segunda-feira, 1 de agosto de 2016

PRAÇA LOTOU: Mais de 50 mil pessoas na última noite do FIG

Com uma média de 16ºC de temperatura e pancadas de chuva, a cidade estava vestida com
a estação, fazendo jus a um dos principais símbolos do festival. (Secom – PMG).

O polo principal do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), a Praça Cultural Mestre Dominguinhos, ficou lotada na noite do último sábado (30) e madrugada de domingo (31). De acordo com a Polícia Militar (PM), cerca de 52 mil pessoas estiveram prestigiando o encerramento do evento, número que, somado às pessoas que formavam filas no entorno da praça para conseguir um espaço e assistir aos shows. Com uma média de 16ºC de temperatura e pancadas de chuva, a cidade estava vestida com a estação, fazendo jus a um dos principais símbolos do festival.

   A primeira atração da noite foi a cantora garanhuense Kiara Ribeiro (foto acima). Se apresentando pela quinta vez no FIG, a cantora levou para a plateia o show intitulado “Todos os Sons, Todas as Cores” – na noite, ela trouxe interpretações variadas, viajando por diversas vertentes, envolvendo o público com a essência de sua música expressa pelo som percussivo. Logo em seguida, quem subiu ao palco o cantor e compositor Sérgio Roberto Veloso, mais conhecido pelo nome artístico de “Siba”. Considerado por muitos como um dos melhores músicos pernambucanos, o artista apresentou canções do álbum “De Baile Solto”, lançando em 2015. Um show repleto de ciranda e maracatu de baque solto.

Com 15 anos de carreira, o forró da banda caruaruense Fulô de Mandacaru invadiu a Praça Mestre Dominguinhos. A banda, liderada pelo trio de forrozeiros Armandinho, Pingo Barros e Bruno Mattos logo teve o retorno do público numa interação que resultou num grande coral. A atração responsável pelo encerramento do FIG foi a banda de rock Biquíni Cavadão. Formada em 1983, no Rio de Janeiro (RJ), o grupo apresentou diversos sucessos do disco “Me leve sem destino”. A banda está celebrando em 2016, 30 anos de carreira e de muito sucesso.
.

GARANHUNS: Castelo de João Capão é o mais novo polo do FIG

Este é o primeiro ano que o polo foi incluído na programação oficial, com atividades
durante os dois finais de semana do evento. (Fonte: Secom – PMG).

A 26ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns contou com mais um polo de atividades para promover a pluralidade de ações paralelas. O Castelo de João Capão, famoso por ser um dos principais atrativos turísticos do município, recebeu diversos encontros, shows e oficinas. Este é o primeiro ano que o polo foi incluído na programação oficial, com atividades durante os dois finais de semana do evento, encerrado na madrugada deste domingo, 31 de julho.

O primeiro fim de semana foi marcado por muita música; bandas de reggae, rock e muita música regional fizeram parte da programação; além da apresentação de teatros de rua e grupos de dança. Durante a manhã desse sábado (30), foi realizada uma oficina de ritmos afro-brasileiros, ministrada por Wilson Santos, que utilizou instrumentos de percussão para explicar as origens e variações de diversos ritmos. Durante à tarde, o público pôde conferir as apresentações do Projeto Batuque e da Orquestra de Tambores de Alagoas.

A ideia inicial foi de promover os artistas locais dentro da programação do festival. A filha do construtor do castelo, Soneide Valéria, falou sobre a importância do funcionamento do espaço durante o FIG. “Muitas pessoas sempre vieram aqui, e agora além dos shows também promovemos a venda de artesanatos e peças de barro para os moradores de Garanhuns e turistas”, completou. 

O paraibano Domingos Sobrinho aproveitou o fim de semana para vir à Garanhuns e visitar o castelo. “Essa é a segunda vez que eu venho pra cá, e pretendo voltar mais vezes. Porque o espaço é muito bonito, não apenas o castelo, mas toda Garanhuns. A viagem é cansativa, mas vale a pena”, finalizou.
.

Após 10 dias, chega ao fim, o 26º Festival de Inverno de Garanhuns

Foram 500 ações artísticas de todos os segmentos, em mais de vinte polos de programação. O público
circulante chegou a marca das 350 mil pessoas durante os dez dias do evento (Secom - PMG).

Depois de intensos dez dias de atividades artísticas, culturais e de formação, pela 26ª vez, o Festival de Inverno de Garanhuns se consagra como um dos maiores do país, pela qualidade, diversidade e público visitante. Homenageando o músico Naná Vasconcelos, pela sua brilhante contribuição à arte e a cultura do país, o 26º FIG foi um sucesso e atraiu visitantes e turistas de todo agreste e outras partes do país.

Tendo como grande vitrine o palco da Praça Mestre Dominguinhos – onde se apresentaram grandes nomes da música nacional, a exemplo este ano de Gal Costa, Elza Soares, Elba Ramalho, Alceu Valença, Zeca Baleiro, Otto, Margareth Menezes e Biquini Cavadão – o FIG é cada vez mais, também, das artes visuais, do teatro, do circo, da dança, da literatura, do audiovisual, do artesanato, dos patrimônios culturais, dos pontos de cultura e também da educação. 

Foram 500 ações artísticas de todos os segmentos, em mais de vinte polos de programação, e um público circulante que girou em torno de 350 mil pessoas. O orçamento reduzido não impactou na qualidade das ações e no incremento do formato. Este ano, algumas novidades foram apresentadas: o projeto Som na Rural, que durante oito dias apresentou uma mostra de músicos e bandas da cena contemporânea mais autoral e experimental de Pernambuco.

Destaque também para a 1ª Mostra de Teatro Alternativo, na Casa Galeria Galpão, bem como a realização de 15 Intervenções Teatrais de Rua, ação que pretende atingir novos públicos para o teatro. Feito em parceria com o Movimento de Teatro Popular de Pernambuco, aconteceu nas ruas, feiras e praças, com diversos grupos de teatro de rua com uma proposta dramatúrgica de discutir temas e questões comuns que fazem parte da realidade de muitos, como o racismo, a política, a violência contra a mulher, etc. Estima-se que até 7 mil pessoas tenham sido atingidas com esta ação.

Novidade também foi a volta do circo para o Parque Euclides Dourado, a mudança de endereço do Palco Pop Forró e a ampliação do projeto Outras Palavras, um programa da Fundarpe e Secult de estímulo a ações articuladas entre Cultura e Educação.

Realizado pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura de Pernambuco e da Fundarpe, o FIG, este ano contou com recursos públicos da ordem de R$ 6.5 milhões. Em 2015, o Governo do Estado celebrou parcerias importantes. Além da Prefeitura de Garanhuns, o evento contou com a CEPE e o Sesc, que custearam ações na Praça da Palavra, além de no teatro e dança. Já o Sebrae, foi parceiro na execução do Armazém da Arte e Negócios, que levou mestres artesãos pernambucanos para expor e vender seus produtos no Pavilhão. Com público recorde, o Armazém promoveu negócios na ordem de R$ 100 mil reais.
.

BRASÍLIA: Câmara discute renegociação de dívidas dos Estados

Governadores do Norte e do Nordeste consideram que não foram muito beneficiados com as 
novas regras, pois as dívidas se concentram em estados do Sul e Sudeste. (Agência Câmara Notícias).

O Plenário da Câmara dos Deputados terá sessão extraordinária na segunda-feira (1º), às 16 horas, para analisar o projeto de lei complementar com novas regras para o pagamento da dívida dos estados com a União (PLP 257/16). Também haverá sessão extraordinária na manhã de terça-feira (2) para analisar a proposta. Originalmente, o projeto apresentado pelo Poder Executivo alonga por mais 20 anos o pagamento dessas dívidas se forem adotadas restrições de despesas por parte dos governos estaduais, principalmente na área de pessoal, algo que tem causado algumas reações contrárias.

Após negociações fechadas com o governo interino de Michel Temer, o relator do projeto, deputado Esperidião Amin (PP-SC), incorporará em seu relatório novos benefícios, como o pagamento de parcelas menores a partir do próximo ano, com aumento gradativo até junho de 2018 e carência até dezembro. Segundo o acordo, a partir de janeiro de 2017, os estados começarão a pagar 5,5% da parcela devida, que aumenta mês a mês até atingir 100% em 2018. A ideia é dar fôlego aos estados para recuperarem suas finanças. Entretanto, governadores de estados do Norte e do Nordeste consideram que não foram muito beneficiados com as novas regras, pois as dívidas se concentram em estados das regiões Sul e Sudeste brasileiro.

Relatório final do impeachment será apresentado nesta terça, dia 2

Após a leitura do relatório na terça, a discussão do documento tende a ser feita na quarta (3), 
enquanto que a votação, deve ocorrer na quinta-feira (4). (Fonte: Agência Senado).

O relator da Comissão Especial do Impeachment, Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresenta na próxima terça-feira (2), em reunião marcada para as 12h,  o seu relatório final. Após a leitura, será dado aos senadores um prazo de 24 horas para a análise do documento, a chamada vista. Também na terça os aliados da presidente afastada, Dilma Rousseff, devem entregar um texto alternativo ao de Anastasia.

Além disso, segundo informou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), os senadores aliados de Dilma vão apresentar dois requerimentos. Um deles pede o depoimento do procurador da República no Distrito Federal, Ivan Marx. Ele recomendou o arquivamento de um processo que investiga a prática de crime de responsabilidade por integrantes da equipe econômica de Dilma no atraso de pagamento da União ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na avaliação do procurador, não existiram pedaladas fiscais nesse caso.

Com base nesse parecer, os aliados de Dilma solicitarão ainda a retirada da denúncia relativa às pedaladas do Banco do Brasil relacionadas ao Plano Safra. É um fato que veio após essa fase de instrução e que o Senado desconhecia. Não é possível o Senado, como órgão julgador, desconhecer o parecer de um procurador que não vê crime nessa ação, que foi a ação, que, desde o início, deu base para o processo de impeachment da presidente - declarou Gleisi.

A senadora Simone Tebet (PMDB-MS), que é favorável ao afastamento definitivo de Dilma Rousseff, acredita que os requerimentos serão rejeitados. Não é mais possível, ao meu ver, porque essa fase já se encerrou. Esse não é um processo penal em que se pode alegar fatos novos, que não é fato novo; é apenas a opinião de mais um procurador. Não tem nada de novo para se fazer o processo voltar para trás - defendeu Tebet.

Calendário - O cronograma da Comissão Especial de Impeachment prevê que, lido o relatório na terça-feira, a discussão do documento seja feita na quarta (3) e a votação na quinta-feira (4). Se o relatório do senador Anastasia for aprovado, o parecer da comissão especial seguirá para o Plenário do Senado, onde deverá ser votado em 9 de agosto.