sábado, 9 de abril de 2016

Em Caruaru, 8 candidatos devem concorrer nas eleições de outubro. Delegado que já atuou em Garanhuns estará na disputa

O Delegado de Polícia Civil Erick Lessa, que já atuou em Garanhuns, vai disputar a eleição
municipal em Caruaru pela primeira vez. Ele será candidato pelo PR. (Fonte: Blog do Mário Flávio)

A eleição deste ano em Caruaru promete ser uma das mais quentes dos últimos anos. Na terra de Vitalino teremos candidaturas dos principais grupos da política local, além claro de alguns novos nomes no pleito. O atual Prefeito, José Queiroz (PDT) venceu o primeiro round com os Lyra e ficou com o PSB. Com isso, ele vai apoiar o nome de Jorge Gomes, atualmente seu vice e também do PSB. No entanto, os adversários são páreos duro para entrar na disputa. Líder nas pesquisas, o deputado estadual Tony Gel (PMDB) deve voltar ao pega pela prefeitura.

Outro nome de peso é Raquel Lyra, que após ser rifada pelo PSB ingressou no PSDB do Deputado estadual e presidente da legenda em Pernambuco, Antônio Moraes. Raquel vem com o aval do pai, o ex-governador João Lyra. Rivaldo Soares (PHS) também volta a disputar o pleito. Outro que vai mais uma vez tentar chegar ao Palácio Jaime Nejaim é Eduardo Guerra, pelo PSOL. O delegado Erick Lessa vai disputar a eleição pela primeira vez. Ele será candidato pelo PR. O mesmo ocorre com o presidente do Sismuc, Eduardo Mendonça, que vai enfrentar as urnas pelo PMN.

O presidente do Sindecc, Milton Manoel, também vai entrar na contenda. Ele já recebeu o aval do PCB e organiza o partido para confirmar a candidatura. As incógnitas nesse processo estão no PT e Rede. O Partido dos Trabalhadores apresentou o nome de Adilson Lira, mas o PT pode ainda apoiar o nome de Jorge Gomes ou até mesmo do delgado de Polícia Civil Erick Lessa, que inclusive já atuou em Garanhuns. A Rede decide em junho o futuro. O partido pode desembarcar no apoio a Raquel Lyra, Tony Gel ou até mesmo ter um nome próprio à disputa.

Confirmados na corrida pela Prefeitura de Caruaru em 2016 estão:
Raquel Lyra (PSDB); Jorge Gomes (PSB); Tony Gel (PMDB); Erick Lessa (PR);
Outros nomes confirmados para a disputa em Caruaru são: Rivaldo Soares (PHS);
Eduardo Mendonça (PMN); Eduardo Guerra (PSOL) e Milton Manoel (PCB).

CORRIDA PRESIDENCIAL: Lula (21%) e Marina (19%) lideram pesquisa, aponta levantamento do instituto Datafolha

No cenário em que o candidato tucano é Aécio Neves, Lula aparece com 21% da intenção dos votos. 
Marina tem 19%, enquanto o senador Aécio Neves aparece com 17%. (Correio Braziliense)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) lideram as pesquisas de intenções de voto para presidência da República. Pesquisa Datafolha divulgada hoje (9/4) traçou quatro cenários, com diferentes nomes de candidatos do PSDB. O senador mineiro Aécio Neves aparece com porcentual maior de votos do que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do que o senador paulista José Serra. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para cima ou para baixo. Foram ouvidas 2.779 pessoas entre os dias 7 e 8 de abril.

No cenário em que o candidato tucano é Aécio Neves, Lula aparece com 21% da intenção dos votos. Marina Silva tem 19%, enquanto Aécio Neves aparece com 17% dos votos. Marina está empatada tecnicamente com Lula e com Aécio. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), com 8% dos votos, e o ex-ministro Ciro Gomes (PTD), com 7% dos votos, também aparecem entre os mais votados. O vice-presidente Michel Temer (PMDB) teria 2% dos votos.

Em relação à última pesquisa, realizada nos dias 17 e 18 de março, Lula subiu quatro pontos porcentuais. Marina e Aécio oscilaram dois pontos porcentuais para baixo. Bolsonaro oscilou dois pontos para cima, sendo acompanhado por Ciro, com um ponto de variação, dentro da margem de erro. No cenário 2, com o nome de Geraldo Alckmin, Marina aparece com 23% das intenções de voto, empatada tecnicamente com Lula (22%). Alckmin teria 9%, seguido por Ciro Gomes e Bolsonaro, ambos com 8%.

Marina ficou estável em relação à pesquisa de março, enquanto Lula ganhou cinco pontos porcentuais (pp). Alckmin oscilou 2 pp para baixo. Ciro oscilou um ponto para cima e Bolsonaro, dois pontos. Temer aparece com 2% da intenção dos votos.

O cenário 3, com o nome de José Serra, aponta Marina e Lula com 22% da intenção dos votos. Serra teria 11% dos votos. Bolsonaro e Ciro Gomes aparecem com 7%. Temer teria 2% dos votos. Em relação ao mais recente levantamento até então, Marina oscilou dois pontos para baixo. Lula subiu 5 pontos porcentuais. Serra também oscilou 2 pp para baixo. Bolsonaro e Ciro Gomes ficaram estáveis.

Em um quarto cenário, no qual os três possíveis candidatos do PSDB estariam hipoteticamente na disputa, Lula lidera com 21% da intenção dos votos. Marina aparece em segundo lugar, com 16%. Aécio Neves teria 12% dos votos, seguido pelo juiz federal Sérgio Moro, com 8%. Serra e Alckmin aparecem empatados com 5%, atrás de Bolsonaro e Ciro Gomes, ambos com 6%. Nesse cenário, Temer teria apenas 1% dos votos. Lula, nessa simulação, ganhou 4 pontos porcentuais. Marina oscilou 1 ponto para baixo, enquanto Aécio teve oscilação negativa de 2 pp. Moro, juiz responsável pela Operação Lava Jato, ficou estável.

REJEIÇÃO

Embora divida a liderança com Marina Silva em três dos quatro cenários propostos, Lula continua sendo o possível candidato com maior taxa de rejeição, em 53%. Aécio Neves aparece na sequência, com 33% de rejeição, seguido pelo vice-presidente Michel Temer, com 27%. A taxa de rejeição de Marina Silva está em 20%.

LEVANTAMENTO: Aprovação ao governo Dilma oscila de 10% para 13% e apoio ao Impeachment cai de 68% para 61%, diz Datafolha

O porcentual de brasileiros que classificam o governo Dilma como ruim ou
péssimo seguiu direção contrária e oscilou. (Com informações do Dário e Folha – PE)

A taxa de aprovação ao governo da presidente Dilma Rousseff apresentou leve recuperação, de acordo com pesquisa Datafolha. O número de brasileiros que acreditam que o governo Dilma é bom ou ótimo oscilou de 10% em pesquisa realizada entre os dias 17 e 18 de março para 13% entre 7 e 8 de abril. Esta é a primeira vez que a aprovação ao governo Dilma sobe desde a pesquisa realizada em dezembro passado. Foram ouvidas 2.779 pessoas em 170 municípios.

O porcentual de brasileiros que classificam o governo Dilma como ruim ou péssimo seguiu direção contrária e oscilou de 69% para 63%. Esta é a taxa mais baixa de reprovação do governo Dilma desde abril do ano passado. O porcentual daqueles que consideram o governo Dilma regular oscilou de 21% para 24%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais, para cima ou para baixo. A nota média do governo Dilma, segundo a pesquisa, é de 3,5, em uma avaliação de zero a dez.

CAI O APOIO AO IMPEACHMENT DE DILMA

A aprovação ao impeachment da presidente Dilma Rousseff caiu nas últimas semanas. Pesquisa Datafolha divulgada hoje aponta que a taxa favorável ao impeachment da presidente encolheu de 68% para 61%. Já o porcentual daqueles que são contra o fim antecipado do mandato de Dilma Rousseff subiu de 27% para 33%. O novo levantamento foi realizado entre os dias 7 e 8 de abril e questiona se os deputados deveriam votar a favor ou contra o afastamento de Dilma Rousseff. A pesquisa anterior havia sito realizada entre os dias 17 e 18 de março deste ano.

A pesquisa também questiona se Dilma Rousseff deveria ou não renunciar à presidência. Neste caso, a saída da presidente é defendida por 60% das pessoas ouvidas. Na pesquisa anterior, o número daqueles que defendiam a renúncia de Dilma estava em 65%. Outros 37% das pessoas consultadas nos últimos dois dias acham que Dilma Rousseff não deveria renunciar ao posto. O levantamento ouviu 2.779 pessoas em 170 municípios. Para 49% dos pesquisados a presidente Dilma Rousseff será afastada do cargo. Entre aqueles que acreditam que ela não será afastada, o porcentual cai para 43%.

NÃO TEM CRISE: Em Caruaru, no Agreste pernambucano, reajuste de 66% para vereadores agora é oficial

O projeto, em virtude da sanção tácita do prefeito José Queiroz, foi promulgado
pelo presidente da Casa, vereador Leonardo Chaves. (Blog da Foha)

A crise realmente passa muito distante da Câmara de Vereadores de Caruaru. Os edis fecharam o ciclo do reajuste nos salários para a próxima legislatura. O projeto foi publicado no Diário Oficial do município oficializando o vencimento de R$ 15 mil para cada um dos seus futuros ocupantes, um reajuste de 66%.

O projeto, em virtude da sanção tácita do prefeito José Queiroz, foi promulgado pelo presidente da Casa, vereador Leonardo Chaves.E por falar em presidente, o futuro comandante da Câmara de Caruaru terá direito a uma verba de representação de 60% do valor atribuído ao subsídio mensal do vereador., em virtude da “representatividade pública e institucional”.

A legislação determina que os reajuste nos parlamentos brasileiros só podem ser atribuídos para a legislatura seguinte. Geralmente os aumentos são concedidos no fim do ano, após o período eleitoral. Este ano, Gravatá tentou antecipar a discussão, mas abortou. Caruaru promoveu o reajuste de 66% e os vereadores do Recife, em virtude da grave crise pela qual o País atravessa decidiram não reajustar os salários.