segunda-feira, 26 de outubro de 2015

IFPE prorroga prazo para inscrição no Vestibular 2016

Os interessados em prestar o Vestibular 2016 do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) terão mais tempo para efetuar a inscrição. O prazo, que antes terminaria no dia 25/10 (domingo), foi prorrogado até o dia 30/10 (sexta-feira). A data-limite para o pagamento da taxa de inscrição também foi adiada para o quinto dia útil após o término da greve dos bancários.

A medida tem como objetivo não prejudicar os candidatos que não conseguiram fazer o pagamento devido à paralisação. Mesmo com a extensão do prazo, os correntistas do Banco do Brasil já podem pagar a taxa pela internet ou nos terminais de autoatendimento.

       As inscrições podem ser feitas através do site da Comissão de Vestibulares e Concursos do IFPE (cvest.ifpe.edu.br), onde o candidato poderá preencher a ficha de inscrição e emitir o boleto bancário, no valor de R$ 25 para os cursos técnicos e R$ 50 para os cursos superiores. A inscrição é gratuita para os que concorrerão às vagas dos cursos oferecidos na modalidade Proeja.

Mesmo com a prorrogação do prazo de inscrição e pagamento, a data inicial da prova foi mantida no dia 29/11. A divulgação do listão com o nome dos aprovados está prevista para o dia 18/12.

Neste ano, são oferecidas 6.332 vagas distribuídas entre os 15 campi do Instituto. Metade das vagas é oferecida pelo Sistema de Cotas e reservada para candidatos oriundos da rede pública de ensino. Os interessados devem consultar todas as informações sobre o processo seletivo no Manual do Candidato do Vestibular 2016, disponível no site da Cvest.

Em caso de dúvidas, é possível entrar em contato com a Comissão pelo telefone: 81.2125.1724.

IFPE

OPORTUNIDADE DE EMPREGO: Secretaria de Micro e Pequena Empresa de Pernambuco divulga cinco (5) novas vagas de trabalho para Garanhuns


A Secretaria de Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação de Pernambuco divulgou nesta terça (27), quadro de vagas referente as oportunidades de emprego abertas em todo o estado. Para Garanhuns estão sendo oferecidos cinco (5) postos de trabalho, sendo 3 são para motoristas de automóveis e dois (2) para corretor de imóveis.

Para o caso de motorista as exigências são: ensino médio completo e seis (6) meses de experiência em carteira de trabalho. Para as duas oportunidades de corretor de imóveis, ensino fundamental, além de seis meses de experiência em CTPS são requisitados.

Os interessados devem se dirigir a sede da Agência do Trabalho, que em Garanhuns funciona em dois endereços. Um na rua Amauri de Medeiros, nas proximidades do parque Euclides Dourado e o outra no Expresso Cidadão, Avenida Lions Clube, 305, Aloísio Pinto. A secretaria não informou os salários das vagas .

    Além da Agência do Trabalho, a Rede de Supermercados Bonanza também oferece vagas neste mês de outubro. Os postos oferecidos são para os estados de Pernambuco e Paraíba e as funções são as de:

· Balconista de Carnes;
· Balconista de Frios;
· Operador de Caixa;
· Ajudante de Depósito;
· Auxiliar de RH;
· Promotor;
· Vendedor;
· Supervisor de Vendas e
· Gerente de Loja (em Patos, PB)

   Interessados devem enviar currículos através do e-mail:                                                 clearh@bonanza.com.br.

VAGAS OFERECIDAS ATRAVÉS DA AGÊNCIA DO 
TRABALHO EM GARANHUNS

MPPE ajuíza ação civil requerendo a suspensão dos contratos temporários de professores da rede municipal de Belo Jardim


O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ajuizou ação civil pública contra o município de Belo Jardim (Agreste Central), requerendo a suspensão, a partir de junho de 2016, de todos os contratos e contratações de professores da rede pública de ensino sem admissão por concurso público. A partir da mesma data, o MPPE também requer a proibição do Poder Executivo, através do prefeito João Mendonça (foto), de renovar ou efetuar novas contratações desses profissionais de forma precária, bem como a condenação do município a se abster de efetuar contratos temporários por excepcional interesse público para ocupar cargos ou funções de professor.

De acordo com ação civil pública, ingressada pelo promotor de Justiça Leôncio Tavares, o MPPE constatou que o último concurso público realizado pelo município de Belo Jardim para o preenchimento de cargos públicos de professor da rede municipal de ensino ocorreu no ano de 2007. No decorrer desses oito anos sem concurso, o município realizou a contratação de centenas de pessoas para exercerem as funções de professores da rede pública de ensino, por meio de contratos temporários de excepcional interesse público, sem adoção de nenhum processo objetivo de seleção, em total violação, dentre outros dispositivos normativos, aos artigos 6° e 7° da Lei Municipal n°1.594/2003.

     Neste ano, o município contratou 251 pessoas para prestarem serviços públicos de docentes, sem observar o princípio do concurso público e a legislação municipal. Já nos anos anteriores foram: 57 (em 2014); 253 (em 2013); 130 (em 2012); 136 (em 2011); 88 (em 2010); e 220 (em 2009). Belo Jardim totaliza 1.135 contratos de professores para o exercício da atividade pública de docente.

As funções desempenhadas pelo pessoal contratado temporariamente por excepcional interesse público são funções de natureza permanente, já que são às relacionadas aos serviços de educação da rede pública municipal. De acordo com o entendimento do MPPE, tais cargos deveriam ser ocupadas por pessoas aprovadas em concurso público. O promotor de Justiça Leôncio Tavares constatou ainda que não há, no quadro do município, cargos vagos de professores em quantidade correspondente às contratações temporárias e que já transcorreu o prazo máximo de vigência de contratos temporários emergenciais por excepcional interesse público.

Na argumentação, o MPPE destacou que, no entendimento do Supremo Tribunal Federal, a contratação de pessoal por tempo determinado para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público (Constituição Federal, artigo 37, incisos II e IX) deve atender a quatro requisitos: previsão legal dos cargos; tempo determinado; necessidade temporária de interesse público; e interesse público excepcional.

A data de junho de 2016 foi estipulada pelo promotor de Justiça Leôncio Tavares por entender que o município precisa se organizar para efetuar as mudanças necessárias, de forma a garantir que o ensino da rede pública não seja afetado ou interrompido por causa da adequação à legislação.

         MPPE