quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Humberto Costa ironiza Moro: “perseguidor-geral da República”

Para o Senador: “Membros do MPF que integram a Lava Jato acusaram Lula de crimes
que não têm como provar”. (Jamildo Melo / Foto: Geraldo Magela/Agência Senado).

O líder da oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), iniciou o seu pronunciamento desta quinta-feira (14) na Casa acusando o juiz Sérgio Moro de imparcialidade no interrogatório do ex-presidente Lula. O petista foi ouvido em Curitiba, nessa quarta-feira (13), no processo em que é acusado de receber propina da Odebrecht através da compra de um terreno para o Instituto Lula e de um apartamento vizinho ao que ele mora em São Bernardo do Campo. “Pela segunda vez, ficou cara a cara com o perseguidor-geral da República”, ironizou o magistrado no discurso.

O pernambucano, ex-presidente Lula não respondeu a todas os questionamentos de Moro e, em pouco mais de duas horas e meia de depoimento, negou a denúncia, afirmou que o ex-ministro Antonio Palocci mentiu ao acusá-lo e também criticou Moro. No fim, perguntou ao juiz se ele seria imparcial e questionou a primeira condenação, a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva.

“Poderia ter ficado calado, mas enfrentou tudo com altivez e dignidade. Mostrou que membros do Ministério Público que integram a Lava Jato são prisioneiros da própria inconsequência: acusaram Lula de crimes que não têm como provar e, agora, não encontram rota de fuga para a saia justa em que se meteram”, defendeu Humberto Costa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário