quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

DÉFICIT HABITACIONAL EM GARANHUNS é maior que no Estado de Pernambuco, revela levantamento

No levantamento, Pernambuco aparece com 302 mil moradias em situação
Deficitária (8,3%). Já Garanhuns registra déficit de quase 11 mil habitações (28,3%).
.

          Essa é destaque no Jornal Cidade
Fotos: Divulgação Secretaria da Fazenda

O déficit habitacional em Garanhuns é maior que no estado de Pernambuco, se consideramos os percentuais obtidos em cada caso. Isso é o que revela um levantamento feito pelo Jornal Cidade, onde o Censo Demográfico de 2010, bem como a Pesquisa Nacional por Amostragem (PNAD 2007-2012), serviram de fonte. Num estudo do Ipea, baseado no levantamento PNAD, Pernambuco tem 8,3% de moradias deficitárias, o que de acordo com a recém criada secretaria de Habitação estadual, significa 302 mil casas à serem construídas. Na Região Nordeste, segundo os dados a que tivemos acesso, o estado até que se destaca, vez que os números apresentados revelam que temos o segundo menor déficit habitacional (antes 10,4%, agora 8,3%).

No que se refere as 302 mil casas, a secretaria de Habitação do governo Paulo Câmara diz que só na Região Metropolitana, aproximadamente 140 mil (46,4%) precisam ser edificadas, enquanto que outras 162 mil (53,6%), devem ser erguidas no interior. No início de 2015, em entrevista na capital, o secretário de Habitação de Pernambuco, Marcos Baptista, chegou a dizer que até o final de gestão do Governador Paulo Câmara (2018) cerca de 20 mil habitações seriam entregues, firmando naquela época um compromisso entre governo e famílias que vivem em condição de aluguel ou mesmo em casas que estão em estado degradante ou semelhante.

Em Garanhuns chama atenção o percentual de déficit habitacional que obtivemos depois de considerarmos os 37 368 domicílios particulares permanentes que o censo de 2010 apresentou. No ano em questão o recenseamento mostrou que dos domicílios mencionados acima, 35 291 eram casas, 1 520 apartamentos, 495 eram Casas de vila ou em condomínios e 62 eram Habitações em casa de cômodo ou cortiços. No tocante, do número total de domicílios particulares, 26 777 eram “próprios”, sendo que 25 924 eram “próprios já quitados” e 853 enquadravam-se como “próprio em aquisição”. Já 7 795 eram “alugados” e ainda de acordo com o mesmo censo, 445 domicílios foram “cedidos por um empregador”. Já 2 255 foram “cedidos de outra forma”,  enquanto que 96 foram “ocupados de outra maneira”.
.

Considerando um universo total de 37 368 casas registradas no levantamento de 2010, onde 26 777 são “domicílios próprios”, obtemos 10.591 moradias com estatus de alugados, cedidos por um empregador, cedidos de outra forma ou ocupados de outra maneira (o que no contexto, significa famílias em domicílios que não são de sua propriedade). Em percentual, isso equivale a um déficit de 28,3%. Déficit esse, maior do que o obtido pelo estado de Pernambuco em 2012 no PNAD, 8,3%. Ainda em Garanhuns, segundo informações colhidas através da secretaria de Comunicação social do governo municipal, estes dados tendem a ser atualizados, já que o último levantamento dessa natureza data de 15 anos atrás. Em breve, prefeitura (secretaria da Fazenda) e Aesga pactuarão um convênio onde a proposta é catalogar esses imóveis.

Ainda segundo o governo local, o município promove políticas habitacionais através do Minha Casa, Minha Vida, do Ministério das Cidades. O programa, de acordo com a gestão, contribuiu maciçamente para que esse dado deficitário (alarmante), fosse reduzido em 2014. É que com o apoio do governo Dilma, 708 famílias foram contempladas com novas habitações em Garanhuns naquele ano. As moradias, erguidas nos conjuntos habitacionais Manoel Camelo I e II, além do Castainho, estão localizadas nas imediações do Centro de Zoonoses, bairro Francisco Figueira (a popular Cohab 2). Lá os moradores desfrutam de todos os serviços essenciais à manutenção de suas casas e famílias; transporte público, água encanada, energia elétrica, saneamento básico, infraestrutura urbana (com pavimentação e drenagem), além de uma amplo espaço em condições ideais ao lazer.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir