quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

HÁ UMA SEMANA ELE abria a “Caixa Preta da Câmara de Vereadores de Garanhuns”

Na coletiva de imprensa, Alcindo acusou o pai de Gersinho de ser o principal suspeito
pela ameaça de morte e Gil PM de receber salários indevidamente em 2013

Da Redação
Fotos: Divulgação

Demorou, mas o Vereador Alcindo Correia (PSDC) abriu a tão célebre “Caixa Preta da Câmara”. Em coletiva de imprensa realizada na manhã da última quinta-feira(18), portanto há uma semana, o parlamentar falou por longas duas horas, explorando publicamente, como prometido, suas denúncias. Profissionais dos mais diversos veículos de comunicação acompanharam a fala do legislador, transmitida em tempo real através de algumas emissoras de rádio.

Alcindo, que foi eleito em 2012 para seu primeiro mandato, começou dizendo que sofreu um verdadeiro boicote, já que todos os auditórios pleiteados para a entrevista foram negados à ele. "Estou fazendo a entrevista aqui na República do Café porque todas as portas de todos os auditórios da cidade foram fechadas para mim. Que sociedade é essa que fecha a porta para um parlamentar, mas aqui estou.", frisou o vereador logo no início da sua fala, onde quatro sérias acusações foram feitas.

         AMEAÇA DE MORTE TERIA PARTIDO DO PAI
DO PRESIDENTE DA CÂMARA

Alcindo se refere ao pai do Presidente da Câmara de Vereadores de Garanhuns, Gerson Souza, que segundo ele, é o principal suspeito pela ameaça de morte. A ameaça, para os que não sabem, teria ocorrido logo após uma aparição pública de Alcindo, onde nela foi questionada a obra da Câmara. Naquela época Correia também indagava que em razão de não ser ouvido/atendido pelos seus pares no parlamento, abriria, o que ele próprio intitulou de “Caixa Preta da Câmara”.

Na entrevista, Alcindo falou pouco sobre o caso, mas no depoimento ao Ministério Público, o vereador foi mais específico, dando mais detalhes sobre a ameaça que sofreu. "Depois que concedi a entrevista falando sobre a Caixa Preta fui à República do Café. Quando saí de lá e fui em direção ao Banco do Brasil, onde tinha deixado o carro, fui abordado no Colunata por dois homens de boné, um de cada lado. Eles mandaram eu olhar para a frente e disseram que se eu abrisse a boca, amanheceria com esta cheia de formiga. É um recado que estamos lhe dando, disseram eles. Não reconheci os homens, mas acredito que as ameaças partem do pai do vereador Gersinho Filho" diz parte do trecho do depoimento do vereador ao MP.

          EMPRESA RESPONSÁVEL PELA OBRA DA CÂMARA 
        NÃO PODERIA CONCORRER NA LICITAÇÃO

        Quanto a reforma o socialista frisou repetidamente que sempre foi contra e que o valor final destinado a obra (R$ 568, podendo chegar a 720 mil reais) foge a realidade.“Fiz um levantamento com um construtor; se fosse reformar só o telhado não dava 150 mil” defendeu Alcindo. Já a empresa vencedora da licitação, que atualmente executa os trabalhos no prédio, responde ação na justiça por improbidade administrativa, o que impediria segundo Correia, que ela sequer, participasse do certame. Uma concorrência que sempre deve ocorrer num processo de licitação também foi trazido à tona pelo parlamentar. “Essa empresa jamais poderia participar dessa licitação, pois ela responde a um processo de improbidade administrativa na justiça. Outra questão: numa licitação deve haver uma concorrência, no mínimo 3 interessados participando, o que não houve”, defendeu Alcindo.

                                     PERSEGUIÇÃO: CONCURSADOS EXONERADOS

Dois servidores efetivos da Câmara, concursados em 2014 foram exonerados, “a pedido dos próprios” pelo atual Presidente da casa, de acordo com Alcindo. Para ambos os casos os pedidos teriam ocorridos em face a perseguição sofrida na casa Raimundo de Moraes.

         GIL PM RECEBEU INDEVIDAMENTE SALÁRIO 
        DA POLÍCIA MILITAR EM 2013

        Para Gil PM sobrou a acusação de ocupar ilegalmente o cargo de Vereador. De acordo com Alcindo, há provas irrefutáveis que no decorrer do ano de 2013 o vereador PM causou dano ao Erário Público de Pernambuco, recebendo durante esse período, salário de policial ativo da PMPE, enquanto que naquela ocasião o PM, já diplomado, ocupava cargo no parlamento local. Segundo Alcindo a remuneração recebida por Gil deveria ser proporcional ao seu tempo de ativo na PM, e não a integral como ele teria recebido. 

          NA MIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO

       Todas essas denúncias do vereador Alcindo seguem agora para Primeira Promotoria de Justiça de Cidadania do Ministério Público de Pernambuco em Garanhuns. Lá essas acusações serão analisadas pelo Dr. Domingos Sávio Pereira Agra, cuja moral e trabalho são idôneos, ilibados. Acompanharemos todo o desenrolar das investigações e traremos aqui tudo sobre o caso.  

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir