento estruturador fundamental, que irá universalizar o abastecimento 
de água para mais de dois milhões de habitantes em 68 municípios da região”, defende o senador.

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, anunciou, na quarta-feira passada (5), ao senador Armando Monteiro (PTB) estar aprovada a transferência, por solicitação da bancada federal de Pernambuco, da aplicação do Ramal do Agreste para a Adutora do Agreste de R$ 160 milhões da emenda de bancada ao Orçamento da União. O anúncio foi feito em audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR).

“Temos agora a segurança de que as obras da Adutora do Agreste vão avançar. Os R$ 160 milhões da emenda se somarão a R$ 81 milhões que já haviam sido alocados para o empreendimento”, declarou Barbalho, em resposta a indagação de Armando Monteiro sobre os efeitos do contingenciamento do Orçamento Fiscal nas obras complementares da Transposição do São Francisco em Pernambuco.

O senador petebista se declarou preocupado, na audiência pública da CDR, com a possibilidade de retardamento ainda maior das obras complementares da Transposição em Pernambuco com o contingenciamento de R$ 10,5 bilhões dos investimentos no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). “A obra da Adutora do Agreste é um empreendimento estruturador fundamental, que irá universalizar o abastecimento de água para mais de dois milhões de habitantes em 68 municípios da região, muitos com considerável densidade populacional urbana”, assinalou Armando Monteiro.
.

Priscila atua para destravar recursos para a Adutora do Agreste

Priscila: “As obras da adutora caminham lentamente, faltando liberar R$ 600 milhões – 90% desse 
valor é de responsabilidade federal. Isso prejudica dois milhões de pessoas  em 68 municípios".

A formalização de uma frente pluripartidária com o propósito de liberar recursos para a Adutora do Agreste e outras medidas para gestão hídrica no Estado de Pernambuco, foram sugeridas pela deputada estadual Priscila Krause, do Democratas, no tempo dedicado à Comunicação de Lideranças da Reunião Plenária desta terça (11), na Assembleia Legislativa de Pernambuco. De acordo com a parlamentar, o Agreste pernambucano “padece, desde 2011, de um sofrimento nunca visto na história das estiagens”. “As obras da adutora caminham lentamente, faltando liberar R$ 600 milhões – 90% desse valor é de responsabilidade federal. Isso prejudica dois milhões de pessoas  em 68 municípios – em 14 deles, o fornecimento de água entrou em colapso”, ressaltou a democrata.

Segundo a deputada, desse valor, R$ 370 milhões estavam previstos para este ano, mas até então só R$ 16 milhões foram liberados. Outro ponto abordado por ela são as contas de água de prédios públicos que não estão sendo pagas. “É uma dívida que vem desde setembro de 2015 e ultrapassa os R$ 62 milhões – valor que poderia ser usado pela Compesa para destravar a Adutora do Agreste”, apontou.

A solução definitiva para o problema, segundo ela, virá com a chegada da água da Transposição do Rio São Francisco para a região. Priscila Krause também sugeriu medidas para reduzir o consumo em empresas, a integração da gestão hídrica com a política de saneamento (por meio da aceleração da PPP da Compesa) e o acompanhamento do trabalho dos sete comitês de bacia estaduais (Capibaribe, Ipojuca, Goiana, Pajeú, Una, Metropolitano Norte e Metropolitano Sul).

Governador libera R$ 5,7 milhões para 23 municípios do Agreste

De acordo com Adilson Filho, da Seplag, antes desta liberação, o Governador já havia repassado;
quase R$ 2 milhões de reais para 15 municípios dos Sertões do Pajeú, Moxotó e Itaparica.

O Governador Paulo Câmara, através da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), liberou mais R$ 5,2 milhões do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal (FEM) para o início e o prosseguimento de obras nas cidades do Agreste Setentrional e Agreste Meridional. Foram anunciados R$ 3,7 milhões das edições do FEM 2014 e 2015, para 13 cidades do Agreste Meridional e mais R$ 1,5 milhão para atender dez municípios da Região Agreste Setentrional do Estado.

No Agreste Meridional, os recursos são destinados a obras nos municípios de Venturosa, Canhotinho, Bom conselho, Buíque, Angelim, Palmeirina, Garanhuns, Jupi, Correntes, São João, Calçado, Águas belas e Jucati. Já no Agreste Setentrional, foram feitos repasses para os municípios de Bom Jardim, Casinhas, Cumaru, Frei Miguelinho, João Alfredo, Machados, Passira, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá e Surubim.

Em ambas as regiões, os recursos serão utilizados em obras de infraestrutura urbana, reformas e reconstrução de espaços públicos, entre outras demandas municipais. “O governador, reconhecendo a necessidade de desenvolvimento dos municípios, tem determinado que nós façamos as parcerias junto com os prefeitos, conversando, conhecendo as necessidades e especificidades de cada cidade. É importante destacar que, desde o início desta gestão, já foram liberados mais de R$ 130 milhões do FEM para os municípios pernambucanos, visando contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população”, explica Márcio Stefanni, secretário estadual de Planejamento e Gestão.

Adilson Filho, secretário executivo de Apoio aos Municípios da Seplag, ressalta que o governador Paulo Câmara determinou que todas as pendências do FEM sejam “zeradas” até o mês de maio. “Antes desta liberação já havíamos repassado quase R$ 2 milhões para 15 municípios do Sertão do Pajeú, Sertão do Moxotó e Sertão de Itaparica, no final de março. Todas as prefeituras que estiverem em dia com suas prestações de contas do fundo irão receber. Lembrando que, quando zerar este valor, na medida em que os municípios forem prestando contas, mais recursos estarão disponíveis”, afirmou Adilson.

Alepe: Álvaro Porto destaca a importância do Viva Dominguinhos

“Além de ressaltar a relevância da obra do sanfoneiro e compositor, o festival movimenta a economia, o turismo
e a vida cultural do Agreste”, defendeu Porto em seu discurso na Assembleia. (Fonte: Assessoria)

Josué Nogueira – A importância do Festival Viva Dominguinhos para a economia e a vida cultural da região Agreste do Estado de Pernambuco, foi destacada em discurso na tarde desta terça-feira, 11 de março, pelo deputado estadual Álvaro Porto, do PSD, na Assembleia. A festividade, que entrou para o Calendário Oficial de Eventos do Estado de Pernambuco por meio de projeto de lei de autoria de Porto, terá sua quarta edição entre os dias 20 e 22 deste mês, em Garanhuns. No discurso, o deputado fez também questão de ressaltar o empenho do prefeito daquele município, Izaías Régis (PTB), em manter o festival mesmo sem apoio do Governo do Estado. E salientou que a aprovação do petebista, sempre por volta dos 80%, responde as recentes críticas destinadas a ele por governistas.

O deputado lembrou que, mesmo sem apoio do governo, Régis tem conseguido engrandecer o Viva Dominguinhos. “Além de ressaltar a relevância da obra do sanfoneiro e compositor, o festival movimenta a economia, o turismo e a vida cultural do Agreste. Mais de 110 mil pessoas lotam os shows e hotéis, bares e restaurantes registram crescimento de movimento. Isso só confirma que investir na preservação do legado e da história de Dominguinhos atrai público e aquece serviços e comércio. Só o governo não vê isso”. 

CARREIRA DE SUCESSO - Falecido em 2013, Dominguinhos tinha como nome de batismo José Domingos de Moraes. Foi considerado o mais importante herdeiro artístico de Luiz Gonzaga, a quem conheceu aos 8 anos. Foi “seu Lua”, inclusive, quem deu a ele a primeira sanfona. Aos 13 anos já estava morando no Rio de Janeiro. Apadrinhado por Gonzagão, foi em busca do seu sonho. 

De lá para cá, a história é conhecida. Dominguinhos brilhou por onde passou. Transitou na cúpula da MPB e fez produtivas parcerias com nomes consagrados nacionalmente, a exemplo de Gilberto Gil, Chico Buarque, Anastácia e Djavan. Fez sucesso em rádio, em novelas e em shows sempre lotados e elogiados em todo o país. Um dos momentos mais expressivos da sua trajetória ocorreu em 2002, quando recebeu o Grammy Latino pelo CD “Chegando de Mansinho”.
.