.

.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Saiba quais os suplentes assumirão as vagas dos Deputados pernambucanos que passam a ser Ministros de Estado

Assumem as vagas de deputados, pela ordem de quem recebeu mais votos, Creuza Pereira (PSB), 
Severino Ninho (PSB), Guilherme Coelho (PSDB) e Roberto Teixeira (PP). (Fonte: JC Online)

Com a nova composição dos ministérios anunciada ontem, pelo agora, interino, Presidente da República, Michel Temer, quatro suplentes devem assumir os mandatos. Pela ordem dos que receberam mais votos – assumirão, a ex-prefeita de Salgueiro Creuza Pereira (PSB), o ex-deputado federal Severino Ninho (PSB), o atual vice-prefeito de Petrolina, Guilherme Coelho (PSDB) e o ex-deputado Roberto Teixeira (PP). Eles foram eleitos no chapão da Frente Popular, em 2014, que abarcou 21 partidos e resultou na vitória do socialista Paulo Câmara.

Com 79 anos, Cleuza Pereira, conhecida como Dona Creuza, teve 24.775 votos em 2014. Prefeita de Salgueiro por três mandatos, ela também tem o nome lembrando na sucessão municipal. O PSB ainda deve se reunir para avaliar a pré-candidatura, o que não impede que ela assuma o posto federal. 

Dona Creuza será a primeira sertaneja a assumir o mandato federal. Pernambuco teve em sua história apenas três mulheres na Câmara dos Deputados - Cristina Tavares, Luciana Santos e Ana Arraes. “Não salto de alegria nessa hora, porque está tudo muito complicado em Brasília, mas espero contribuir com as companheiras para defesa do direito da mulher”, disse.

O ex-deputado Severino Ninho (PSB) também pode se beneficiar com a reforma de Temer. O vice-prefeito Guilherme Coelho (PSDB) é o terceiro na suplência. Ele é primo do senador Fernando Bezerra Coelho e alimenta esperanças de ser indicado pelo prefeito Júlio Lóssio (PMDB) para a sucessão. 

O ex-deputado Roberto Teixeira (PP), que já foi genro do ex-deputado Pedro Corrêa (condenado no Mensalão e na Operação Lava Jato), também pode retornar ao Congresso. Teixeira é citado na Lava Jato por suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário