sexta-feira, 4 de agosto de 2017

CRIME OCORREU EM 2013: Condenação do mandante do assassinato de promotor de Itaíba será mantida

Segundo o MPF, crime foi cometido por conta de desavenças decorrentes 
da disputa pela sede de uma fazenda. (Com informações do G1 Caruaru e Região).

O Ministério Público Federal (MPF) emitiu na manhã desta quinta-feira (3) parecer em que opina pela manutenção da condenação de José Maria Pedro Rosendo Barbosa (conhecido como José Maria de Mané Pedro) e José Marisvaldo Vitor da Silva (vulgo “Passarinho”), pelo homicídio do promotor de Itaíba, no Agreste de Pernambuco, Thiago Faria e tentativa de homicídio de Mysheva Freire Ferrão Martins – noiva do promotor – e Adautivo Elias Martins – tio dela.

José Maria Rosendo foi condenado por ser o mandante do assassinato. Segundo o MPF, O crime foi cometido por conta de desavenças decorrentes da disputa pela sede da Fazenda Nova, propriedade rural que o réu ocupava e explorava economicamente, até que Mysheva Martins tomasse posse do bem, arrematado por ela em leilão judicial promovido pela Justiça do Trabalho de Garanhuns, em outubro de 2012. Rosendo recebeu pena de 50 anos e quatro meses de reclusão.

"A condenação de José Marisvaldo resultou da participação nos atos preparatórios do homicídio, auxiliando o amigo e patrão José Maria Rosendo, além de ter, no dia do homicídio, acompanhado e repassado informações aos executores e ao mandante do crime", diz o MPF. Ele recebeu pena de 40 anos e oito meses de reclusão. Os dois envolvidos no assassinato recorreram ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), no Recife, na expectativa de reverter a condenação. Ambos alegaram não haver provas de sua participação no crime.

José Marisvaldo pediu a nulidade do processo, por entender que o MPF não poderia interferir na atuação do Ministério Público Estadual, por meio da federalização do caso. José Maria Rosendo também sustentou a tese de nulidade, alegando que o Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao federalizar o caso, entregou o processo a uma das varas Federais do Recife, desconsiderando que o crime ocorreu em Itaíba, município sob a jurisdição da Vara Federal em Arcoverde.

Thiago Faria foi assassinado a tiros na manhã de 14 de outubro de 2013, enquanto dirigia pela Rodovia PE-300, em direção à cidade de Itaíba. No veículo da vítima, também estavam sua noiva, Mysheva Freire Ferrão Martins, e o tio dela, Adautivo Elias Martins, que sobreviveram. Além de José Maria Rosendo e José Marisvaldo, foram acusados de ter praticado o crime José Maria Domingos Cavalcante, também condenado, Antônio Cavalcante (vulgo “Peba”), que está foragido, e Adeildo Ferreira dos Santos, o “Louro”, que foi absolvido.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário