terça-feira, 22 de setembro de 2015

NO MÊS DE OUTUBRO Garanhuns realiza a 2ª edição do Festival Internacional de Literatura Infantil (FILIG)


Escritores e ilustradores do Brasil e do mundo estarão reunidos de 15 a 18 de outubro, em Garanhuns, no Agreste pernambucano, para compartilhar, com crianças e adultos, suas experiências sobre o universo da literatura infantil. Além de palestras, oficinas e mesas-redondas, a 2ª edição do Festival Internacional de Literatura Infantil de Garanhuns (Filig 2015) traz novidades, como a participação de editores nos debates; intervenções literárias em espaços públicos da cidade e um projeto-piloto de requalificação de bibliotecas e salas de leituras. A programação completa foi divulgada hoje (22), em coletiva de imprensa, realizada no auditório da Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns (Aesga).

Com o tema “Poesia, rima e prosa da fantasia”, o Filig é uma realização da Proa Cultural, em parceria com a Ferreira Costa, Prefeitura de Garanhuns, Secretaria de Educação de Garanhuns e o Serviço Social do Comércio (Sesc) de Garanhuns.

Entre os nomes internacionais, participam este ano os escritores e ilustradores Miguel Tanco (Espanha), Anabella López (Argentina) e Anna Laura Cantone (Itália). Os convidados brasileiros são Leo Cunha (Minas Gerais) e os pernambucanos Rosinha Campos, Lenice Gomes e André Neves, que atualmente mora em Porto Alegre-RS.

Para falar sobre os desafios do mercado de livros infantis, o Filig convidou ainda os editores Annete Baldi (Editora Projeto – RS), Renata Nakano (Edições de Janeiro – RJ) e Peter O’Sagae (Dobras da Leitura – SP).

O Filig tem uma programação voltada tanto para a criançada, como para os adultos. Nas atividades previstas, o público poderá participar de oficinas, sendo duas para crianças e duas para adultos, que serão realizadas no Sesc Garanhuns pela manhã e à tarde. A programação segue no Parque Ruben van der Linden, mais conhecido como Pau Pombo, no turno da tarde. O espaço, que fica na área central de Garanhuns e tem infraestrutura de lazer, receberá espaços de leitura, bate-papos, lançamentos, feira de livros e apresentações culturais. Já a programação de palestras para o público adulto será realizada à noite, no auditório do Sesc deGaranhuns. Todas as atividades são abertas ao público.

Para conferir matéria e programação completa clique AQUI.

PRIMEIRO DIA DE AULÕES EM GARANHUNS E LAJEDO reúne centenas de estudantes


O último sábado (19) não foi um dia de descanso para os estudantes do 3º ano da rede estadual. Com foco nas avaliações necessárias para o ingresso no ensino superior, centenas de estudantes lotaram os aulões do projeto “Intensivo é na rede estadual”, nos polos Garanhuns e Lajedo.

Neste primeiro sábado de estudos, os professores Pedro Henrique de Melo Teixeira e Carla Bismarque Lopes conduziram os estudos nas disciplinas de História e Biologia, respectivamente. Os feras tiveram a oportunidiade de revisar conteúdos, tirar dúvidas e responder questões direcionadas para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em aulas dinâmicas e com metodologias diferenciadas.

O projeto “Intensivo é na Rede Estadual” é uma iniciativa da Secretaria de Educação de Pernambuco executada, na região, pela Gerência Regional de Educação (GRE) do Agreste Meridional. Desde 2013, mais de 2.500 estudantes já se beneficiaram com os aulões.

Nos aulões os feras tem a oportunidade de revisar conteúdos, tirar dúvidas e responder 
questões direcionadas para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

CRISE CHEGA A UPE: Pedro Falcão contingencia mais de 11 tipos de despesas e até mesmo aquisição de novos livros está suspensa


O reitor e a vice-reitora da Universidade de Pernambuco (UPE), professores Pedro Falcão e Socorro Cavalcanti, respectivamente, reuniram nessa segunda-feira (21/09), na Reitoria, os diretores das unidades de ensino e os pró-reitores para discutir as melhores soluções no sentido de ajustar os gastos da instituição para tentar evitar maiores consequências financeiras.

      A reunião de contingenciamento começou com o reitor Pedro Falcão (foto) pedindo a compreensão de todos. “Setembro e outubro são os piores meses de arrecadação para o Estado e o dinheiro não chega na mesma proporção que os gastos”, ressaltou. Ele afirmou ainda que o mais importante é não deixar os problemas atingirem o ensino. Pediu também para que os gestores fizessem, para cada ação, uma justificativa para os cortes e o impacto que a medida iria causar para a universidade.

“Inicialmente, decidimos cortar ao máximo os gastos na Reitoria para não atingir as unidades, mas isso ainda não foi suficiente”, informou o pró-reitor Administrativo e Financeiro, professor Rivaldo Mendes. Por isso, o esforço para diminuir mais os gastos. Já tiveram redução as despesas com água, luz, transporte, limpeza, vigilância, correios, passagens, terceirizados, diárias, aquisição de livros, suprimentos e outros itens que constam no decreto de contingenciamento do governo do Estado. “Apesar das dificuldades enfrentadas nas unidades de ensino, há um clima de confiança que esta fase será curta e a universidade voltará a desempenhar com êxito o seu papel conforme desejo de todos os gestores, docentes, alunos e servidores técnicos-administrativos.”

10 MEDIDAS DE COMBATE: MPF e MPPE querem tornar corrupção crime de mais alto risco

Objetivo é convidar a sociedade para assinar lista com vistas a apresentar
projeto de lei de iniciativa popular ao Congresso Nacional

O Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE) e o Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) oficializaram parceria para promoção da campanha nacional “10 Medidas contra a Corrupção”. A solenidade foi realizada na sede do MPPE e presidida pelo procurador-geral de Justiça, Carlos Guerra de Holanda (no centro na foto). Estiverem presentes os procuradores da República Luciano Sampaio Rolim (à esquerda na foto) e João Paulo Holanda Albuquerque (à direita na foto), além de cerca de 35 promotores de Justiça que atuam na capital e no interior do estado.

O objetivo da campanha é coletar 1,5 milhão de assinaturas em todo o país para levar o Congresso Nacional a aprovar medidas com o fim de prevenir e reprimir a corrupção de modo adequado. As propostas devem chegar ao Congresso por meio de projeto de lei de iniciativa popular, a exemplo do que ocorreu com a Lei da Ficha Limpa.

Durante o evento, o procurador-geral de Justiça afirmou que o MPPE está empenhado para contribuir com o combate à corrupção no país. Vamos aderir à inciativa do MPF em Pernambuco para que nosso estado dê sua parcela de contribuição à campanha”, afirmou.

As 10 medidas foram apresentadas aos presentes pelo procurador da República João Paulo Albuquerque. São propostas de alterações legislativas para evitar o desvio de recursos públicos e garantir transparência, celeridade e eficiência ao trabalho do Ministério Público brasileiro, com reflexo no Poder Judiciário. Segundo ele, é preciso a união de toda a sociedade para tornar a corrupção um crime de mais alto risco. “Atualmente, o baixo índice de punibilidade leva a uma alta na prática da corrupção”, explicou.

O procurador da República Luciano Rolim enfatizou que é preciso o apoio dos cidadãos colocando os nomes nas fichas de coleta de assinaturas. De acordo com ele, a legislação que permite a punição dos corruptos é deficiente e cheia de brechas. “Precisamos da ajuda da população para enviar essas medidas ao Congresso Nacional e tapar essas brechas. O objetivo é que a impunidade e a corrupção sejam uma página virada no país”, afirmou.

Fichas de assinatura - As medidas agrupam 20 anteprojetos de lei propondo mudanças legislativas para quebrar o círculo vicioso da corrupção no Brasil. Fichas de coleta de assinaturas, para dar origem ao projeto de lei de iniciativa popular, estão sendo disponibilizadas nas unidades do MPF e do MPPE na capital e no interior de Pernambuco. A íntegra das medidas e a ficha de assinatura estão disponíveis no site www.dezmedidas.mpf.mp.br

As medidas buscam, entre outros resultados, agilizar a tramitação das ações de improbidade administrativa e das ações criminais; instituir o teste de integridade para agentes públicos; criminalizar o enriquecimento ilícito; aumentar as penas para corrupção de altos valores; responsabilizar partidos políticos e criminalizar a prática do caixa 2; revisar o sistema recursal e as hipóteses de cabimento de habeas corpus; alterar o sistema de prescrição; e instituir outras ferramentas para recuperação do dinheiro desviado. 

O lançamento nacional da campanha foi feito em março pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelos coordenadores da Câmara de Combate à Corrupção do MPF, Nicolao Dino, da Câmara Criminal do MPF, José Bonifácio Andrada, e pelo coordenador da Força-Tarefa Lava Jato do MPF no Paraná, Deltan Dallagnol.