.

.

domingo, 20 de março de 2016

GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO: Em Garanhuns, quinta-feira (17) foi dia de manifestação reivindicando melhorias para categoria

Na pauta de reivindicações dos professores estava entre outros, o cumprimento da Lei
do Piso salarial, que deve promover um ajuste linear na ordem de 11,36%

Essa é destaque no Jornal Cidade
Em circulação em  todas as bancas de Garanhuns

Desde a última terça-feira (15) professores de todo o Brasil deflagraram a Greve Nacional da Educação. O movimento foi proposto pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), além de outros órgãos. A marcha sindicalista aconteceu durante três dias, 15, 16 e 17, e aqui em Garanhuns os profissionais da Rede Estadual e Municipal de ensino também aderiram a mobilização. Segundo informações do Sindicato dos Servidores Municipais de Garanhuns (SINSEMUG), cerca de 70% das escolas da Rede Municipal paralisaram suas atividades. Sobre isso, o sindicato afirma que esses profissionais que não estiveram nas salas de aula, foram as ruas do centro da cidade na manhã da última quinta-feira (17). Do Largo do Colunata em direção a Igreja Catedral de Santo Antônio, localizada no fim da Avenida de mesmo nome; esse foi o trajeto percorrido pelos manifestantes, que com palavras de ordem emitidas através de carro de som e entrega de panfletos realizaram o ato. “Nós, professores da Rede Municipal de Garanhuns, estamos lutando por melhores condições de trabalho e uma Educação de qualidade”, dizia trecho do material impresso entregue nas ruas pelos docentes.

Na pauta de reivindicações da categoria estavam, o cumprimento da Lei do Piso salarial, que deve promover um ajuste linear aos profissionais de educação na ordem de 11,36%; material de expediente (tipo papel, cartolina e caderno); merenda condizente, variada e em qualidade e quantidade suficiente; água potável para consumo; segurança nas escolas; educação democrática e respeito aos professores e alunos. No âmbito local essas reivindicações ganharam mais força duas semanas atrás, quando o jornal cidade, com exclusividade trouxe a público a situação vivida em cinco (5) escolas da Rede Municipal. Na reportagem intitulada de “Descaso com a Educação de Garanhuns”, mostramos a colossal falta de água, merenda e professores, sem contar a de estrutura física adequada para receber os alunos.
.

As escolas Dom Mário e Silvino Almeida, foram os casos mais chocantes apresentados. A responsabilidade, melhor dizendo, a irresponsabilidade, pode e deve ser atribuída ao Prefeito Izaías e a atual Secretaria de Educação do município, Janecélia Marins. Como se não bastassem as que apresentamos, mais “broncas” atordoam a desastrosa condução da Secretaria de Educação Municipal. Na manhã da última quarta-feira (16) ao falar em uma rádio local, uma  professora da Rede Municipal de Educação desabafou e denunciou os problemas que vem ocorrendo neste setor. Referindo-se à Secretária de Educação, que concedeu entrevistas após denúncias que mostraram a situação precária em escolas municipais, uma das professoras relatou: "É muito fácil você vir às rádios dizer que está fazendo isso e aquilo, quando a verdade é outra, completamente diferente. Se você entrar nas escolas hoje vai ver a realidade. Essa questão da merenda, por exemplo, um dia é cuscuz com leite, outro dia é leite com cuscuz. Quando muda um pouco coloca uma batata doce no meio”.

Quanto ao piso salarial e ainda sobre a merenda, a mesma professora disse o seguinte: “Em São Bento do Una, Caetés, Lajedo, outros municípios por aí têm uma merenda de qualidade., e o piso é pago com tranquilidade. Bom Conselho agora mesmo acabou de dar um reajuste para os professores, mas aqui em Garanhuns, nada. E aí? Como é que a gente fica? A gente vai ter que passar por isto mais quanto tempo?". Já sobre a falta de material, a docente indagou: “Nós não temos material dentro das escolas. Tem professor e gestor que está pedindo aos pais, e a secretária foi pra rádio dizer que é ilegal pedir, só que isso aí é um clamor de quem está à frente da escola, seja gestor ou professor, porque nós temos um trabalho a ser desenvolvido, temos compromisso, mas não temos o material necessário”.
.

Com relação ao transcorrer do movimento deflagrado na quinta-feira pela categoria aqui na cidade, onde alguns professores participaram de um ato em manifestação, reivindicando algumas pautas para Educação, ele foi conduzido pelo Professor Lincoln Cardoso. A manifestação ocorreu desde as primeiras horas da manhã (9h) seguindo até pouco mais das 13 horas. O que se viu por lá foi uma recusa a atual administração Izaías Régis, bem como a gestora da pasta de Educação, Janecélia Marins, sobretudo na conduta covarde de ambos, de acordo com a categoria.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário