sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Izaías vai implementar Núcleo de Práticas Administrativas na Aesga

O intuito do NIPA é oferecer capacitações e consultorias, além de disponibilizar
Atendimento a esses profissionais.( Informações e imagens: Secom – PMG).

O Prefeito Izaías Régis assinou na manhã, desta sexta-feira (9), um convênio com o Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas de Pernambuco (Sebrae), por meio da Unidade Agreste Meridional e com a Autarquia de Ensino Superior de Garanhuns (AESGA), que implementará o Núcleo Integrado de Práticas Administrativas (NIPA).

O intuito do NIPA é oferecer capacitações e consultorias aos Micro e Pequenos Empreendedores e Microempreendedores Individuais (MEI), além de disponibilizar atendimento a estes profissionais. De acordo com o Prefeito Izaías Régis o número de pessoas formalizadas cresceu, nesta gestão, e já foram registradas mais de 3.400 formalizações.“É importante oferecer à população mais acesso à capacitação e ensino técnico para que assim os profissionais possam ter mais informações e crescerem em seus negócios”, comentou Régis.

O gestor do projeto, Jefferson Fernandes, destacou que a iniciativa vai colaborar diretamente para a formação de novos empreendedores. “Serão promovidas diversas atividades, entre palestras, consultorias e oficinas. Outro ponto de destaque é o horário que vai funcionar o espaço, à noite. Ou seja, quem trabalhar o dia inteiro, terá esse tempo”, enfatizou o analista do Sebrae. Já a Aesga entrará com todo o corpo técnico e atendimento. O NIPA funciona nas dependências da autarquia, localizada na Avenida Caruaru, Heliópolis.

NA TRIBUNA DO SENADO: Armando Monteiro acusa Governo de Pernambuco de omissão com relação ao combate a seca

Segundo Armando, o governo de PE ignorou os alertas de especialistas, que ainda em 2012, apontavam
que estava se avizinhando um período de seca mais severa do que a vivida no biênio 1983-84.

O senador Armando Monteiro (PTB-PE) acusou, nesta quinta-feira (8) o Governo do Estado de não haver se preparado adequadamente para enfrentar a Seca em Pernambuco, considerada a pior dos últimos 60 anos. Em discurso no plenário do Senado, enfatizou que “faltaram pró-atividade e capacidade de antecipação ao quadro de colapso” provocado pela estiagem, sobretudo no Agreste.

Segundo Armando, o governo estadual ignorou os alertas de especialistas que, ainda em 2012, apontavam que estava se avizinhando um período de seca mais severa do que no biênio 1983-84. Disse que, apesar do alto grau de vulnerabilidade do Agreste a estiagens, pela alta densidade demográfica e pela natureza das suas atividades produtivas e inexistência de reservas subterrâneas, somente agora, depois dos efeitos econômicos e sociais “devastadores” da seca, o governo local está tomando providências e com resultados apenas a partir do próximo ano.

“O Governo do Estado tinha alternativas. Ou se prepararia para assumir, com aportes de recursos, a obra da Adutora do Agreste e assim contribuiria para sua conclusão, ou buscaria outras opções, que somente agora estão sendo providenciadas, em caráter emergencial, depois de se constatar a crise de abastecimento d´água e de se assistir a graves perdas econômicas”, assinalou.

O senador petebista salientou que ficará apenas para 2017 a conclusão de obras como a Adutora do Pirangi, financiada pelo Banco Mundial, a perfuração de poços profundos em Tupanatinga e a construção do sistema Adutor do Moxotó, que dependem de recursos do governo federal,  cuja liberação anunciou que irá cobrar. “Até lá, infelizmente, o sofrimento da população continuará, como admitiu o presidente da Compesa, Roberto Tavares”, acrescentou.  

Perdas dramáticas -  Armando Monteiro listou, no seu discurso, algumas das perdas econômicas provocadas pela seca, que classificou como “dramáticas”, especialmente no Agreste:

*queda de 9,2% no PIB da agropecuária no primeiro semestre, comparativamente a igual período de 2015;

*redução de 25% na produtividade da bacia leiteira, que caiu de 2,5 milhões para 1,4 milhão de litros diários de leite, enquanto a produção de queijo diminuiu para menos da metade, de 40 mil quilos/dia para 18 mil;

*fechamento de 40% das lavanderias usadas na produção de jeans do polo de confecções, cuja produção, de 720 milhões de peças em 2015, cairá em 20 milhões de peças este ano, pela escassez de água;

*desativação de vários aviários, cuja atividade necessita de 700 carros pipa diariamente;

*nada menos do que 25 dos 71 municípios do Agreste dependem exclusivamente, para acesso à água, de carros pipa,  cujo preço dobrou, pulando de R$ 150 para R$ 300 cada.

DE SEXTA A DOMINGO: Super Oara e programação infantil marcam o quinto final de semana do Natal Luz de Garanhuns

Sábado, no Palco Prefeitura, se apresentam: Marcelo Francisco, com o show “Falando de Amor”, 
e a Orquestra Super Oara – uma das atrações mais esperadas deste ano do NatalLuz. (Secom – PMG).

Em seu quinto final de semana, o Natal Luz de Garanhuns contará com apresentações na avenida Santo Antônio, praça Souto Filho e comunidade quilombola Castainho. A partir desta sexta-feira (9), a cidade se torna ponto de encontro de amigos e famílias inteiras de Pernambuco e outros estados da região Nordeste, até a noite do domingo (11).

Nesta sexta-feira (9), o Palco Prefeitura, instalada no centro da cidade, abre as ações. A partir das 19h30min, se apresentam, em frente ao Palácio Celso Galvão, o Reisado do Mestre João Tiubúrcio, Coral do Presbitério, musical “Um Natal Inesquecível”, da Quarta Igreja; e a Orquestra Anjo Dourado – última atração da noite, que deve subir ao palco por volta das 22h.

No sábado (10), às 18h, o Polo Infantil, na praça Souto Filho, onde está situada a Fonte Luminosa, recebe o grupo Animatrilha Fantoches, com o espetáculo “O Natal Feliz de Joãozinho e Mariazinha”. No mesmo horário, na avenida Santo Antônio, acontece o tradicional Desfile de Papai Noel.

Já no Palco Prefeitura, ainda no sábado, os shows musicais começam às 20h, quando se apresentam Marcelo Francisco, com o show “Falando de Amor”, e a Orquestra Super Oara – uma das atrações mais esperadas da temporada 2016 do Natal Luz de Garanhuns.

Quem estiver no município, no domingo (11), poderá participar da ação itinerante ‘Natal Luz nos Distritos’, que vai levar a magia do período natalino para a comunidade quilombola Castainho, onde se apresenta, a partir das 17h30min, a Cia Fisa D’arte, com o espetáculo “Um Natal para Jasmim”; o xaxado do quilombo Caluete, a cantata “Então é Natal”, da Escola de Referência de Garanhuns; e a cantora Michelly dos Anjos.

Na área urbana, na noite de domingo, poderá ver o Desfile de Papai Noel, às 18h, na avenida central, e aguardar o Palco Prefeitura, que funciona a partir das 19h30min, com o musical “O Verdadeiro Sentido do Natal”, do Colégio Monsenhor Adelmar da Mota Valença (CMA); a apresentação “Música dos Sentidos”, com a participação de pessoas de São Bento do Uma (PE); e o cantor Hercinho Gouveia.

       Casa de Papai Noel – A atração permanece funcionando no sábado e domingo, sempre a partir das 19h, em frente ao Palácio Celso Galvão.
.

NILTON MOTA: “Armando tenta tirar proveito eleitoral de uma seca e no Senado, ele tem discurso oportunista”

De acordo com o secretário, o senador não contibui em nada com o tema da seca e teria 
ficado calado quando o Governo Dilma, praticamente parou a Adutora do Agreste.

O secretário de Agricultura do Governo de Pernambuco, Nilton Mota enviou nota oficial a imprensa pernambucana onde rechaça com veemência a recente posição adotada pelo senador da república Armando Monteiro Neto do PTB, onde em um discurso na tribuna do Senado, o petebista teria feito menção a seca vivida no nordeste, ao mesmo tempo que teria criticado como o governo pernambucano combate essa adversidade, que diga-se de passagem, contempla todos os estados nordestinos.

Segundo a comunicação enviada pela assessoria de imprensa do Governo Estadual, e segundo posição defendida por Nilton, o governador Paulo Câmara, assim como os outros governadores nordestinos têm alertado a União para o problema da seca na Região desde o Governo Dilma, o mesmo governo do qual inclusive, Monteiro faz parte. Contudo, e de acordo com o secretário, o senador não vinha contribuindo em nada com o tema, e especificamente teria ficado calado quando o Governo Dilma, que ele fez parte como ministro, praticamente parou a Adutora do Agreste, ato este de Armando, que Milton considera como missão.

Abaixo, segue, na íntegra, a comunicação enviada por Nilton Mota:


Nilton: "Armando silenciou sobre obras hídricas"

"É lamentável que o senador Armando Monteiro venha tentar tirar proveito eleitoral de uma seca que aflige, há seis anos, os milhões de nordestinos e não apenas os pernambucanos. Dos R$ 2,5 bilhões investidos até agora pelo Governo Paulo Câmara, R$ 682 milhões foram em recursos hídricos, 30%, portanto. A Compesa, sozinha, investiu mais de R$ 500 milhões, o que soma quase R$ 1,2 bilhão em investimentos na área. Talvez o senador, por viver tão distante de Pernambuco, não tenha essas informações.

O governador Paulo Câmara e seus colegas do Nordeste têm alertado a União para o problema da seca na Região desde o Governo Dilma, o mesmo do qual o senador fez parte. Já o senador Armando ficou calado quando o Governo Dilma, do qual ele fazia parte como ministro, praticamente parou a Adutora do Agreste. Ele simplesmente se omitiu.

O governador Paulo Câmara não ficou parado e determinou a construção de uma alternativa para levar água da Mata Sul para o Agreste, por meio do Sistema Pirangi, que vai captar água no rio de mesmo nome, em Catende, na Mata Sul, para incrementar o Sistema do Prata. E vai entrar em operação no início de 2017.

Há poucos dias, o governador Paulo liderou uma reunião dos governadores nordestinos que foi decisiva na negociação com o Governo Federal para assegurar mais recursos para a nossa região. Inclusive amanhã (09/12) será dada pelo Governo Federal, Ordem de Serviço para execução de obra de R$ 34 milhões para levar água da Barragem de Sirigi (Mata Norte) a nove municípios do Agreste Setentrional. Desde o início de 2015 o Governo de Pernambuco tinha disponibilizado o projeto à Presidente Dilma, que nada fez. Pergunta-se assim, qual iniciativa produtiva sobre a questão o senador fez até o momento?

O Governo de Pernambuco fez uma reunião com a bancada federal para discutir as prioridades de Pernambuco no Orçamento Geral da União e o senador se ausentou. Em parceria com a bancada federal, o governador Paulo conseguiu priorizar as emendas parlamentares para a área de recursos hídricos. Não é com discursos oportunistas na tribuna do Senado - visando apenas projetos eleitorais pessoais - que vamos enfrentar e vencer o desafio da convivência com a seca".


Nilton Mota
Secretário de Agricultura e
       Reforma Agrária de Pernambuco