terça-feira, 31 de maio de 2016

Aumenta arrecadação de impostos do Governo de Pernambuco no primeiro quadrimestre, mas crescimento, fica abaixo da inflação

O crescimento, de acordo com os dados apresentados ontem, 31 de maio, foi de 3,1%, mas 
ficou abaixo da inflação. (Com informações e imagem do Jornal do Comércio Online)

De acordo com o relatório fiscal do Governo do Estado, apresentado ontem, 31 de maio, na Assembleia Legislativa de Pernambuco, pelo recém empossado Secretário a Fazenda, Marcelo Barros (foto), Pernambuco obteve uma arrecadação de R$ 9,6 bilhões no primeiro quadrimestre do ano, contra R$ 9,3 bi contabilizado no mesmo período do ano passado. O crescimento, de acordo com os dados apresentados na Alepe, ontem, foi de 3,1%, mas ficou abaixo da inflação calculada para o mesmo período.

O caixa estadual perdeu receitas com o ICMS, Fundo de Participação dos Estados (FPE) e operações de crédito. No primeiro quadrimestre de 2015, o Estado arrecadou, via ICMS, R$ 4,3 bi, contra R$ 4,2 bi no mesmo período de 2016. “Entraram cerca de R$ 48 milhões a menos, o que representa uma queda de 1,9%. O ICMS é ligado diretamente ao consumo e houve redução do poder de consumo como consequência do entrave da atividade econômica no País”, destacou o Secretário da Fazenda.

O FPE, que é uma parte dos recursos repassados pela União aos Estados com base na arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), também foi responsável por diminuir a receita pernambucana. De janeiro a abril, via FPE, o governo estadual obteve R$ 1,8 bi contra R$ 1,9 bi na mesma época em 2015. “Foram R$ 80,3 milhões a menos. Uma queda de 4,2%, resumiu Marcelo Barros. A oposição ao Governador Paulo Câmara (PSB), não compareceu à apresentação o relatório fiscal.

ELEIÇÕES 2016: Givaldo prega união para a Frente Popular de Garanhuns e defende que o Governador estará em seu palanque

De acordo com Givaldo, alguns partidos da Frente Popular aqui em Garanhuns, já fecham 
com seu nome para seguir a disputa pelo executivo local nas eleições de 2016. 

Ao falar com exclusividade ao blog do Gidi Santos nesta terça-feira, 31 de maio, o empresário, ex-vereador e potencial candidato a Prefeito de Garanhuns pela ala oposicionista, Givaldo Calado de Freitas, do Partido Progressista (PP), voltou a pregar a união entre os quase 20 partidos que compõe a Frente Popular de Pernambuco, chamada aqui no município de “Frente Popular de Garanhuns”. Para Givaldo, a eleição de 2016 será atípica, de renovação e exigirá de todos, sabedoria, já que a política, segundo Calado, é a arte da paciência. Ainda de acordo com Givaldo, caso ele venha a ser candidato, contará com o Governador Paulo Câmara em seu palanque.

Sobre os partidos da “Frente”, aqui em Garanhuns, de acordo com ele, alguns já fecham com seu nome para seguir a disputa pelo executivo local. Apesar de haver ainda, alguns poucos arredios a sua candidatura, ele se mostrou tranquilo ao ser indagado se o bloco de oposição estaria se fragmentado na cidade. “Olhe veja bem, nós precisamos definir com maturidade o nosso candidato. Não vejo afastamento por parte de ninguém. Agora é preciso dizer que nós precisamos de pessoas que somem e não desagreguem”, defendeu Givaldo de forma serena.

Ainda sobre a eleição de outubro, Calado garante que embora algumas pesquisas divulgadas apontem para um quadro favorável ao atual Prefeito Izaías, nada impede que isso possa ser revertido. Questionado sobre essa questão, Givaldo lembrou a primeira eleição do ex-governador, falecido em trágico acidente aéreo, Eduardo Campos, que ao disputar seu primeiro mandato contra o então, bem avaliado Governador em exercício, Mendonça Filho, chegou a aparecer nas pesquisas com 3% por cento de intenção de votos, sendo que ao final, ele (Eduardo) acabou vencendo as eleições.
.

“Eu entendo que avaliação serve para mensurarmos a gestão, não para indicativo de votos nas urnas. Nosso povo é livre, independente. Pensa por si só e já deu provas que não se rende a cabrestos eleitoreiros. O nosso saudoso ex-Governador entrou na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas em 2006 com 3% de intenção de votos, contra a gestão bem avaliada de Jarbas Vasconcelos, que escalou Mendonça Filho para a disputa. Todos vimos o que aconteceu. Eduardo durante a campanha, contornou a avaliação positiva de Jarbas e Mendonça, ganhando a eleição com uma vantagem esmagadora. Em Garanhuns isso não será diferente”, defendeu Calado de Freitas à nossa redação.

Ainda na entrevista concedida ao Blog do Gidi Santos, o “homem do Palace Hotel”, voltou a posicionar o Governador Paulo Câmara como maior líder da Frente Popular e ainda garantiu que embora ele tenha saído do partido de Paulo Câmara, o PSB, isso não dever ser impeditivo para que o Governador esteja em seu palanque. “Eu fui filiado ao PSB em 1992, com aval do ex-governador Miguel Arraes. Ele (Arraes) abonou minha filiação ao partido. Quando resolvi seguir ao PP consultei nosso maior líder, o Governador Paulo Câmara, que me disse: pode ir para o PP. Você vai sair do PSB, ficando. Eu perguntei: como assim? Quem sai, sai. Quem sai não fica. Ele (o Governador) sorriu e me disse: você vai sair, ficando, porque você estará na Frente Popular de Garanhuns”, afirmou Givaldo.

Indagado até que ponto as reuniões da Frente Popular de Garanhuns tinham progredido em torno de seu nome, Givaldo ponderou, defendendo que tudo é uma questão de muita conversa e de muito estudo. “Olha as conversas tem sido sempre produtivas. Todos tem sido solícitos. Agora para a definição de nossa chapa será necessário um pouco mais de tempo. Precisamos levantar mais algumas informações. Sabemos esperar e no momento certo apresentaremos nossa chapa, que desde já quero dizer, olha para o futuro de Garanhuns”, cravou Calado já em tom de campanha.
.