.

.

terça-feira, 29 de março de 2016

PMDB oficializa rompimento com o governo Dilma e Paulo Câmara defende aproximação do PSB com vice-presidente Michel Temer

Reunião do diretório durou poucos minutos (4) e, por aclamação, o PMDB decidiu deixar
base aliada do governo Dilma Dilma Rousseff (PT) . (JC Online/Franco Benites)

O PMDB rompeu oficialmente com o governo Dilma durante reunião do Diretório do partido na tarde desta terça-feira (29). A ordem da sigla é que ministros deixem cargos. Atualmente, o PMDB ocupa sete ministérios. Ao som de 'Fora, PT' e 'Temer presidente', a reunião, que aconteceu em Brasília, durou menos de cinco minutos. Presente à reunião e sentado ao lado do vice-presidente do partido, senador Romero Juca (PMDB-RR), o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, não foi bem recebido na chegada ao encontro partidário. Houve um ensaio de palmas, mas o gesto foi rapidamente interrompido.

Além da entrega dos cargos no Executivo, ficou determinado que haverá instauração de processo no Conselho de Ética do partido contra quem permanecer nas funções.  Participaram da reunião mais de cem membros do Diretório Nacional do PMDB. De Pernambuco, estiveram presentes os deputados federais Jarbas Vasconcelos e Kaio Maniçoba (recém-filiado à legenda) e o vice-governador Raul Henry.

Quanto ao governador Paulo Câmara (PSB), ele defendeu o diálogo do seu partido, do qual é vice-presidente nacional, com o vice-presidente da República. Nessa segunda-feira, um dia antes dos peemedebistas oficializarem a saída da base de apoio ao governo federal, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, reuniu-se com Michel Temer (PMDB) e Paulo endossou o encontro. Para ele, é legítimo que os socialistas mantenham-se próximos a Temer. De acordo com o governador, o momento é de estreitar a relação político-partidária. No entanto, ele não adiantou se o PSB discutiu com Temer a participação em um futuro governo peemedebista caso ocorra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).
.

Fotos: Aluisio Moreira/SEI e Pedro Ladeira/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário