segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Prefeito de Águas Belas será candidato a Deputado Estadual em 18

Em recente entrevista ao Jornal Cidade, Genivaldo abordou o assunto pela 
primeira vez e confirmou que deve concorrer no pleito em 2018.

Atual prefeito, reeleito em 2012 para seu segundo mandato de chefe do executivo em Águas Belas, Genivaldo Menezes, do PT, será candidato a deputado estadual em 2018. A informação é do Jornal Cidade, edição da segunda semana de dezembro. De acordo com a publicação do jornal, assinada pelo jornalista Robson Ferreira, editor do periódico, Menezes deve conversar com a executiva estadual de seu partido até o fim deste ano, onde na ocasião, deve apresentar sua intenção de concorrer a um assento na alepe.

Depois de comandar por oito anos os destinos do município de Águas Belas, Genivaldo defende que há um sentimento, seja em sua cidade, seja no Agreste Meridional, de que haja um deputado mais presente, que visualize os anseios da população, assim como busque recursos no sentido de solucionar as adversidades vividas pela população mais carente e que menos tem acesso a distribuição de renda.

Em recente entrevista ao jornal Cidade, Genivaldo abordou o assunto pela primeira vez. “Tenho sim a pretensão de ser candidato a deputado estadual. Estou pronto para esse desafio. Minha intenção é continuar servindo e ajudando o povo de Águas Belas, e agora a nossa Região. Até o final do ano terei conversado com a direção estadual do meu partido, onde me colocarei a disposição”, defendeu Menezes.

Após comandar Águas Belas entre os anos de 2009 a 2016, Genivaldo ainda elegeu o sucessor, Luiz Aroldo (PT), com 11.978 votos (53,89% dos votos válidos) e a maioria dos Vereadores da futura composição do Legislativo águas-belense. Menezes também tem bom trânsito nos municípios vizinhos de Itaíba, Manari, Tupanatinga, Iati e Inajá, o que, aliado a boas costuras políticas, pode lhe garantir uma cadeira na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Genivaldo deve travar uma boa disputa com o deputado Claudiano Filho (PP), que deve ser candidato à reeleição.
.

ARCOVERDE: Madalena Britto é diplomada para segundo mandato

Nas eleições de 02 de outubro, Madalena (PSB), conquistou a vitória ao obter 21.103 votos, 
contra Nerianny Cavalcanti, do PTB, que somou 13.648 votos. (Fonte: Ascom – PMA ).

Reeleita prefeita de Arcoverde com 61% dos votos válidos, Madalena Britto foi diplomada para o seu segundo mandato na noite da última segunda-feira (19). A cerimônia de diplomação aconteceu no Esporte Clube Municipal e reuniu os vereadores eleitos e os respectivos suplentes, além de outras autoridades. Madalena Britto foi reeleita prefeita de Arcoverde no dia 02 de outubro com 21.103 votos.

A solenidade foi presidida pelo juiz da 57ª Zona Eleitoral, Cláudio Márcio Pereira de Lima, que ressaltou a importância da diplomação no processo eleitoral e advertiu aos eleitos sobre “os tempos sombrios que estamos vivendo e a crise que se avizinha. “Serão quatro anos com muita labuta e com um orçamento mais reduzido para administrar a cidade”.

Em seu discurso, Madalena frisou que pela segunda vez, recebe da Justiça Eleitoral e por delegação do povo de Arcoverde, o diploma de Prefeita do Município. “Na minha vida política, sempre me senti como uma servidora pública voltada para cumprir as responsabilidades do cargo tendo como principal obrigação ampliar a oferta de bens e serviços para a maioria da população, particularmente, aos mais necessitados”.

Diante de um clube lotado e em meio a muita emoção, Madalena citou o escritor Guimarães Rosas, e os ex-governadores Eduardo Campos e Miguel Arraes. Ela agradeceu a Justiça Eleitoral na pessoa do juiz Dr. Cláudio Márcio e de todos os seus servidores e também aos vereadores que foram diplomados. Finalizando, a Prefeita agradeceu a Deus, ao povo de Arcoverde e a sua família.

Liminar suspende aumento de salários de vereadores de São Paulo

Salário dos 55 vereadores paulistanos passaria, a partir de 1º de janeiro, de R$ 15.031,76
para R$ 18.991,68 mil reais. (Com informações e imagem do Jornal online O Globo).

O juiz Alberto Alonso Muñoz determinou neste domingo a suspensão, em caráter liminar (provisório), do reajuste do salário dos vereadores de São Paulo, aprovado no último 20. O magistrado aceitou os argumentos apresentados em ação popular de que o reajuste fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Pelo aumento aprovado por 30 votos a 11 na última sessão do ano, o salário dos 55 vereadores paulistanos passaria, a partir de 1º de janeiro, de R$ 15.031,76 para R$ 18.991,68 mil. O índice de reajuste foi de 26,3%.

O juiz Alberto Alonso Muñoz, que estava de plantão, entendeu que os artigos 18º e 21º da LRF impedem a aprovação de aumentos salarias 180 dias antes do final do mandato. A ação foi proposta pela bancária Juliana Donato, integrante do Movimento por uma Alternativa Independente e Socialista (Mais). “Não se trata de determinar que o subsídio não seja pago, mas sim de suspender o aumento aprovado pela Câmara Municipal em desacordo com o que prevê a dicção da Lei de Responsabilidade Fiscal”, escreveu Muñoz, no despacho em que barrou o aumento.

A Câmara pode recorrer da decisão. A liminar ainda será examinada pelo juiz que ficar responsável pela ação. O projeto de aumento foi proposto pelos vereadores Adílson Amadeu (PTB), Adolfo Quintas (PSD) e Milton Leite (DEM), um dos cotados para concorrer à presidência da Câmara no ano que vem. Eles argumentam que os salários dos vereadores não sofreram alteração nos últimos anos e dizem que o reajuste ficou abaixo da inflação no período, que foi de aproximadamente 32%.

Câmara aprova ensino de primeiros socorros para Educação Básica

A proposta será analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e
Justiça e de Cidadania.(Com informações da Agência Câmara Notícias).

A Comissão de Educação da Câmara Federal aprovou, no início do mês de dezembro, o Projeto de Lei 2822/15, que inclui o ensino de primeiros socorros no currículo dos alunos da educação básica. Pela proposta, do deputado Major Olímpio (SD-SP - foto acima), os conteúdos abrangerão parte teórica e prática, incluindo treinamento para desobstrução de vias aéreas, ressuscitação cardiopulmonar, identificação de situações de emergências e números de telefone dos serviços públicos de atendimento de emergência.

Ainda conforme o texto, os conteúdos serão ministrados também aos docentes, mediante convênio com os órgãos dos Corpos de Bombeiros Militares dos estados e do Distrito Federal. A proposta inclui dispositivo na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB - Lei 9394/96). O parecer da relatora, deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO, foto abaixo), foi favorável à proposta, com emendas trocando o termo “educação infantil, ensino fundamental e médio” por “educação básica” e aprimorando a técnica legislativa.

De acordo com a deputada, números do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde, mostram que, em 2012, 552 pessoas faleceram no País em razão de ocorrências de inalação ou de ingestão indevida. Em 2013, o número subiu para 631. “Essas mortes poderiam ser evitadas se profissionais da educação escolar básica fossem treinados em primeiros socorros e conhecessem procedimentos simples que podem salvar vidas”, defende a deputada Mariana Carvalho, do PSDB .

Tramitação - A proposta será analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.
.