domingo, 6 de dezembro de 2015

ESPERANÇA NA REDE: A luta de Simony para manter-se viva


Esperança na Rede:
          Reportagem - Ilka Souza

      Maria Simony Bernardo Rodrigues é uma jovem do interior do Estado de Pernambuco que  luta diariamente por sua vida. Nascida em Correntes, atualmente mora em Garanhuns, uma cidade que, apesar de ser maior que a sua de origem, não está suprindo as suas necessidades em relação a saúde e qualidade de vida.

Esta jovem, como tantas outras de sua idade, utiliza diariamente as redes sociais para registrar os eventos de sua vida, a diferença é que, observando suas postagens na internet, acompanhamos a mudança brusca que a vida de Simony sofreu. As fotos das festas, saídas com os amigos e comemorações em família, repentinamente deram lugar a fotos em hospitais ou em cima de uma cama. O belo sorriso aos poucos tornou-se raro.  A expressão de dor agora é a mais comum. 

Acometida por Lúpus, artrite reumatóide, sinusite crônica, alergias, esofagite, problemas nervosos, depressão e síndrome do pânico, a tecnóloga em Gestão Ambiental, que sonha em cursar Letras e voltar a trabalhar, tem uma rotina diária voltada para a busca da recuperação de sua saúde, com consultas, exames, novos remédios, novos tratamentos, alimentação diferenciada e uma árdua rotina que ainda é agravada pela falta de recursos. Simony não tem condições de trabalhar, não consegue a liberação pelo INSS de um benefício que a auxilie neste momento, mora de aluguel e a renda familiar da casa onde vive com mais 5 pessoas, entre estas 3 crianças, resume-se a aposentadoria de sua mãe, que está em parte comprometida por empréstimos feitos para comprar remédios. O salário do irmão, que além de trabalhar regularmente faz “bicos” para ajudá-la,  é insuficiente para manter as necessidades da moça, que hoje, conta com a solidariedade de familiares, amigos e internautas que conheceram sua história pelas redes sociais e se dispõem a participar das campanhas online. 

       Desde 2012 Simony Bernardo sofre com estas enfermidades adquiridas por um acidente de trabalho. A mesma trabalhava numa empresa de laticínios da região, na parte de controle de qualidade em laboratórios de pesquisas e análises. Ela tinha de trabalhar em um ambiente em que fica um aparelho com os ácidos sulfúricos, tricloroacéticos, álcool isopropílico, além de outros produtos e reagentes químicos altamente perigosos e corrosivos. Nesse local, se fazia necessária uma climatização e o aparelho onde ficam os ácidos tem de ser bem vedado devido ao poder de corrosão destas substâncias químicas, entretanto, o aparelho que guardava os ácidos chamado de “capela”, e ar-condicionado do local onde a jovem trabalhava começaram a apresentar problemas e e por cerca de dois meses estes equipamentos funcionaram de forma inadequada. Segundo Simony, eles  quebravam e  eram consertados constantemente expondo  Simony ao contato  com essas substâncias tóxicas.

Os primeiros sintomas apareceram aos poucos.  Começaram com alergias, mal estar, tontura, dor de cabeça e cansaço. Ainda de acordo com Simony, após adoecer, ela começou a ser perseguida na empresa, o que desencadeou problemas de nervosos  e após necessitar de atestado médico e repouso de 15 dias em casa, foi  demitida: “falaram que estavam me demitindo porque estavam fazendo corte de funcionários na empresa", revelou a moça”.

     Mesmo com tantos problemas, ela não desiste de lutar e a cada dia utiliza seu perfil para divulgar vídeos com informações para pessoas que compartilham dos mesmos problemas de saúde, todo o resultado de pesquisas feitas por ela está em seu diário digital “facebook” para ajudar outras pessoas e são estas postagens que motivam as doações tão necessárias. 

 Uma pessoa com diagnósticos tão graves não pode abrir mão de um plano de saúde É imprescindível que esteja acobertada para as internações, consultas e exames que são tão necessários para aliviar seus sintomas, mas infelizmente no país em que vivemos a saúde pública não disponibiliza recursos suficientes para atender pessoas que como Simony que precisam de um acompanhamento diário. Para manter o plano ela precisa  e  depende das doações. Sendo assim,  não é raro o atraso das parcelas. Quando a arrecadação das doações é insuficiente, Simony tem de escolher entre pagar o plano ou ter uma alimentação adequada . Geralmente a alimentação fica em segundo lugar.

Simony tem o cadastro no Sistema único de Saúde (SUS) e utiliza seu cartão em busca de atendimento e remédios, mas na maioria das vezes se depara com a falta de medicamentos, O atual Secretário de Saúde do município, sr. Alfredo de Góis Neto, devido a gravidade do estado de Simony, é quem segundo ela está sendo um “anjo” e dentro das possibilidades da saúde municipal. Ele vem conseguindo exames e atendimento médico para a mesma sempre que possível, mas constantemente ela tem de ir aos consultórios particulares que aceitam seu plano. Alguns médicos cedem amostras grátis após as consultas, mas não são suficientes para o tratamento, então geralmente ela posta a receita e aguarda a doação da medicação.

   No primeiro semestre deste ano, Simony Bernardo concedeu entrevista a dois telejornais de muita credibilidade na Região e o INSS foi procurado para esclarecimentos sobre a negativa que a mesma recebe sempre que procura a Seguridade Social em busca de um benefício. Estas entrevistas foram importantes porque o caso dela foi revisto na época e, por um mês, ela recebeu o benefício, mas logo foi solicitada uma nova perícia e o médico voltou a negar o benefício atestando capacidade laborativa. A mesma revela que tem todos os laudos médicos que atestam justamente o contrário que ela é incapaz.

A moça levou com muita dificuldade financeira o caso do acidente de trabalho à justiça e está aguardando. Ganhou as audiências, mas a empresa recorreu. Agora Simony  espera que o INSS libere seu benefício. Para isso,  busca o auxílio de algum advogado da área previdenciária que  possa ajudá-la a resolver esta injustiça. Hoje ela conta com a solidariedade das pessoas e segue divulgando seu caso. Alguns amigos  fazem campanhas e compartilharam online. Vamos ajudar e compartilhar esta história!

AJUDE VOCÊ TAMBÉM

ELEIÇÕES: Ministério Público Eleitoral em Pernambuco fiscaliza abusos na propaganda eleitoral


Com informações da PRE-PE
Foto: Internet

Com as recentes mudanças na legislação eleitoral, a propaganda eleitoral, que só podia ter início no dia 6 de julho do ano da eleição, passou a ser permitida somente após o dia 15 de agosto. Entretanto, a Lei nº 13.165, de 29 de setembro de 2015, que diminuiu o período oficial de campanha, também flexibilizou o conceito de propaganda eleitoral extemporânea. Agora, a menção à pretensa candidatura e a exaltação das qualidades pessoais de pré-candidatos e pré-candidatas não configuram propaganda eleitoral antecipada, desde que não envolvam pedido explícito de voto.

Preocupado com eventuais abusos nas eleições de 2016, o procurador regional eleitoral de Pernambuco, Antônio Carlos Barreto Campello, reuniu-se semana passada com os promotores e promotoras eleitorais que atuam na cidade de Olinda, de onde tem vindo boa parte dos relatos que apontam excessos nas ações de promoção pessoal.

O procurador explica que, com as mudanças na legislação, o Ministério Público Eleitoral não tem respaldo para tomar medidas que possam coibir certas práticas que anteriormente poderiam ser consideradas como propaganda antecipada. Entretanto, o órgão estará atento à mobilização dos pré-candidatos/as em todo o estado, para verificar eventual abuso de poder econômico.

“Embora essas condutas, de forma isolada, não sejam ilícitas, podem eventualmente configurar abuso de poder econômico caso se observe que, em seu conjunto, se mostrem abusivas e ponham em risco a igualdade entre candidatos”, declarou Antônio Carlos. Caso sejam identificados excessos, o MP pode propor ações por abuso de poder econômico, que podem ter consequências graves, como inelegibilidade, cassação do registro de candidatura e impugnação do mandato eletivo.

200 MILHÕES INVESTIDOS E 850 EMPREGOS GERADOS: Sertão de Pernambuco entra na rota de produção de minério


O Sertão pernambucano entra no mapa da mineração nacional com um projeto estruturador de exploração e beneficiamento de titânio. Investidores da família Tavares de Melo, assessorados pela Casaforte Investimentos, anunciaram ao governador Paulo Câmara, na tarde da última quinta-feira (03.12), um investimento de R$ 200 milhões em Floresta, Sertão de Itaparica. O empreendimento, incluindo mineração e beneficiamento do minério, prevê a geração de 250 empregos diretos e outros 600 indiretos. Participaram da audiência os empreendedores Marcos Tavares Costa Carvalho e Romildo Tavares de Melo, do grupo Tavares de Melo; e Fernando Buarque e Roberto Cabral de Melo, da Casaforte Investimentos.

O aporte anunciado hoje será destinado à primeira fase do projeto, que visa a produção anual de 150 mil toneladas na lavra e beneficiamento físico da chamada ilmenita – uma das principais fontes minerais de titânio. Expansões futuras estão nos planos da empresa.“Esse empreendimento vai contribuir para o desenvolvimento do Estado e de uma região que carece de maiores investimentos e alternativas econômicas. Vemos com muito entusiasmo, ainda mais entusiasmo porque ele é fruto de um tradicional grupo empresarial pernambucano”, celebrou o governador Paulo Câmara.

Após audiência com o governador, o empreendedor Romildo Tavares de Melo, destacou a capacidade de realizar do Estado. “Uma coisa que tem me impressionado no Governo de Pernambuco é a proatividade. Tanto o ex-governador Eduardo Campos, porque esse projeto começou em 2009, quanto o governador Paulo Câmara, os secretários estaduais e os órgãos envolvidos na negociação sempre foram muito proativos”, elogiou.

O concentrado de ilmenita é o principal insumo para a produção de pigmento de titânio, utilizado na fabricação de diversos produtos, como tintas, plásticos, cosméticos e papéis.

“O projeto é extremamente estratégico, pois, além da geração de oportunidades e renda no Sertão, seguindo a política de interiorização do Governo, prevê ainda pesquisa e desenvolvimento de tecnologias próprias, desenvolvidas em Pernambuco. Com isso, além de inserir o Estado, com destaque, no mercado nacional, ainda irá fomentar a estruturação de uma cadeia produtiva de ponta”, reforçou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões.

O concentrado de ilmenita poderá ser exportado ou vendido para uma planta de tratamento químico nacional para produção do pigmento de titânio. A única jazida de ilmenita operando no Brasil hoje exporta cerca de 50.000 toneladas/ano.

Foto: Wagner Ramos/SEI

EFICIÊNCIA: Pernambuco será referência para outros Estados no combate ao Aedes aegypti


Durante reunião neste sábado (05/12), no Comando Militar do Nordeste (CMNE), com a presidente Dilma Rousseff, para discutir medidas de combate ao Aedes aegypti, o governador Paulo Câmara destacou a eficiência da Vigilância em Saúde de Pernambuco por ter sido o primeiro Estado a identificar os vírus zika e chikungunya, transmitidos pelo mosquito, que também propaga a dengue. O zika vírus foi apontado pelo Ministério da Saúde como causador do aumento de casos de microcefalia em bebês no País. Segundo a presidente Dilma, os protocolos firmados pela Secretaria de Saúde de Pernambuco para identificar a doença e cuidar das crianças e suas famílias vão servir de referência para outros Estados.

Na próxima terça-feira (08/12), a presidente reunirá os 27 governadores da Federação e mais entidades nacionais que representam os municípios. “Temos uma vigilância em Saúde que tem um dos protocolos mais eficientes do País”, disse Paulo Câmara, durante a reunião que contou com a presença de quatro ministros, deputados federais, senadores, prefeitos e secretários estaduais, além de comandantes do Exército, que ajudarão os Municípios e os Estados no combate ao Aedes.

O governador Pernambuco elogiou a iniciativa da presidente em reunir os governadores e disse que “Pernambuco está todo mobilizado”, informando que as prioridades são o atendimento permanente às crianças com microcefalia e às suas famílias, além do combate diário ao mosquito Aedes aegypti.

Paulo Câmara lembrou que Pernambuco adotou protocolos que hoje já são referência nacional no que diz respeito ao aumento de casos da microcefalia: instituiu a notificação, imediata e compulsória; realizou o estudo descritivo; definiu e articulou a rede de referência; fez a investigação epidemiológica em parceria com a Fiocruz; elaborou e publicou o protocolo clínico epidemiológico e elaborou e divulgou informes semanais. “Precisamos agora sensibilizar a população para a gravidade desse desafio que temos pela frente”, completou o governador.

“Precisamos da união de todos, Governo Federal, Estados, municípios e a sociedade civil”, disse a presidente Dilma, acrescentando que “o compromisso não é de apenas uma unidade da Federação”, mas de todo Brasil. Dilma assegurou que “não faltarão recursos”, apesar das dificuldades fiscais do Governo Federal. Já o ministro da Saúde, Marcelo Castro, lembrou que essa é a primeira vez que ocorre o registro no mundo da vinculação do zika com a ocorrência da microcefalia.

Castro, a exemplo do que fez Pernambuco na última segunda-feira (30/11), apresentou um Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia e Propostas de Ação. O secretário de Saúde de Pernambuco, Iran Costa, detalhou as primeiras ações do Plano Estadual de Enfrentamento à Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti.

Foto: Roberto Pereira/SEI