sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Promotor de Garanhuns disputa cargo de Procurador-Geral de PE

Francisco Dirceu Barros, concorre ao posto pela segunda vez. Na disputa pelo Biênio 2015/2016
ele terminou na segunda posição; perdendo apenas para o atual Procurador do Estado.

O Ministério Público de Pernambuco, através de seus membros, escolhe já no próximo dia 3 de janeiro, os três nomes que comporão a lista que definirá o novo Procurador-Geral de Justiça do Estado. Segundo apurou o Blog do Gidi Santos, oito candidatos devem pleitear a vaga. De acordo com a prática adotada pelo Governador Miguel Arraes (PSB), falecido em 2005, a escolha final, após votação, caberá ao chefe do executivo estadual; para o caso desta eleição, o Governador Paulo Câmara.

Entre os membros do Ministério Público que disputarão o posto, estará o Promotor Francisco Dirceu Barros (foto acima), que atua aqui em Garanhuns. Barros que entra na disputa pela segunda vez, foi o segundo colocado na eleição para o biênio 2015/2016; eleição esta, que culminou na vitória do atual Procurador-geral, Carlos Guerra, que de acordo com o que levantamos, estará, ano que vem, mais uma vez na disputa.

A votação, de acordo com o MP, ocorrerá das 9 as 17 horas, no auditório do Centro Cultural Rossini Couto, situado na avenida Visconde de Suassuna, Santo Amaro, no Recife. No ato da escolha, Promotores e Procuradores devem indicar três nomes. Terminado o pleito, a mesa eleitoral começa de imediato a apuração, declarando os integrantes do MP estadual que constarão na lista a ser remetida ao Governador de Pernambuco.

Granja Almeida nega retirada ilegal de água em Garanhuns, PE

Durante a semana, empresa apresentou cópia de uma fatura paga neste mês de dezembro, 
que comprovaria, a legalidade da capitação do líquido nas barragens da cidade.

Sediada na cidade de São Bento do Una, Agreste Central de Pernambuco, uma das maiores empresas produtora de ovos e frangos do Nordeste Brasileiro, a Granja Almeida, negou na última terça-feira, 27 de dezembro, que estaria capitando água de forma ilegal nas barragens de Garanhuns, conforme foi divulgado. De acordo com a empresa, a retirada de água das barragens do Cajueiro e Mundaú, por parte da Granja, bem como por parte dos demais avicultores de São Bento do Una é controlada pela Compesa.

Durante a semana, em sua defesa, a granja apresentou a parte da imprensa da cidade de São Bento; cópia de uma fatura paga neste mês de dezembro (no valor de R$ 14.940 reais - imagem abaixo), que comprovaria, de acordo com ela, a legalidade da capitação do líquido precioso. Em São Bento do Una, de acordo com informações levantadas pelo Blog do Gidi Santos, o cenário hídrico é dramático. Por esse motivo é que se dá a busca pelo líquido na cidade de Garanhuns, no Agreste Meridional

Na rádio São Bento FM, que naquele município, pode ser sintonizada através da frequência 104,9 Mhz, o radialista Zé Mota abordou o assunto. De acordo com ele, o proprietário da Granja Almeida, o empresário Zé Almeida, teria confidenciado a ele, que a denúncia não procedia, e que de certo, o que haveria entre os avicultores são-bentense e a Compesa, seria um acordo para capitação do líquido. Ainda segundo Zé Mota, o próprio Presidente da Associação de Avicultores de Pernambuco (AVIPE), também empresário no segmento, Edival Veras, teria conhecimento do acordo. (Confira no VÍDEO).

Apesar da defesa apresentada pela Granja Almeida, é importante lembrar, o Blog do Gidi Santos noticiou semana passada (de acordo com informações oficiais), que partir de denúncias, a Compesa acabou identificando a retirada de água sem autorização nas barragens do Cajueiro e Mundaú. A época da publicação, o gerente de Unidade e Negócios da Compesa em Garanhuns, Igor Galindo, declarou ter constatado as empresas envolvidas na prática, apesar de não revelá-las a imprensa. Também de acordo com Igor, prefeituras de algumas cidades da região estariam envolvidas. (relembre AQUI).
.

Petrolina ganha reforma de IML e Garanhuns segue sem Instituto

Como rotina, cada vez que é necessário o levantamento cadavérico, assim como outros serviços 
do IML, as polícias de Garanhuns se utilizam do que está sediado na cidade de Caruaru.

Em visita a Petrolina, para inaugurar, na última quarta-feira (28), a nova sede do Instituto de Criminalística (IC) do município, o secretário de Defesa Social de Pernambuco, Angelo Gioia, assinou uma ordem de serviço que autoriza o início da reforma do Instituto de Medicina Legal (IML) da cidade. A reforma, com prazo de 180 dias, terá um custo de R$ 1,5 milhão de reais. Com a conclusão, o local contará com duas salas de necropsia, ampliação do setor de clínica médico legal (traumatologia e sexologia), espaço separado para atendimento de vítimas e suspeitos, alojamento masculino e feminino, laboratório biológico, sala de vídeo conferência, setor administrativo, direção e copa.

A reforma será possível devido ao deslocamento do Instituto de Criminalística (IC) para a AIS-26. No espaço deixado pelo Instituto de Criminalística, serão construídas as novas instalações do IML, que contará, no total, com uma área de quase 2 mil metros quadrados, onde atuarão 63 servidores,  entre médicos legistas, auxiliares de legista, auxiliares de sala e motoristas de carro fúnebre. Quatro viaturas auxiliam nos trabalhos do IML de Petrolina, que realiza perícias em vivos, a exemplo de traumatológicas e sexológicas, e em mortos (tanatológicas).

Enquanto isso, o município de Garanhuns, que conta com pouco mais de 140 mil habitantes, segundo dados do último censo demográfico do IBGE, segue sem um instituto desta natureza. Sem representação na Assembleia Legislativa, além de não ter um interlocutor junto ao Governador Paulo Câmara, a cidade parece fadada a não obter um IML. Some-se a isso, o fato do PSB local não ter eleito sequer um vereador para próxima legislatura da Câmara Municipal, o que na prática, deixa os socialistas e o próprio governador, sem representatividade alguma no município.

Como rotina, cada vez que é necessário o levantamento cadavérico, assim como os diversos serviços oferecidos pelo Instituto de Medicina Legal, as polícias, de Garanhuns, tal qual das cidades do Agreste Meridional, se utilizam do que está sediado na cidade de Caruaru, situada no Agreste Central pernambucano.

Fotos: 1 - Clemilson Campos / JC Imagens e 2 - Marlon Costa / Pernambuco Press